Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_graduação
Cidade

Em 2018, número de notificações de dengue reduziu na capital

É o menor número nos últimos quatro anos, aponta boletim epidemiológico

02 janeiro 2019 - 18h33Da redação com informações da assessoria

Em 2018, Campo Grande registrou o menor número de casos notificados de Dengue dos últimos quatro anos. O saldo positivo é reflexo do trabalho de planejamento e estratégias adotadas pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) no combate ao mosquito Aedes aegypti ao longo dos últimos dois anos.

De acordo com a série histórica extraída do boletim epidemiológico da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV), de janeiro a dezembro de 2015, foram notificados 14.450 casos da doença. No mesmo período de 2016, foram 28.469 notificações, enquanto que em 2017 foram 3.190 casos. Em 2018 o número de notificações reduziu para 2.374.

Para o secretário de Saúde, Marcelo Vilela, apesar do saldo positivo é necessário que todos estejam conscientes e façam sua parte no controle e combate do mosquito, principalmente nessa época do ano onde os cuidados devem ser redobrados. “A instabilidade climática proporciona um aumento natural na proliferação do mosquito, que é potencializado pelo descarte ou armazenamento inadequado de materiais acumuladores de água e, consequentemente, traz riscos à população”, disse o secretário.

Veja o balanço:

Áreas em risco

Conforme os dados do Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LiRAa) divulgado em novembro do ano passado,  27 áreas apresentaram índices superiores a 3,6% de infestação.

A área mais crítica é da UBSF Paradiso que abrange os bairros Monte Castelo, Seminário e Vila Nossa Senhora das Graças, com Índice de Infestação Predial (IPP) de 9%. Em maio, o IPP da área era menor que 2%, o que representa um aumento de mais de 6%.

As áreas das UBSFs Jardim Azaleia e Alves Pereira apresentam índice de 8.1%, seguidas da UBS Mata do Jacinto e UBSF Vila Fernanda com 6.7%, UBSs Universitário e Caiçara com 6.6%.

O levantamento revela ainda que 15,32% dos focos do mosquito foram encontrados em baldes, 14,74% em pneus, 11,56% em latas, 7,37% em tambor, 5,78% em caixas d’água e 5,35% em vasos de plantas.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo: Você viu o Luxinho? Cachorro de idosa de 92 anos está desaparecido na Capital
Cidade
4 mil peças de roupas são arrecadadas por servidores municipais
Cidade
Governo do estado e prefeitura garantem casas para moradores da antiga favela Cidade de Deus
Cidade
Foi selecionado? Prefeitura convoca aprovados em dois processos
Vídeos
Ao vivo: REME retoma aulas presenciais
Cidade
Agetran prevê liberação da Antônio Maria Coelho no sábado
Cidade
Foram entregues R$ 70 mil a ganhadores da 'Nota Premiada' de Campo Grande
Cidade
Obra de acesso ao centro está na reta final na Rua Três Marias
Justiça
Paulo Pedra e Igreja "Palácio de Deus" terão que reformar imóvel
Cidade
Prefeitura convoca aprovados em seleção; Confira

Mais Lidas

Polícia
Bebedeira acaba em confusão na casa de pai de santo após debate sobre 'macumba'
Polícia
Militar aposentado de MS é encontrado morto e suspeita é de latrocínio
Polícia
Família do bagulho: Mãe e filha são pegas traficando drogas
Polícia
Suposto funcionário de hospital aplica golpe de ouro falso em jovem