Menu
Busca sábado, 24 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Dodge diz que medidas do Estado não podem discriminar o cidadão

“São os mais pobres, sempre, as maiores vítimas do egoísmo humano", disse a procuradora-geral da República, Raquel Dodge

06 março 2019 - 12h30Agência Brasil

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse nesta quarta-feira (6), no lançamento da Campanha da Fraternidade, que o papel do Ministério Público é zelar para que as políticas públicas incluam todos os cidadãos, alertando que as medidas adotadas pelo Estado não podem discriminar e devem contribuir para o combate da corrupção, criminalidade, violência e pobreza.

“São os mais pobres, sempre, as maiores vítimas do egoísmo humano. E a solidariedade é o seu maior antídoto”, disse a procuradora ao participar do lançamento da Campanha da Fraternidade, organizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cujo tema este ano é Fraternidade e Políticas Públicas.

Ao comentar a proposta de reforma da Previdência, Dodge adotou um tom prudente, e disse que todo e qualquer governo deve prezar pela Constituição, que, segundo ela, estabelece critérios para um Estado fraterno.

“A campanha [da CNBB] lembra que fraternidade e política pública são temas vinculados, e lembra que cada cidadão tem o direito e o dever cívico de participar da elaboração das políticas públicas. [A discussão sobre a reforma da Previdência] é um debate cidadão”, disse.

A procuradora-geral, Raquel Dodge, destacou, mais de uma vez, a necessidade do combate à corrupção que, segundo ela, é uma ameaça ao financiamento de políticas públicas voltadas para a população brasileira.

CNBB

O cardeal Sergio da Rocha, presidente da CNBB, disse que o objetivo da campanha deste ano é estimular a participação dos cristãos na construção e acompanhamento das políticas públicas, esclarecendo que a Igreja não adota uma postura politico-partidária.

Sobre a reforma da Previdência, o cardeal disse que a CNBB ainda avaliará o texto enviado pelo governo. Segundo ele, o importante é assegurar os direitos dos menos privilegiados e evitar retrocessos de conquistas dos trabalhadores.

“É muito importante o diálogo. Não apenas entre o governo e o Congresso, mas um diálogo que escute todos os segmentos da sociedade”, disse. Segundo o cardeal, a Igreja já manifestou essa preocupação em governos anteriores que tentaram aprovar mudanças na Previdência.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Nova fase da Lava Jato investiga crimes que causaram prejuízos de R$ 6 bi
Brasil
Ibama vai contratar empresa para monitorar desmatamento
Brasil
Policial passa mal e morre no dia que soube que seria pai
Brasil
“Aumento de queimadas na Amazônia pode ser ação criminosa”, diz Bolsonaro
Brasil
Mega sorteia R$ 31 milhões nesta quarta
Brasil
Minha Casa, Minha Vida recebeu R$ 2,47 bilhões no primeiro semestre
Brasil
Moro destaca importância de prisão em segunda instância
Brasil
Vídeo mostra momento em que sequestrador é executado pelo BOPE
Brasil
Taurus usou empréstimo do BNDES para comprar jatinho
Brasil
Ministro Ernesto Araújo vem à capital em reunião sobre Corredor Bioceânico

Mais Lidas

Polícia
Família encontra jovem morto e suspeita é de suicídio
Polícia
Polícia apresenta acusado de estupro e roubo no Jardim Carioca
Polícia
Confusão em tabacaria da Moreninha termina em morte
Polícia
Rapaz é contatado por aplicativo para fazer corrida e desaparece