Menu
Busca quarta, 19 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Economia

Desemprego atinge 12,2 milhões de brasileiros, diz IBGE

O apontamento é sobre o último trimestre de 2018, quando a taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,6%

31 janeiro 2019 - 17h35Rayani Santa Cruz, com G1

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,6% no trimestre encerrado em dezembro do ano passado, atingindo 12,2 milhões de brasileiros, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (31). A taxa representa uma estabilidade frente ao trimestre encerrado em novembro e um recuo de 0,3 ponto percentual em relação ao 3º trimestre (11,9%).

De acordo com o G1, no ano de 2018, a taxa média de desocupação foi de 12,3%, ante 12,7% em 2017. O país encerrou o ano passado com apenas 116 mil desempregados a menos, no comparativo com o 4º trimestre de 2017. Já na comparação com o 3º trimestre, houve uma redução de 297 mil pessoas no número de desempregados.

O gerente da pesquisa, Cimar Azeredo, destacou que entre os fatores que contribuíram para a maior geração de postos de trabalho nos últimos meses de 2018 estão o fim da incerteza eleitoral, a Black Friday em novembro, e o Natal.

Na comparação com o 3º trimestre, o aumento na população ocupada se deu, principalmente, no comércio, com 266 mil trabalhadores ocupados a mais. No segmento de comunicação, o aumento no contingente de ocupados foi de 190 mil novos trabalhadores. Já no setor de transportes, o aumento foi de 157 mil novos ocupados.

Recorde de trabalhadores por conta própria

Segundo o IBGE, a população ocupada no país cresceu 1% (894 mil pessoas a mais) na comparação com o 4º trimestre de 2017, reunindo 93 milhões de brasileiros, maior número já registrado pela série da pesquisa. A queda do desemprego, entretanto, continua sendo puxada pelo crescimento do trabalho informal ou por conta própria.

O número de trabalhadores sem carteira assinada cresceu 3,8% (mais 427 mil pessoas) no 4º trimestre de 2018, na comparação com o ano anterior. Já o número de trabalhadores por conta própria subiu 2,8% (mais 650 mil pessoas) em 1 ano, reunindo no final do ano passado o número recorde de 23,848 milhões de pessoas.

Por outro lado, o número de trabalhadores com carteira assinada caiu 1% (324 mil pessoas a menos) na comparação anual. "A qualidade dos postos de trabalho gerados é ruim, já que a maioria foi de trabalho por conta própria... Além de não favorecer o mercado formal, esse aumento da ocupação também não deu conta de aumentar significativamente a massa de rendimento, que é o que vai colocar o mercado de trabalho num círculo virtuoso”, avaliou a gerente da pesquisa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Dólar alivia e apresenta queda singela na última semana
Economia
Receita inicia nesta semana a restituição do lote residual do IRPF
Economia
Longen apresenta potencial de MS para embaixadores da Ásia
Economia
Reinaldo assina decreto para diminuir ICMS no comércio atacadista
Economia
Dólar apresenta queda nesta quinta-feira
Economia
Refis arrecadou R$ 76 mi e ajudou a “segurar contas municipais”, diz secretário
Economia
A gasolina aumentou para incentivar venda de etanol, diz Lazaroto
Economia
Dólar encerra semana com novo recorde de alta
Economia
“Fruto da força da nossa gente”, diz Reinaldo sobre MS ser destaque em investimento
Economia
Receita abre consulta ao lote residual de IR na segunda-feira

Mais Lidas

Polícia
Paciente surta, arranca soro do braço e agride técnico de enfermagem
Esportes
Jornalista esportivo e apresentador Luis Alberto Volpe morre aos 67 anos
Polícia
Traficantes de mulheres usam redes sociais para aliciar jovens, diz polícia
Geral
ACPD receberá metade do salário de Reinaldo