Menu
Busca domingo, 25 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Sebrae/mulher
Brasil

STJ reconhece rescisão com provedora de internet por velocidade

O usuário pode entrar com uma reclamação na Justiça se sentir-se prejudicado

30 setembro 2018 - 13h12Da redação

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu nesta semana a legalidade da rescisão de contrato do serviço de conexão à internet, sem multas e encargos, por divergências na velocidade mínima. A ação foi movida pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), mas a decisão é válida em todo o território nacional.

O questionamento do Ministério Público, feito em 2009, alegou que a empresa em questão (NET Serviços) não divulgava de maneira adequada o fato de a velocidade real da conexão ser bem inferior ao anunciado em suas peças publicitárias. Na época, o mínimo exigido era 10% da taxa de velocidade anunciada. Mas os percentuais foram alterados a partir de 2011, com a edição de um regulamento de qualidade pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, lembrou que o Código de Defesa do Consumidor estabelece como direito dos cidadãos na contratação de um serviço o recebimento de informações adequadas, sobre suas condições, preço e características. A ministra entendeu que a publicidade da empresa mencionava a possibilidade de variações da velocidade, não devendo a prestadora de serviços ser obrigada a garantir a taxa de conexão máxima anunciada.

“A publicidade não lhe gera expectativa legítima de que sua velocidade será sempre aquela denominada ‘velocidade nominal máxima’”, analisou. Por outro lado, uma vez que as informações disponibilizadas eram insuficientes, deveria ser garantido ao consumidor o direito de desistir da contratação sem ônus.

“O consumidor pode se arrepender de contratar um serviço que tenha um percentual mínimo de garantia de velocidade que não lhe foi informado e que não lhe agrade. A proteção à sua boa-fé e à sua confiança reside, portanto, no reconhecimento do direito de rescindir o contrato sem encargos, por não desejar receber o serviço em que a velocidade mínima que lhe é garantida – e não informada na publicidade – é inferior às suas expectativas”, avaliou a relatora.

Velocidades mínimas

A Anatel estabeleceu, em regulamentos de qualidade, percentuais mínimos da velocidade contratada que provedores de acesso à internet precisam garantir. Tanto no caso da banda larga fixa quanto na móvel, a velocidade instantânea deve ser de no mínimo 40% do contratado em pelo menos 95% dos testes realizados. Já a velocidade média deve ficar em pelo menos 80% do índice contratado no provedor do serviço.

Os testes são realizados pela Agência e pela Entidade Aferidora de Qualidade (EAQ). Os usuários que quiserem verificar a velocidade real podem fazê-lo por meio de medidores disponibilizados no site Brasil Banda Larga, mantido pela EAQ e pela Anatel.

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Criador de 'bigodin finin, cabelin na régua' morre afogado no RJ
Brasil
AO VIVO: STF decide se ICMS do gás fica no MS
Brasil
Senador que morreu de coronavírus minimizava a doença
Brasil
Senador Arolde de Oliveira morre de coronavírus
Brasil
Filha de 9 anos flagra pai estuprando menina de 5 na lateral da casa
Brasil
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello está com coronavírus
Brasil
Jorge, da dupla Jorge e Mateus, engravida melhor amiga da ex-mulher
Brasil
Mulher leva soco, esfaqueia marido e vai presa
Brasil
PF cumpre mandados por fraudes na Petrobras na Operação Lava Jato
Brasil
Pelo segundo ano consecutivo Brasil não terá horário de verão

Mais Lidas

Polícia
Idoso que atirou em cachorro leva multa em R$ 2 mil
Cultura
A Fazenda 2020: Jojo Todynho bebe demais, 'arranca roupa' e corre pela casa
Cultura
Som da Concha traz diversidade de shows neste final de semana
Polícia
Empresa de segurança avisa dono, que casa estava sendo furtada e um acaba preso