Menu
Busca quinta, 29 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_graduação
Geral

Deputados voltam a debater "cota zero"

Proposta de Reinaldo quer o repovoamento dos rios no estado

20 fevereiro 2019 - 18h19Da redação com informações da assessoria

Os deputados estaduais debateram novamente durante sessão desta quarta-feira (20) o anúncio do Governo do Estado quanto ao decreto que pode definir "cota zero" para a pesca amadora em Mato Grosso do Sul. Os parlamentares irão marcar audiência pública para conversar com todos os setores envolvidos e estudam sugerir a abertura para a caça do jacaré.

A minuta do decreto ainda não foi divulgada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que já anunciou a possibilidade do estabelecimento gradual da cota zero e não o efeito imediato já em 2019. Quem subiu primeiro na tribuna foi o deputado Marçal Filho (PSDB), que alegou que a pesca amadora nada mais é que “uma terapia ao homem”.

“Quem não é pescador, é porque ainda não descobriu ser. É mais que uma diversão e, às vezes, eles nem estão lá com a intenção predatória. O que eu apoio é a efetiva fiscalização e a criação de um disque denúncia gratuito para que evite abusos ou então que seja "cota zero" a todos. Ainda cabe muito debate”, ressaltou Marçal.

O deputado Cabo Almi (PT) concordou com a ampliação da fiscalização. “Precisamos de mais lanchas, de mais combustível, de mais policiais ambientais, para que de fato fiscalizem. Até na piracema ainda vemos pesca ilegal. E não adianta fazer de uma hora para outra, pois haverá prejuízo. Tem que delimitar com responsabilidade”, afirmou o parlamentar.

A proposta da "cota zero" dispõe sobre o pescado e o repovoamento dos rios no estado, mas outra espécie tem chamado a atenção: o jacaré. Segundo o deputado Neno Razuk (PTB), especialistas apontam um superpovoamento na fauna do estado que, inclusive, estaria prejudicando o meio ambiente. “Muitas espécies estão em risco devido a quantidade de jacarés, que quando adultos não existe predador natural dele. Até sucuri eles comem. Então conversando com estudiosos da área vemos que é possível o manejo sustentável sem prejudicar o turismo ou a espécie, que poderia gerar R$ 1 bilhão por ano a mais para a economia do estado e a criação de mais 10 grandes indústrias de beneficiamento da carne”, explicou Neno.

O líder do governo na Casa de Leis, deputado Barbosinha (DEM), disse que ainda há tempo para conversar. “O governador está ainda trabalhando em cima do decreto, baseado em muito estudo e dialogando com todos os setores. Para nossa audiência futura também será necessário ter acesso aos trabalhos de especialistas como da Embrapa Pantanal, para subsidiar nossas informações e chegarmos a um denominador comum que possa transformar a economia de forma positiva”.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Pesquisa mostra variação de 167% no preço da bisteca suína
Geral
ALERTA: Hackers tentam vender fotos de documentos e dados de 227 mi de brasileiros na internet
Geral
Latam aumenta voos para MS em agosto
Geral
Após ‘guardar o boneco’ com estilo cinco vezes, casal leva multa de R$ 200 mil
Geral
Mãe pede ajuda para pagar tratamento do filho após acidente
Geral
Médico dá dicas de como se manter aquecido neste frio
Geral
Brasil gerou 309 mil empregos formais em junho
Geral
Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 38 milhões
Geral
Desembargador André Luís Moraes é o novo presidente do TRT24
Geral
Energia solar começa ser fornecida no Pantanal

Mais Lidas

Geral
Vídeo: 'Rapidinha' na cozinha da errado e casal é flagrado só no love
Geral
Com Covid, Arlindo Namour morre no Proncor
Internacional
Vídeo: jovem tenta gravar dança em guindaste, mas despenca e morre
Polícia
Investigação concluí que enfermeiro do HR estuprou paciente em fevereiro