Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
Sebrae - Bonito
Geral

Promotor manda estudante que extorquiu colega em MS ajudar na limpeza da escola

28 maio 2011 - 11h25Midiamax

A partir de segunda-feira (30), o estudante de 13 anos de idade acusado de bullying por extorquir sob ameaças um colega da mesma idade e sala de aula de um colégio público de Campo Grande (MS), vai enfrentar uma jornada extra. Ao invés de punição penal, um castigo alternativo.

Pelo período de três meses, o garoto deve empregar parte de seu tempo na escola em atividades como arrumar as carteiras, limpar o pátio e lavar as vasilhas usadas na hora da merenda.

Já a mãe do agressor, que se diz arrependido pelo que fez terá de devolver o dinheiro pego à força do colega de classe. A medida será cumprida na escola para onde o garoto foi transferido nesta semana.

Por um ano esse aluno obrigou o colega a copiar e fazer suas tarefas e ainda dar-lhe dinheiro, caso contrário, disse que o surraria ou o mataria. A família da vítima calcula que o garoto, por medo, tenha dado ao menos R$ 1 mil reais ao agressor, dinheiro que ele pegava de uma mercearia dos pais.

Ao invés de seguir para a Unei (Unidade Educacional de Internação), morada dos menores infratores, o estudante agressor, apreendido na semana passada quando recebia parte do dinheiro extorquido, foi incluído num programa conhecido como de Ação Educativa criado pela 27ª Promotoria da Infância e Adolescência de Campo Grande.

O projeto, em prática desde 2009, determina que o estudante que pratica a violência contra colegas ou professores cumpra tarefas na escola e, se cometer uma nova infração, responde a uma ação penal.

Além de limpar a escola, o agressor terá de fazer um curso que trata do assunto bullying por três meses e, no final, terá de apresentar um trabalho a direção da escola. A mãe do agressor prometeu devolver R$ 500 à mãe da vítima, a metade da quantia arrecada com a extorsão, segundo o boletim registrado na delegacia da Polícia Civil.

O promotor de Justiça Sérgio Harfouche, idealizador do programa, embora sem apontar números, disse que desde que a medida foi posta em prática, caiu pela metade à violência nas escolas. “Se mandar o estudante para a Unei ele sai de lá mais indisciplinado, um infrator. Acho que a chance que damos pode conscientizá-lo, recuperá-lo.

Agora, se ele praticar outra infração, vai direto para Unei”, disse o promotor. Harfouche revelou que na semana passada, um estudante que cumpria a pena alternativa por violência na escola foi pego fumando no pátio, uma falta grave tida como grave no meio escolar. O rapaz cumpre punição hoje numa das Uneis da cidade.

O promotor disse ainda que o garoto demonstrou arrependimento e disse que é desejo seu em pedir desculpas a vítima. Ele não tem passagem pela polícia. Agressor e vítima estudam agora em escolas diferentes.

Com informações do Midiamax.

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Jorge Aragão recebe alta após 12 dias internado com Covid-19
Geral
Ex-atriz pornô faz simpatia de R$ 2 mil para casar com Gusttavo Lima
Geral
Câmara cancela sessão após morte do pai de Salineiro
Geral
Homem procura pais biológicos após ser adotado aos 3 meses
Geral
Bairros da capital e sete cidades ficam sem luz após tempestade
Geral
Operação tenta localizar músicas inéditas de Renato Russo
Geral
Pescador fisga pintado de 1,72 metro em MS
Geral
Instituto arrecada frutas para ajudar animais sobreviventes no Pantanal
Geral
Chuva forte causa danos no interior
Geral
"Bombadão" capota veículo e morre na MS-147

Mais Lidas

Polícia
Assassino de ator de 22 anos falsifica documento no Paraná
Economia
Foi publicada no Diário Oficial da União a redução de impostos sobre videogames
Cidade
Motorista atropela e mata 4 capivaras, e ainda deixa para-choques em canteiro
Brasil
“Esse preto não vai entrar no meu condomínio”, hamburgueria expõe caso de racismo