Menu
Busca domingo, 02 de outubro de 2022
(67) 99647-9098
Brasil

Covid: 130 mil crianças perderam um dos responsáveis no Brasil, diz estudo

Dados são resultado de estudo publicado na revista científica "The Lancet"

21 julho 2021 - 12h54Gabrielly Gonzalez, com EFE

Os cuidados com a pandemia, atualmente, estão voltados para o controle da transmissão, distribuição de vacinas e prevenção da doença. Mas, os efeitos secundários do surto mundial também são extremamente importantes. As mortes por covid-19 deixaram 130.363 crianças brasileiras sem a mãe, o pai, um avô ou avó ou um responsável. No mundo, esse número chega a mais de 1,5 milhões de pessoas.

Os dados são resultado de um estudo publicado pela revista científica "The Lancet", que analisou informações de 21 países, de março de 2020 até abril de 2021. Os pesquisadores incluíram Brasil, Argentina, Colômbia, França, Alemanha, Quênia, Malawi, África do Sul, Espanha e EUA, que foram responsáveis por quase 77% das mortes por covid-19 no mundo inteiro, para extrapolar uma estimativa global mínima.

Cientistas observam que 1,13 milhão de crianças perderam um dos pais ou um avô responsável devido a uma morte associada à covid-19. Destes, 1 milhão era órfão da mãe, do pai ou de ambos. Sendo que a maioria perdeu um dos pais e não ambos.

No total, 1,56 milhão de pessoas sofreram a morte de pelo menos um dos pais, avô de guarda, avô coabitante ou outro parente idoso que vivia com eles. A perde dos avós, que em muitos casos são o sustento da família ou a garantia de que os pais possam trabalhar, já que eles cuidam dos netos, é um fator de preocupação para os pesquisadores.

Mortes associadas à covid-19 foram, em todos os países, mais elevadas entre os homens do que entre as mulheres, especialmente nas faixas etárias médias e mais velhas. No total, houve cinco vezes mais perdas de pais do que de mães.

Pesquisadores se referem a mortes associadas à doença, ou seja, a combinação das causadas diretamente pela covid e aquelas devidas a fatores como confinamento, restrições de reuniões e movimento, diminuição do acesso ou aceitação de cuidados de saúde e tratamento de enfermidades crônicas.

No entanto, a maioria das crianças enlutadas não fica sem adultos para cuidar delas. Alguns permanecem com pais solteiros; outros podem entrar em parentesco, adoção ou cuidado adotivo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
IBGE: Trimestre encerrado em agosto registra queda de 8,9% no desemprego
Brasil
Mãe que matou as filhas envenenadas, afogadas e a facadas disse ter feito bem a elas
Brasil
Justiça anula condenação de ex-policial envolvido na morte de Eliza Samudio
Brasil
Pancadaria entre torcedores do Cruzeiro e Palmeiras deixa 4 feridos; assista
Brasil
Mega-Sena acumula em RS 200 milhões
Brasil
Capital é décima terceira em ranking de "cidades inteligentes"
Brasil
Grávida é encontrada morta com o a barriga e as partes íntimas arrancadas
Brasil
Cadastro positivo para motoristas inicia nesta quinta-feira
Brasil
Prazo para tirar 2° via do título eleitoral encerra hoje
Brasil
Corno até em sonho: Homem sonha que estava sendo traído e tenta matar a esposa

Mais Lidas

Política
Pesquisa mostra Contar e Riedel no segundo turno
Política
Pesquisa Ranking mostra André e Riedel na frente
Polícia
Carro com urna eletrônica é roubada na Capital
Política
IPEC: André lidera, Riedel em segundo com Marquinhos e Contar colados