Menu
Busca quinta, 21 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Internacional

Secretário da OEA não descarta intervenção militar contra Maduro

15 setembro 2018 - 16h17Agência Brasil

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, afirmou na sexta-feira (14) que não se pode descartar uma intervenção militar contra o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para dar fim ao sofrimento do povo venezuelano. 

"Quanto à intervenção militar para derrubar o regime de Nicolás Maduro, acho que não devemos descartar nenhuma opção", afirmou Almagro em entrevista do lado colombiano da ponte internacional Simón Bolívar, a poucos metros da fronteira com a Venezuela. 

Almagro, que visitou a cidade de Cúcuta para ver de perto a situação de milhares de venezuelanos que emigram diariamente do país natal por causa da escassez de alimentos e remédios, entre outras privações, acrescentou "que as ações diplomáticas estão em primeiro lugar", mas que não se podem descartar outras devido à gravidade da situação. 

O chefe da OEA afirmou que não pode descartar a opção da intervenção militar "diante do que o regime de Nicolás Maduro está fazendo em termos de crimes contra a humanidade, violações dos direitos humanos, sofrimento das pessoas e o êxodo induzido que está impulsionando".

A entrevista coletiva também contou com o chanceler colombiano, Carlos Holmes Trujillo, e o diretor da Human Rights Watch (HRW) para as Américas, José Miguel Vivanco.

"O povo venezuelano hoje é vítima da repressão, mas uma repressão distinta, inclusive das demais ditaduras que tivemos no continente. Neste caso é a miséria, é a fome, é a falta de remédios como instrumentos repressivos para impor uma vontade política ao povo", declarou Almagro.

O secretário-geral da entidade comentou que nunca se viu no mundo um "um governo tão imoral" que "se nega a aceitar a ajuda humanitária quando está no meio de uma crise humanitária".

"Isso é absolutamente inadmissível, e não podemos permitir, a ajuda humanitária tem que chegar à Venezuela. O povo venezuelano pagou um preço mais que alto para recuperar sua liberdade, para recuperar sua democracia, e ainda não a recuperou" afirmou o diplomata, ao dizer que considera fundamental a ajuda da comunidade internacional, começando pela financeira, para enfrentar o êxodo que se estende por toda a América do sul.

"A comunidade internacional, definitivamente, tem que dar uma resposta para isto. A comunidade internacional é responsável e não pode permitir uma ditadura na Venezuela, uma ditadura que afeta a estabilidade de toda a região a partir do narcotráfico, do crime organizado, da profunda crise humanitária que criou", disse.

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional
Maduro anuncia chegada de 300 toneladas de ajuda humanitária
Internacional
Militares bloqueiam ponte entre Venezuela e Colômbia
Internacional
Cúpula no Uruguai defende solução interna para a Venezuela
Internacional
Trump confirma muro na fronteira com México
Internacional
Sabrina Bittencourt, que ajudou a denunciar João de Deus, comete suicídio
Internacional
Vale responderá a ações coletivas nos EUA
Internacional
Militares manifestam apoio a Maduro
Internacional
Guaidó quer democracia e respeito na Venezuela
Internacional
Maduro rompe relações diplomáticas com EUA
Internacional
Bolsonaro cancela entrevista coletiva com jornalistas em Davos

Mais Lidas

Polícia
Depois de sair de festa, jovem morre ao capotar veículo no centro
Cidade
Evite ser multado, saiba onde estão os radares nas ruas da capital
Polícia
Dupla em motocicleta atira e acerta rosto de policial, na fronteira
Cidade
Prefeitura convoca aprovados em processo seletivo para merendeiro