Menu
Busca quinta, 18 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Cidade

Em 2018, número de notificações de dengue reduziu na capital

É o menor número nos últimos quatro anos, aponta boletim epidemiológico

02 janeiro 2019 - 18h33Da redação com informações da assessoria

Em 2018, Campo Grande registrou o menor número de casos notificados de Dengue dos últimos quatro anos. O saldo positivo é reflexo do trabalho de planejamento e estratégias adotadas pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) no combate ao mosquito Aedes aegypti ao longo dos últimos dois anos.

De acordo com a série histórica extraída do boletim epidemiológico da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV), de janeiro a dezembro de 2015, foram notificados 14.450 casos da doença. No mesmo período de 2016, foram 28.469 notificações, enquanto que em 2017 foram 3.190 casos. Em 2018 o número de notificações reduziu para 2.374.

Para o secretário de Saúde, Marcelo Vilela, apesar do saldo positivo é necessário que todos estejam conscientes e façam sua parte no controle e combate do mosquito, principalmente nessa época do ano onde os cuidados devem ser redobrados. “A instabilidade climática proporciona um aumento natural na proliferação do mosquito, que é potencializado pelo descarte ou armazenamento inadequado de materiais acumuladores de água e, consequentemente, traz riscos à população”, disse o secretário.

Veja o balanço:

Áreas em risco

Conforme os dados do Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LiRAa) divulgado em novembro do ano passado,  27 áreas apresentaram índices superiores a 3,6% de infestação.

A área mais crítica é da UBSF Paradiso que abrange os bairros Monte Castelo, Seminário e Vila Nossa Senhora das Graças, com Índice de Infestação Predial (IPP) de 9%. Em maio, o IPP da área era menor que 2%, o que representa um aumento de mais de 6%.

As áreas das UBSFs Jardim Azaleia e Alves Pereira apresentam índice de 8.1%, seguidas da UBS Mata do Jacinto e UBSF Vila Fernanda com 6.7%, UBSs Universitário e Caiçara com 6.6%.

O levantamento revela ainda que 15,32% dos focos do mosquito foram encontrados em baldes, 14,74% em pneus, 11,56% em latas, 7,37% em tambor, 5,78% em caixas d’água e 5,35% em vasos de plantas.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Empresa garante que água distribuída é saudável e de qualidade
Cidade
No feriadão, mais de 180 mil veículos devem trafegar na BR-163
Cidade
CCR MSVia inicia "Operação Páscoa" na BR-163
Cidade
Comerciantes da Bandeirantes se reúnem com prefeito e deputado
Cidade
Reviva é inspirado em modelo mundial de grandes centros
Cidade
Confira o que abre e o que fecha no feriado de Páscoa, na capital
Cidade
Enem divulga resultado do pedido de isenção da taxa de inscrição
Cidade
Trecho da 14 de Julho, ao lado da praça, é liberado para veículos
Cidade
“Muitos trabalharam por essa conquista”, diz Carlão sobre pavimentação no Anache
Cidade
PL quer instituir abril como mês do doador de sangue e medula

Mais Lidas

Polícia
Esposa foge com pastor levando dinheiro e carro do marido
Polícia
Vídeo mostra momento que major é assassinado
Geral
Vídeo - Em encontro sustentável, secretário de Marquinhos cai de patinete
Polícia
Mãe de Kauan pode perder guarda de mais dois filhos