Menu
Busca sábado, 22 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Brasil

Moro destaca importância de prisão em segunda instância

Ministro também prevê estímulo a criminosos que deixarem facções

20 agosto 2019 - 15h15Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, aproveitou sua participação em um evento realizado pela Secretaria Nacional do Consumidor, no auditório do Superior Tribunal de Justiça (STJ), para defender o chamado Projeto Anticrime, enviado pelo governo federal ao Congresso Nacional.

Diante de autoridades como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux; do presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, juristas, advogados e especialistas, Moro destacou a importância de mudanças legais que permitam o início do cumprimento de sentenças condenatórios em segunda instância e a concessão de benefícios como a progressão de regime de cumprimento de pena apenas a detentos que comprovem que, enquanto presos, deixaram de integrar organizações criminosas.

“Nossa proposta é que o preso condenado por integrar alguma organização criminosa não poderá progredir de regime de cumprimento de pena ou obter livramento condicional ou outros benefícios prisionais se houver elementos comprobatórios que indiquem a manutenção do vínculo associativo”, disse Moro ao defender o ponto do Projeto Anticrime que prevê mudanças na Lei 12.850, de 2018, que tipifica o crime organizado.

“A prisão tem um efeito preventivo e, idealmente, o objetivo de permitir a ressocialização do preso. Não é possível haver reabilitação enquanto o condenado permanecer vinculado a uma organização criminosa”, disse Moro, acrescentando que a proposta visa estimular os detentos a deixarem o crime e, assim, enfraquecer as organizações criminosas que, de acordo com o próprio ministro, dominam o interior de alguns presídios, de onde disputam o controle de atividades ilícitas como o tráfico de drogas e de armas, numa rivalidade que, “com certa frequência”, “resultam em assassinatos em massa” no interior das unidades carcerárias, como os verificados este ano, em Manaus (AM) e Altamira (PA).

“Nosso objetivo não é manter as pessoas por mais tempo recolhidas na prisão. Pelo contrário. O objetivo é enfraquecer as facções criminosas […] Enquanto houver elementos probatórios que indiquem que o preso pertence a alguma organização criminosa, ele não obterá benefícios no regime de pena”, acrescentou o ministro.

Jacarezão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Contra assédio, 99 dá desconto em corridas à Delegacia da Mulher no Carnaval
Brasil
Bacci relata ameaças após anunciar morte ao vivo
Brasil
Silvio não quer demitir a filha, diz colunista
Brasil
Silvia Abravanel pede demissão ao pai depois de se envolver em polêmica
Brasil
Ninguém acerta e Mega-Sena acumula em R$ 190 mi
Brasil
Morre, aos 83 anos, o “Zé do Caixão”
Brasil
Cid Gomes é baleado no Ceará
Brasil
Lula e Alcolumbre devem se reunir nesta quarta para falar sobre política
Brasil
Possível ganhador da Mega poderá ter R$ 440 mil, por mês, o resto da vida
Brasil
Secretário descarta privatizar Petrobras, Caixa e Banco do Brasil

Mais Lidas

Polícia
Pai mata filho a facadas ao proteger mãe durante briga do casal
Geral
Vídeo - Microfone de Claudia Leitte cai durante perfomance aérea no Carnaval
Geral
Viação São Luiz tem duas linhas suspensas na capital
Polícia
Polícia Civil prende suspeito de estuprar enteada de oito anos