Menu
Busca sexta, 20 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Governo Segurança
Brasil

Presidente de associação diz que 'não cabe' a Bolsonaro trocar chefe da PF

Delegado criticou declarações do presidente da república sobre a saída de Ricardo Saadi

15 agosto 2019 - 17h15Rauster Campitelli, com informações do O Globo

As declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a saída do delegado Ricardo Saadi do comando da Superintendência da PF no Rio de Janeiro foram alvo de críticas por parte do presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Edvandir Paiva. Bolsonaro anunciou, durante entrevista nesta quinta-feira (15), a exoneração de Saadi por supostos problemas de "gestão e produtividade".

Para Paiva, é "estranho" que um presidente da República se manifeste sobre troca de superintendente. Com uma longa carreira na instituição, o delegado disse não se lembrar de nenhum caso em que o chefe do Executivo tenha descido a detalhes da administração interna da polícia. Ele argumenta ainda que Bolsonaro não tem atribuição legal para definir quem pode e quem não pode ocupar cargos de chefia na instituição.

“Não cabe ao presidente da República indicar ou trocar cargos internos da Polícia Federal. Os cargos internos são preenchidos pelo diretor-geral. Acho que foi bastante estranha essa declaração dele (Bolsonaro). A Polícia Federal é um órgão de Estado, não do governo dele. Ele pode indicar o diretor-geral, não os demais cargos internos”, disse Paiva.

Segundo o presidente da ADPF, a saída de Saadi da Superintendência do Rio vinha sendo acertada há muito tempo. O delegado tem família em Brasília e já tinha revelado a amigos o desejo de retornar à capital. A vaga de Saadi deverá ser ocupada pelo superintendente da PF em Pernambuco, Carlos Henrique Oliveira Sousa. As declarações de Bolsonaro sobre o desempenho de Saad causaram surpresa até mesmo em dirigentes da PF em Brasília.

“Não é verdade que o Saad tem problemas de gestão. Os índices dele são bons. Índices sobre investigações, fiscalização e servços como emissão de passaporte”, disse um delegado chefe de um dos cargos mais importantes da PF.

Na Polícia Federal desde 2002, Saad foi diretor do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) de 2010 a 2016. Antes disso, ele chegou a comandar investigações sobre o banqueiro Daniel Dantas depois do afastamento do ex-delegado Protógenes Queiroz do caso, em 2008.

Toka do Jacare - perkal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Governo prorroga ação das Forças Armadas na Amazônia Legal
Brasil
Bolsonaro participará da Assembleia Geral da ONU em Nova York
Brasil
Tasso apresenta relatório final da reforma da Previdência
Brasil
Votação da reforma Tributária será no dia 2 de outubro, prevê Simone
Brasil
Correios suspendem paralisação em todo o país
Brasil
Vídeo – Torcedor do Athletico tem a mão dilacerada ao manusear rojão
Brasil
Prazo para inscrição no Prouni vai até dia 30 de setembro
Brasil
Governo zera imposto de importação de equipamentos médicos
Brasil
Relatório da reforma Tributária será apresentado na quarta-feira
Brasil
“Agenda segue normal”, diz Tereza Cristina sobre crise na Arábia Saudita

Mais Lidas

Cidade
Mais dois radares na Afonso Pena começam a multar
Polícia
Para fazer ex-mulher sofrer, pai mata filho de 2 anos afogado em bacia
Internacional
Tragédia – Incêndio em escola mata 263 alunos e 2 professores
Polícia
Assassino de Ronaldo assume quatro homicídios da década de 80