Menu
Busca terça, 19 de março de 2019
(67) 99647-9098
Saúde

"Mais Médicos vive uma crise de improvisações", diz Mandetta

Um dos problemas, na visão do futuro ministro, é a falta do processo de distrato do convênio

29 dezembro 2018 - 19h53Da Redação com Agência Brasil

O ministro da Saúde do próximo governo, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta sexta-feira (28), que o Programa Mais Médicos será completamente revisto na próxima gestão. Ele garantiu que vai aguardar o processo de reposição das vagas iniciado pelo atual governo após a saída de 8,5 mil médicos cubanos, mas criticou o programa pelo que chamou de "improvisações" adotadas desde a sua criação.   

"Vamos aguardar o que esse governo vai concluir de reposição das vagas, porque a gente já fez reuniões. O entendimento deles começa de um jeito e depois] muda. A característica desse Programa Mais Médicos é de improvisações, uma atrás da outra, desde o dia que ele foi instalado até o dia de hoje. O programa está vivendo uma crise das improvisações", disse. Ele criticou, por exemplo, o fato de o convênio para atuação dos médicos cubanos não ter previsto um processo de rescisão com saída gradual dos profissionais.

"Como você faz um convênio com o país, no caso Cuba, através da Organização Panamericana de Saúde (Opas), em que não se prevê nem o distrato? Quando você faz o aluguel da sua casa, quando você vai devolver o imóvel, você tem as condições pelas quais você termina. Quando você está trabalhando, você tem até aviso prévio. Então é um programa tão no improviso que nem as condições de como termina o programa foram pensadas", criticou. 

Para Mandetta, outro problema do Mais Médicos é não dar prioridade para o preenchimento de vagas nas áreas de difícil provimento, fazendo com que regiões com maior grau de desenvolvimento acabem recebendo os profissionais antes das que mais precisam.

"Tem cidades com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito alto, em que, em tese, não precisaria de médicos estrangeiros, mas onde você teve a substituição completa dos médicos cubanos, e cidades do chamado Brasil profundo, onde tem populações ribeirinhas, distritos sanitários indígenas, onde vocês tem difícil provimento, então por que não começar pelas áreas de difícil provimento?", disse. 

Ainda segundo Mandetta, por causa dessa distorção, a primeira cidade com preenchimento de vagas no programa foi Brasília, que seria uma inversão de prioridade, na sua visão. "Não me parece que Brasília seja uma cidade hipossuficiente, uma cidade com IDH elevadíssimo, capital da República, tem um poder aquisitivo muito alto. O programa como um todo vai ter que ser rediscutido", disse.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Investimentos na saúde já passam dos R$ 125 milhões, em 2019
Saúde
Escala médica mostra três UPAs com atendimento clínico e pediátrico
Saúde
Após “falta” de pediatra em UPA, Sesau quer deixar médicos de sobreaviso
Saúde
Fumacê percorre 14 bairros nesta segunda-feira
Saúde
Nesta segunda-feira, duas UPAs têm atendimento completo durante o dia
Saúde
Pacientes com Down merecem atenção especial no dentista
Saúde
Hospital Regional produz um milhão de refeições por ano
Saúde
Prefeito destaca que 80% dos problemas de saúde poderiam ser resolvidos em UBS
Saúde
Prefeitura aumenta plantões para reforçar atendimento na saúde
Saúde
Nesta sexta-feira, apenas uma UPA tem atendimento completo na capital

Mais Lidas

Polícia
Mistério: adolescentes desaparecem a caminho da escola
Polícia
Menina de dez anos se mata com arma do pai, em São Paulo
Polícia
Sul-mato-grossense e namorado morrem em acidente em Porto Alegre
Geral
Fazendeiro morre após bater moto contra placa de sinalização