Menu
Busca quarta, 18 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Porto Murtinho ganha visibilidade internacional e pode ser referência para escoamento

Novas obras trazem um olhar diferente para cidade pacata da fronteira

09 setembro 2019 - 11h15Marcos Maluf, com informações da assessoria

Com muitas obras em andamento Porto Murtinho avança e o governo estadual investe em  transporte para escoamento da produção agropecuária, pelo Corredor Bioceânico, até os portos do Chile (Pacífico), e pela Hidrovia do Rio Paraguai, em direção à Argentina (Atlântico). Foram investidos mais de R$ 650 milhões em dois anos.

Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), se mostra otimista. “Porto Murtinho será a nossa nova Paranaguá, o desenvolvimento da região é algo concreto, tem cronograma e está acontecendo, impulsionado pelos incentivos fiscais do Programa de Estímulo às Exportações e Importações, criado pelo governo em 2015, e pelos investimentos públicos para viabilizar a Rota Bioceânica.”

Segundo o governador do estado de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, a capacidade de escoamento fluvial de commodities do município, hoje de 460 mil toneladas/ano, será ampliada para seis milhões de toneladas/ano a médio prazo. “Mato Grosso do Sul será o novo hub logístico para a América do Sul, é fundamental essa expansão logística porque o Estado deve aumentar em mais 1,5 milhão de hectares a área plantada em 10 anos”. afirmou Reinaldo.

Entusiasmada com as obras, a mídia chinesa enviou um jornalista do jornal The Economist Observer  para acompanhar de perto o que imaginam ser um futuro de boas negociações.

O Corredor Bioceânico vai reduzir em 17 dias o trajeto de viagem das commodities de Mato Grosso do Sul até o mercado asiático, embarcando nos portos do Chile, ao invés de usar os portos de Paranaguá (PR) ou de Santos (SP). O Paraguai lançou em julho a licitação do projeto executivo da ponte, que será iniciada em 2020 com conclusão em três anos, ao custo de R$ 290 milhões. A estrutura de 680m será instalada no km 1032 da Hidrovia do Rio Paraguai.

O país vizinho também cumpre o acordo para viabilizar a nova rota com o asfaltamento de 497 km da Rodovia do Chaco (Pantanal), de Carmelo Peralta a fronteira com a Argentina. O primeiro trecho, de 227 km, segue seu cronograma em duas frentes – Carmelo Peralta e Loma Plata -, com previsão de conclusão do primeiro lote em setembro, de 24 km. A obra executada pelo Consórcio Corredor Vial Oceânico (Queiróz Galvão e Ocho A) custará U$ 420 milhões.

Dois grandes empreendimentos privados estão brotando no solo murtinhense. Um dos novos portos, o da FV Cereais, está com 60% de sua obra concluída e deverá antecipar a operação para março de 2020, informou o engenheiro responsável Jairo Emanuel Rosso. O terminal para estacionamento de rodotrens, no km 679 da BR-267, deverá concluir a pavimentação do espaço para 400 veículos em quatro meses.

Toka do Jacare - perkal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo estuda congelar salário mínimo temporariamente
Economia
Mega-Sena pode sortear 120 milhões nesta quarta-feira
Economia
Brasil poderá exportar produtos lácteos para o Egito
Economia
Termômetro do Varejo: expectativa positiva com o uso do FGTS anima comércio
Economia
Inadimplência e endividamento do consumidor têm alta em agosto
Economia
Agências da Caixa ampliam horário para saques do FGTS nesta sexta
Economia
Restituição de R$ 45,3 mi do IR impusionará comércio no MS
Economia
Refis supera previsões e arrecada R$ 37,7 milhões
Economia
Caixa inicia pagamento de FGTS; veja como sacar
Economia
Mega-Sena pode sortear R$ 90 mi nesta quarta-feira

Mais Lidas

Geral
Supermercado Real, no São Conrado, é autuado por vender produtos vencidos
Internacional
Vídeo - De cueca, homem cai de prédio ao fugir da casa da amante
Cidade
Vítima é socorrida em estado grave após tentativa de homicídio
Geral
Vídeo - Cliente se revolta com valor pago no “espetinho da Valley” e tenta agredir vendedor