Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Educação

Juiz quer manter escolas abertas

A determinação foi emitida nesta semana e diz que mais de mil estudantes seriam prejudicados

19 janeiro 2019 - 11h25Da redação

Depois de ação pública emitida pela Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul para apurar o fechamento de quatro escolas estaduais de Campo Grande, uma determinação da Justiça requer que a Secretaria de Estado de Educação MS, volte atrás e se abstenha da decisão. Segundo os autos, o fechamento prejudicará o atendimento a 1.400 alunos de Campo Grande. As determinações ao Governo do Estado foram emitidas na quarta-feira (16), pelo juiz Marcel Henry Batista de Arruda sob pena de multa diária.

O fechamento das escolas Riachuelo, Consuelo Muller, Zamenhof e Otávio Gonçalves da Silveira foram anunciadas pela Secretaria Estadual de Educação em dezembro de 2018. Pais, alunos, servidores e vereadores da Câmara Municipal contestaram a ação e elaboraram reuniões e emitiram requerimentos para impedir a extinção das unidades.

A ação proposta pela Defensoria Pública de MS aponta que o fato ocorreu de “sopetão”, sem informar o Conselho Estadual de Educação (CEE) e a comunidade escolar que, inclusive, já tinha realizado a rematrícula dos estudantes.

Para a Defensoria a extinção das unidades escolares não foi amplamente discutida com a população que necessita do atendimento, e também não foi realizada em tempo hábil para que os alunos pudessem ser alocados em outras unidades. O documento questiona a falta de informação e até publicidade referente ao ato.

A abertura do procedimento preliminar da Defensoria Pública foi publicado no 
Diário Oficial do Estado no dia 11 de janeiro, mesmo dia em que a Secretaria de Educação publicou a integração da escola Riachuelo ao Hercules Maymone. Após isso houve a liminar determinando a reabertura das escolas. 

Os autos descrevem que o Governo do Estado se abstenha de fechar as unidades sob pena de aplicação de multa de R$ 50.000,00. A Defensoria também determina que a SED mantenha os alunos matriculados para cursar o período de 2019 sob pena de multa de R$ 10.000,00.

O Governo do Estado tem o prazo de 30 dias para contestar a determinação.

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
PMA realiza Educação Ambiental em escola rural de Miranda
Educação
Coleta para o Censo Escolar 2019 começa no final de maio
Educação
Escola tem vagas para tempo integral, na Vila Carvalho
Educação
Comissão será responsável por analisar questões do Enem
Educação
Inep disponibiliza correção da redação do Enem 2018
Cidade
Curso de TI da prefeitura qualifica 32 alunos na capital
Educação
Inep garante espaço suficiente para rascunho no Enem
Educação
Escolas têm prazo até hoje para inscrever alunos em concurso de cartas
Educação
Superintendente garante segurança de alunos em escolas da capital
Educação
Sesc leva a todo o país a terceira edição do Projeto Arte da Palavra

Mais Lidas

Oportunidade
JBS tem 30 vagas em Campo Grande
Polícia
Adolescentes desaparecidas são encontradas em SP
Geral
Trabalhadores protestam contra reforma da Previdência
Opinião
Contemporaneidade ou pré-julgamento?