Menu
Busca domingo, 19 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Brasil

Situação na Venezuela preocupa setor de combustíveis, diz Bolsonaro

Presidente Bolsonaro e ministros avaliam reflexos da crise venezuelana

01 maio 2019 - 13h47Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (1º) que há uma preocupação do governo com o impacto da crise da Venezuela nos preços dos combustíveis. O país é um grande produtor de petróleo e sofre com sanções econômicas e embargos de diversos países, liderados pelos Estados Unidos, à commodity.

“Uma preocupação existe sim, com essa ação e com embargos, o preço do petróleo a princípio sobe. Temos que nos preparar, dada a política da Petrobras [de seguir os preços do mercado internacional] e de não intervenção de nossa parte [do governo], mas poderemos ter um problema sério dentro do Brasil como efeito colateral do que acontece lá”, disse o presidente.

De acordo com Bolsonaro, o governo está em atenção para “nos anteciparmos a problemas de fora que venham de forma grave para dentro do Brasil”. Ele se reuniu hoje com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, para avaliar a situação política no país vizinho e os reflexos no Brasil. O encontro, no Ministério da Defesa, em Brasília, contou ainda com a presença dos ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e com os comandantes das Forças Armadas.

Ao longo de terça-feira (30) foram registrados confrontos entre manifestantes e forças de segurança nas ruas de Caracas e outras cidades venezuelanas, depois que o autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, divulgou uma mensagem afirmando ter obtido apoio de oficiais das Forças Armadas para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder. Guaidó batizou a ação de Operação Liberdade, para livrar o país do que classificou como “a usurpação” do poder pelo grupo de Maduro.

A partir da divulgação do anúncio de Guaidó pelas redes sociais, venezuelanos contrários e favoráveis a Maduro foram às ruas. O Palácio do Planalto tem acompanhado com atenção a situação na Venezuela, mas descarta uma intervenção militar no país vizinho. “A possibilidade é próxima de zero [de intervenção]. Outros atores estão nesse circuito, Estados Unidos e Rússia. Estamos preocupados porque temos reflexos”, disse Bolsonaro.

O presidente brasileiro elogiou o ato de Guaidó e disse que há, sim, uma fissura nas forças armadas venezuelanas que apoiam o governo de Maduro. “Existe uma fissura, sim, que cada vez mais se aproxima das cúpulas das forças armadas. Então existe a possibilidade do governo ruir pelo fato de alguns da cúpula passarem para o outro lado”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Simone repudia pronunciamento de Alvim e apoia o seu afastamento
Brasil
Secretaria será criada para entrada do Brasil na OCDE, afirma Lorenzoni
Brasil
Funcionários da Casa da Moeda estão parados desde sexta-feira
Brasil
Brasil e Catar acabam com exigência de visto
Brasil
Documentário sobre Dilma é indicado ao Oscar
Brasil
No STF, Netiflix insiste no Especial de Natal Porta dos Fundos
Brasil
Filha do presidente nacional do PROS acusa o pai de agressão
Brasil
Vídeo - Guindaste tomba e afunda barco em rio
Brasil
Taxa sobre energia solar é criticada por Davi Alcolumbre
Brasil
Bolsonaro quer manter relações comerciais com Irã

Mais Lidas

Internacional
Brasil assina acordo agrícola com Alemanha
Internacional
Rainha aprova saída de Harry e Meghan, mas com uma condição
Política
Prazo para regularização do título termina em maio
Internacional
Morre menor homem do mundo com 27 anos e 67 centímetros