Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Economia

Aumento dos combustíveis será mais frequente para acompanhar cotações internacionais, diz Mantega

06 fevereiro 2013 - 11h08Reprodução/Agência Brasil

As mudanças nos preços dos combustíveis serão mais frequentes para acompanhar com mais agilidade a cotação internacional do petróleo, disse nesta terça-feira (05) o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele evitou dizer se o governo cogita, para breve, um novo reajuste da gasolina e do óleo diesel, mas informou que o governo alterou a política de preços da Petrobras.

“Nós acabamos de dar um aumento para a gasolina, então não me parece oportuno falarmos em novo reajuste. Agora, a nossa tendência será acompanhar, cada vez mais, a evolução dos preços do petróleo, porque o preço dos combustíveis tem de ter uma correlação com o preço internacional do barril. Esse é o valor que a Petrobras paga quando importa derivados”, disse Mantega.

De acordo com o ministro, nos últimos cinco anos, os preços dos combustíveis aumentaram 85% nas refinarias. No mesmo período, a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) somou 60%. Ele esclareceu que esses reajustes, na época, não foram repassados aos consumidores porque o governo compensou as altas de preços com reduções na Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

Apesar do aumento superior à inflação nas refinarias, o ministro ressaltou que os preços internacionais do petróleo provocaram impacto nas contas da Petrobras nos últimos anos. “O problema foi a cotação internacional do petróleo, que subiu mais que os preços nas refinarias, então houve descolamento no preço para importar a gasolina”, avaliou.

Mantega recusou-se a comentar as declarações da presidenta da Petrobras, Graça Foster. Em entrevista coletiva para comentar o balanço da estatal, ela disse que considerava insuficiente o aumento de 6,6% no preço da gasolina e de 5,4% do preço do diesel nas refinarias. Sobre a queda de 8% nas ações ordinárias (com direito a voto) da estatal ontem na Bolsa de Valores de São Paulo, o ministro declarou apenas que oscilações nos preços de ações são naturais.

“Em renda variável, isso costuma acontecer. Eles [os preços das ações] vinham subindo há semanas, aí caem em outra semana. Às vezes, o fator é externo. Ontem, por exemplo, as bolsas estavam caindo no mundo todo”, argumentou.

O ministro deu as declarações depois de se reunir por mais de duas horas com a presidenta Dilma Rousseff. Mantega não informou se a política de combustíveis foi discutida no encontro.

Via Agência Brasil

Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia
Economia
AO VIVO - Entidades orientam empresário a obter empréstimos de emergência
Economia
Crédito emergencial para empresas será anunciado nesta quarta
Economia
Ações de cobrança são prorrogadas até 31 de julho pela Receita
Economia
Hoje tem pagamento do auxílio emergencial; veja se você recebe
Economia
Após anunciar prorrogação do Auxílio, Bolsonaro fala em harmonia entre Poderes
Economia
Ao vivo: Governo anuncia prorrogação do auxílio emergencial
Economia
Riedel apresenta plano para enfrentar nova fase da pandemia em MS

Mais Lidas

Polícia
Após assediar jovem, perseguidor do Sedan prata é liberado pela polícia
Geral
"Crianças estão imunes ao coronavírus", diz Marcelo Crivella
Política
Ministério da Segurança ainda pode ser recriado pelo Governo
Cidade
Confira o itinerário de fumacê contra o Aedes Aegypti em oito bairros