Menu
Busca sábado, 28 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Economia

Bolsonaro promete zerar impostos se governadores acabarem com ICMS

O presidente lançou o desafio ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta quarta-feira (5)

05 fevereiro 2020 - 11h51Priscilla Porangaba, com informações do G1

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (5) que zerará os impostos federais sobre combustíveis se os governadores também zerarem a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Enquanto governadores querem que o governo reveja os impostos federais sobre os combustíveis, como PIS, Cofins e Cide, Bolsonaro vem defendendo uma mudança na forma de cobrança do ICMS sobre esses produtos. O ICMS é um tributo estadual que representa uma fatia importante de arrecadação tributária dos governo locais.

Ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta quarta-feira o presidente disse “eu zero o federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito”. Para Bolsonaro, o tributo deveria ser calculado sobre o valor vendido nas refinarias e não nos postos de combustíveis.

Ele ainda acrescentou que a situação é um problema. “ Pelo menos a população já começou a ver de quem é a responsabilidade. Não estou brigando com governadores. O que eu quero é que o ICMS seja cobrado no combustível lá na refinaria, e não na bomba. Eu baixei três vezes o combustível nos últimos dias, mas na bomba não baixou nada”.

Os tributos federais incidentes sobre os combustíveis são a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), o Programa de Integração Social/Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (PIS/Pasep) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Em 2019, a arrecadação com PIS/Pasep, Cofins e Cide sobre os combustíveis totalizou R$ 27,4 bilhões, segundo dados da Receita Federal. Desse total, R$ 20,2 bilhões foi a arrecadação da Cofins, R$ 4,3 do PIS/Pasep e R$ 2,8 bilhões da Cide. Em 2018, a arrecadação de todas essas contribuições chegou a R$ 32,8 bilhões.

Nesta manhã, ao deixar o Ministério da Economia para reunião com Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes preferiu não se manifestar sobre o assunto, ao ser questionado pela imprensa. O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, ao chegar ao Ministério da Economia, também não fez comentários.

 

Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Senado define data de votação do auxílio de R$ 600 para trabalhadores
Economia
Saiba quem pode obter auxílio de R$ 600 do Governo Federal
Economia
Governo anuncia R$ 40 bi para socorrer micro e pequenas empresas
Economia
Prazo do Refis Estadual é ampliado
Economia
Previsão do Banco Central aponta crescimento zero no PIB brasileiro
Economia
Coronavírus: Desemprego na construção preocupa sindicato de trabalhadores
Economia
Reinaldo prorroga prazos da Escrituração Fiscal Digital e certidão negativa de débitos
Economia
Governo do Estado libera R$ 2,4 milhões de recursos para os municípios
Economia
Confira as alterações nas Loterias da Caixa devido ao coronavírus
Economia
Gol e Azul fazem corte de 90% em voos diários

Mais Lidas

Justiça
Justiça Federal autoriza Cervejaria Bamboa a fabricar álcool em gel
Geral
McDonalds doa refeições para profissionais da saúde na capital
Justiça
Gilmar Mendes decide manter recomendação de soltar presos devido à pandemia
Saúde
Com três novos casos, MS chega a 31 pessoas com coronavírus