Menu
Busca segunda, 30 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Brasil

Presidente de associação diz que 'não cabe' a Bolsonaro trocar chefe da PF

Delegado criticou declarações do presidente da república sobre a saída de Ricardo Saadi

15 agosto 2019 - 17h15Rauster Campitelli, com informações do O Globo

As declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a saída do delegado Ricardo Saadi do comando da Superintendência da PF no Rio de Janeiro foram alvo de críticas por parte do presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Edvandir Paiva. Bolsonaro anunciou, durante entrevista nesta quinta-feira (15), a exoneração de Saadi por supostos problemas de "gestão e produtividade".

Para Paiva, é "estranho" que um presidente da República se manifeste sobre troca de superintendente. Com uma longa carreira na instituição, o delegado disse não se lembrar de nenhum caso em que o chefe do Executivo tenha descido a detalhes da administração interna da polícia. Ele argumenta ainda que Bolsonaro não tem atribuição legal para definir quem pode e quem não pode ocupar cargos de chefia na instituição.

“Não cabe ao presidente da República indicar ou trocar cargos internos da Polícia Federal. Os cargos internos são preenchidos pelo diretor-geral. Acho que foi bastante estranha essa declaração dele (Bolsonaro). A Polícia Federal é um órgão de Estado, não do governo dele. Ele pode indicar o diretor-geral, não os demais cargos internos”, disse Paiva.

Segundo o presidente da ADPF, a saída de Saadi da Superintendência do Rio vinha sendo acertada há muito tempo. O delegado tem família em Brasília e já tinha revelado a amigos o desejo de retornar à capital. A vaga de Saadi deverá ser ocupada pelo superintendente da PF em Pernambuco, Carlos Henrique Oliveira Sousa. As declarações de Bolsonaro sobre o desempenho de Saad causaram surpresa até mesmo em dirigentes da PF em Brasília.

“Não é verdade que o Saad tem problemas de gestão. Os índices dele são bons. Índices sobre investigações, fiscalização e servços como emissão de passaporte”, disse um delegado chefe de um dos cargos mais importantes da PF.

Na Polícia Federal desde 2002, Saad foi diretor do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) de 2010 a 2016. Antes disso, ele chegou a comandar investigações sobre o banqueiro Daniel Dantas depois do afastamento do ex-delegado Protógenes Queiroz do caso, em 2008.

Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Autoridades usam as redes para defender o isolamento social
Brasil
Covid-19 - Com sintomas da doença, Mari Palma é afastada da CNN
Brasil
Vídeo - Bolsonaro vai para rua e para em churrasquinho
Brasil
Senado votará na segunda auxílio de R$ 600 para trabalhadores
Brasil
Estrangeiros em voos interncionais estão proibidos de entrar no Brasil
Brasil
Brasil tem 92 mortes e 3.417 casos confirmados de novo coronavírus
Brasil
João Dória é ameaçado de morte após discutir com Bolsonaro
Brasil
Fábio Trad diz que isolamento vertical, agora, “é crime”
Brasil
Juíza manda soltar Eduardo Cunha por causa do coronavírus
Brasil
Suspensão de cortes de energia; entenda

Mais Lidas

Política
Após tratamento do coronavírus, Nelsinho participa de votação remota
Geral
Coronel David ganha no TRE e pode mudar de partido sem punição
Saúde
Coronavírus - Bataguassu realiza higienização das ruas com cloro
Polícia
Homem espirra em policiais e afirma ter coronavírus para não ser preso