Menu
Busca sexta, 10 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Geral

Tribunal de Contas terá concurso com 48 vagas e prepara evolução em 2011

26 março 2011 - 11h07
O TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado) vai abrir concurso público com até 48 vagas em 2011. Serão cinco vagas para auditores, três para procuradores do Ministério Público de Contas e previsão de até 40 para analistas de contas. Todos os cargos são para nível superior, com salários entre R$ 6.200 e R$ 12 mil. “Há necessidade de concurso dentro do tribunal. São vagas para auditores, procurador do Ministério Público de Contas e também precisamos de analistas de contas. Para essas vagas, preciso ver a dotação orçamentária . Mas acredito que o governador será sensível nessa acertiva de duodécimo”, afirma o presidente do Tribunal de Contas, Cícero Antônio de Souza. Dos seis auditores, há apenas um trabalhando, devido às aposentadorias. Ele salienta que a confecção do edital deve se atentar a uma série de exigências, com destaque para a transparência. “É muito polêmico você fazer concursos”. Com 30 anos de existência, o TCE tem aprimorado a relação com os funcionários. O órgão implantou um PCCR (Programa de Cargos, Carreira e Remuneração) para incentivar os servidores. O projeto foi desenvolvido durante 14 meses pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). “Conseguimos dar uma dinâmica maior e dar entusiasmo ao funcionário público. Mexemos nas questão salarial, gratificaçao, capacitação e, sobretudo, nas vagas para cada atividade fim. Além de ser muito bem renumerado, o funcionários está feliz trabalhando”, frisa Souza. AvançosCom o novo modelo de gestão de recursos humanos, que preconiza a valorização do profissional, cada servidor é avaliado individaualmente, recebendo reajustes salariais condizentes com sua atuação. Em 2010, o reajuste linear foi de 5%, mas o individual chegou a 11%. “Avaliamos o histórico dentro do ano do funcionário. O que progrediu, o que melhorou. Ele vai receber um percentual de reajuste dentro do seu salário”, explica o presidente do TCE. Instalado desde 2004 no Parque dos Poderes, o tribunal passa longe da situação de penúria de algumas repartições públicas. O piso é reluzente e os móveis e equipamentos são novos. Os funcionários contam com serviço odontológico e médico todos os dias. Orgulho – Inaugurada em abril do ano passado, a Escoex (Escola Superior de Contas) é a “menina dos olhos” da atual administração. O local conta com salas integradas, com capacidade para 250 pessoas, elelvador e biblioteca. O espaço é destinado a cursos de capacitação, tanto a funcionários quanto para representantes do poder público. O local também é cedido para palestras. “O nosso orgulho é a Escoex. Já são mais de 800 capacitações”, ressalta o presidente do TCE. A escola recebeu investimento de R$ 3 milhões. O modelo atrai interresse de outros tribunais do Brasil. Nesta sexta-feira, um grupo de Roraima veio conhecer as medidas adotadas no TCE de Mato Grosso do Sul. Evolução – O Tribunal de Contas se prepara neste ano para mais uma evolução. A partir de primeiro de dezembro todos os processos serão informatizados. Desde o protocolo ao plenário, o papel será abolido. Para tanto, foram comprados 450 computadores e mais seis servidores para atender toda a rede. O tribunal adquiriu mais 390 monitores, para que cada funcionário tenha duas telas. A duplicidade é para que sejam pesquisados processos distintos simultaneamente. “Não vamos trabalhar mais com papel. Vamos fazer uma economia muito grande”, avalia. Ele frisa que a segurança também vai aumentar com a informatização de todo trâmite processual. “Você não precisa manusear pilhas e pilhas de processos, que acabam ficando vulnerável”. Pecados – No terceiro mandato à frente do TCE e com a experiência de quem atua como conselheiro há dez anos, Cícero de Souza aponta os pontos onde as prefeituras mais pecam. Segundo ele, os maiores problemas são em licitações e contratação de pessoal. “Muitas das vezes existe fraude em licitação sim. Temos que descobrir onde e criar mecanismos para reduzir”, pondera. Contudo, ele frisa que a meta é não ser uma casa punitiva, mas informativa. “Dar informações adequadas para que não possam cometer erros”, enfatiza. Uma das principais atribuições é fiscalizar a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Homenagens – O hall do TCE deve ganhar em breve uma galeria para homenagear todos os conselheiros. Na sala de reuniões, uma galeria já recorda todos os presidentes e fatos importantes na história do tribunal. A primeira conselheira do TCE, Celina Jalladm que morreu poucos meses após tomar posse, terá uma lembrança em especial. A partir deste ano, o plenário passará a ter seu nome. Fonte: CG News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Para Riedel, isolamento ruim em MS é "preocupante"
Geral
Casa da Mulher Brasileira repudia discurso do delegado Wellington
Geral
Frota de ônibus será reduzida na capital nos feriados de Páscoa
Geral
Economia assusta mais que pandemia, diz pesquisa Ranking
Geral
Pagode ou Sertanejo? Lives de Bruno e Marrone e Péricles animam o "Fique em Casa"
Geral
Crivella decreta estado de calamidade pública no Rio
Geral
Vídeo - Marília Mendonça agradece "trabalho incrível" de Mandetta em live
Geral
Atenção: Links falsos do auxílio emergencial chegam a 6,7 milhões de brasileiros
Geral
Reinaldo pede consciência para vencer a pandemia mais rápido
Geral
Escritor Olavo diz que Mandetta deveria ser preso por esconder cura para coronavírus

Mais Lidas

Polícia
Veículo roubado é recuperado com 104 quilos de maconha no interior
Cidade
Guarda Municipal fecha 31 estabelecimentos por descumprir toque de recolher
Brasil
Brasil contabiliza 18.397 infectados e 974 mortos por coronavírus
Saúde
Mandetta anúncia R$ 4 bilhões para estados e municípios