Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 02
Economia

Classe média brasileira chegará a 60% da população em 2018, diz Dilma nos Estados Unidos

10 abril 2012 - 11h17Reprodução

A presidenta Dilma Rousseff reiterou ontem (9), em Washington, nos Estados Unidos, que a crise econômica mundial impõe a todos a busca pela superação de paradigmas e de novas oportunidades. No caso brasileiro, o crescimento da classe média é o estímulo para o país manter os esforços para o crescimento econômico, disse a  presidenta. Segundo ela, mais brasileiros serão incluídos neste nicho da sociedade, alcançando 60% da população em 2018.

“[A classe média] é a chave para a força e a capacidade de crescimento da economia em nosso país”, ratificou a presidenta, durante encontro com empresários norte-americanos e brasileiros, além de representantes de várias universidades. “A crise econômica internacional impõe a nós imensos desafios. Mas tem sido também a oportunidade para ultrapassar paradigmas.”

Dilma lembrou que o Brasil tem se esforçado, consolidando a superação de dificuldades econômicas em pilares sólidos. Ela ressaltou que atualmente o Brasil tem reservas líquidas acima de sua dívida externa. Também destacou que em 2002 a dívida líquida brasileira sobre o Produto Interno Bruto (PIB) era 64% e agora está em 36,5%.

A presidenta disse ainda que os esforços do governo são para dar mais tranparência aos gastos públicos e aplicar de maneira adequada os recursos federais. Segundo ela, essa disposição faz parte de uma opção feita pelos setores público e privado, assim como pela sociedade brasileira: “É importante que se destaque a iniciativa, que é do governo, dos empresários e do povo brasileiro”.

Para Dilma, há uma “opção clara” no Brasil por estimular o crescimento econômico com medidas de justiça social e mais democracia.  “Buscamos um mercado de consumo de massa que é uma forma de justiça social”, disse, lembrando que as mudanças no Brasil refletem o que ocorre no mundo como um todo.

Ao defender a participação da classe média como força motriz na economia, Dilma lembrou que processo semelhante ocorre na Rússia, Índia, China e África do Sul, países que compõem o bloco do Brics. Ela reiterou que os cinco países têm grandes extensões territoriais e desafios comuns a perseguir, como a inserção das classes marginalizadas, pobres e que têm fome.

A visita de dois dias da presidenta Dilma aos Estados Unidos acaba hoje (10). Ontem, ela esteve em Washington e hoje passa o dia em Boston, quando irá às universidades de Harvard e Massachusetts. Em ambas, a presidenta deverá apresentar as parcerias para o programa Ciência sem Fronteiras.

Via Agência Brasil

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Confira: Caixa libera saque do 3º lote para nascidos em julho
Economia
Novo Toque de Recolher muda funcionamento dos shoppings de CG
Economia
Valor do leite sofre reajuste de 18% em MS durante a pandemia
Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Economia
Junho tem o maior volume de vendas do ano, diz Receita Federal
Economia
BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia
Economia
AO VIVO - Entidades orientam empresário a obter empréstimos de emergência

Mais Lidas

Cidade
Vídeo: a “bola de fogo” que deixou campo-grandenses intrigados
Saúde
Coronavírus: Com aumento de números, MS tem 228 novos casos e 8 óbitos em 24h
Entrevista
“Precisamos combater as fake news”
Justiça
Homem responde em liberdade após tentar abusar da sobrinha de 13 anos no MS