Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Geral

Tragédia de Brumadinho completa um mês nesta segunda

Número de desaparecidos passa dos 130 e de mortos chega a 176

25 fevereiro 2019 - 09h13Da redação com informações da Agência Brasil

Passado um mês da tragédia causada pelo rompimento da Barragem 1 da Vale em Brumadinho (MG), os trabalhos de buscas tentam localizar 134 desaparecidos. O número de mortos chega a 176.

De acordo com informações, a barragem, localizada a 57 quilômetros de Belo Horizonte, rompeu-se por volta das 12h20, de sexta-feira, 25 de janeiro. Sobreviventes relatam que um mar de lama tomou conta de estradas, do rio, do povoado e, sobretudo, da área da Vale, empresa responsável pela barragem. Como era hora do almoço, muitos funcionários ficaram retidos no restaurante.

O misto de perplexidade, tristeza e indignação se instalou no país. As dificuldades causadas pela lama e riscos de contaminação aliados à chuva intensa aumentaram ainda mais a tensão nas buscas por vítimas. Famílias inteiras desapareceram. Nem todos foram localizados.

No domingo (24), ocorreram manifestações em Brumadinho e em Belo Horizonte para homenagear os mortos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Mazzotti destaca combate a corrupção ao assumir o comando da PF
Geral
Despejo clandestino de esgoto nos córregos é combatido pela prefeitura
Geral
DOF apreende quase 400 caixas de narguilé
Geral
Estudantes distribuem mais de 200 mudas frutíferas
Geral
Combate ao aedes é intensificado em 12 bairros
Geral
Marcola, líder do PCC, é transferido para presídio federal em Brasília
Geral
Agora é Lei: assistentes sociais vão trabalhar 30 horas semanais
Geral
Saúde do trabalhador de enfermagem será debatida em audiência
Geral
Trabalhadores protestam contra reforma da Previdência
Geral
Leroy Merlin é autuada por divergência de preços

Mais Lidas

Oportunidade
JBS tem 30 vagas em Campo Grande
Polícia
Adolescentes desaparecidas são encontradas em SP
Geral
Trabalhadores protestam contra reforma da Previdência
Opinião
Contemporaneidade ou pré-julgamento?