Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Geral

Promotor manda estudante que extorquiu colega em MS ajudar na limpeza da escola

28 maio 2011 - 11h25Midiamax

A partir de segunda-feira (30), o estudante de 13 anos de idade acusado de bullying por extorquir sob ameaças um colega da mesma idade e sala de aula de um colégio público de Campo Grande (MS), vai enfrentar uma jornada extra. Ao invés de punição penal, um castigo alternativo.

Pelo período de três meses, o garoto deve empregar parte de seu tempo na escola em atividades como arrumar as carteiras, limpar o pátio e lavar as vasilhas usadas na hora da merenda.

Já a mãe do agressor, que se diz arrependido pelo que fez terá de devolver o dinheiro pego à força do colega de classe. A medida será cumprida na escola para onde o garoto foi transferido nesta semana.

Por um ano esse aluno obrigou o colega a copiar e fazer suas tarefas e ainda dar-lhe dinheiro, caso contrário, disse que o surraria ou o mataria. A família da vítima calcula que o garoto, por medo, tenha dado ao menos R$ 1 mil reais ao agressor, dinheiro que ele pegava de uma mercearia dos pais.

Ao invés de seguir para a Unei (Unidade Educacional de Internação), morada dos menores infratores, o estudante agressor, apreendido na semana passada quando recebia parte do dinheiro extorquido, foi incluído num programa conhecido como de Ação Educativa criado pela 27ª Promotoria da Infância e Adolescência de Campo Grande.

O projeto, em prática desde 2009, determina que o estudante que pratica a violência contra colegas ou professores cumpra tarefas na escola e, se cometer uma nova infração, responde a uma ação penal.

Além de limpar a escola, o agressor terá de fazer um curso que trata do assunto bullying por três meses e, no final, terá de apresentar um trabalho a direção da escola. A mãe do agressor prometeu devolver R$ 500 à mãe da vítima, a metade da quantia arrecada com a extorsão, segundo o boletim registrado na delegacia da Polícia Civil.

O promotor de Justiça Sérgio Harfouche, idealizador do programa, embora sem apontar números, disse que desde que a medida foi posta em prática, caiu pela metade à violência nas escolas. “Se mandar o estudante para a Unei ele sai de lá mais indisciplinado, um infrator. Acho que a chance que damos pode conscientizá-lo, recuperá-lo.

Agora, se ele praticar outra infração, vai direto para Unei”, disse o promotor. Harfouche revelou que na semana passada, um estudante que cumpria a pena alternativa por violência na escola foi pego fumando no pátio, uma falta grave tida como grave no meio escolar. O rapaz cumpre punição hoje numa das Uneis da cidade.

O promotor disse ainda que o garoto demonstrou arrependimento e disse que é desejo seu em pedir desculpas a vítima. Ele não tem passagem pela polícia. Agressor e vítima estudam agora em escolas diferentes.

Com informações do Midiamax.

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Durante uso drogas, casal vai parar dentro de córrego no Nova Jerusalém
Geral
Mega-Sena deve pagar neste sábado R$ 26,5 milhões
Geral
Vídeo - Energisa terá até helicóptero para possível vendaval
Geral
Vídeo - "Seremos eficientes", garante Marquinhos sobre vendaval
Geral
Ministro do TSE fala sobre confiabilidade de urnas eletrônicas ao JD1 Notícias
Geral
Pfizer tem alta eficácia contra Covid em crianças, diz estudo
Geral
Depois da capital, Estado também decreta ponto facultativo dia 1° de novembro
Geral
Ao vivo: Corpo de Bombeiros fala sobre plano de prevenção para tempestade prevista no fim de semana
Geral
Você tem alguma história de terror real legal para contar? Mande para o JD1 Notícias
Geral
Trecho da Rui Barbosa será interditado durante uma semana

Mais Lidas

Clima
Áudio: Atenção - tabela do Inmet é real, não é fake
Clima
Vídeo: Força-tarefa está pronta para novo vendaval
Internacional
Alec Baldwin dispara com arma cenográfica e mata diretora de fotografia
Clima
Previsão de chuva com ventos assusta