Menu
Busca sexta, 23 de abril de 2021
(67) 99647-9098
Governo Balada - topo - abril21
Justiça

Justiça autoriza venda de bebidas alcoólicas proibidas em decreto de Naviraí

01 abril 2021 - 11h52Sarah Chaves, com informações do TJMS

O desembargador Marco André Nogueira Hanson decidiu por autorizar um supermercado de Naviraí a exercer sua atividade, inclusive podendo vender bebida alcoólica, sem consumo no local.

Segundo a decisão de quarta-feira (31), o Município deve se abster de praticar qualquer ato que consista na suspensão do direito, desde que observados os demais protocolos sanitários.

A venda de bebidas alcoólicas está suspensa conforme decreto 62/2021 do Município de Naviraí que estabelece Lei seca de 26 de março  a 4 de abril, motivo pelo qual o estabelecimento entrou com liminar para afastar a aplicação da medida.

A empresa aponta que a proibição é arbitrária, sem nenhum estudo técnico e sem comprovação de que o consumo de bebida alcoólica agrava ou prolifera a Covid-19 e ressalta que o consumo no interior de lojas, bares e similares já estava vedado pelo Decreto Estadual n. 15.638/2021. Defende que um ato administrativo que pretenda restringir a garantia constitucional do livre exercício de uma atividade econômica lícita não pode ser imotivado, sob pena de abuso de direito no exercício da intervenção estatal na atividade privada.

No entender do Des. Marco André, não se verifica correlação entre a proliferação do contágio do coronavírus e a vedação para a comercialização de bebidas alcoólicas por estabelecimento que, diante de sua essencialidade, está em pleno funcionamento.

O magistrado citou ainda que o decreto municipal restringe o princípio da livre iniciativa e o exercício de atividade econômica lícita, amparados pelo texto constitucional, sem mencionar que as normas legais devem observar critérios de razoabilidade, que visam neutralizar eventuais abusos perpetrados pelo poder público.

“A emergência internacional reconhecida pela pandemia, não implica, tampouco autoriza, a outorga de discricionariedade sem controle ou sem contrapesos típicos do Estado Democrático de Direito. A emergência, por mais grave que seja, não traduz incompatibilidade entre liberdade e saúde pública”, completou.

“Por se tratar de rede de supermercados varejista e atacadista, a empresa está inserida entre os estabelecimentos de serviço essencial e possui autorização para funcionamento. Ressalte-se que sequer haveria a necessidade dessa questão ser trazida ao Judiciário se, com um simples ato do gestor, exercido por meio do poder de polícia, fosse promovida a eficaz fiscalização a impedir aglomerações para a garantia da saúde pública. Não existindo respaldo jurídico e científico, não sobra no momento qualquer condição razoável de imputar ao ato de vendas de bebidas alcoólicas a maior proliferação do vírus Covid-19. Defiro a tutela recursal”, concluiu o Des. Marco André Nogueira Hanson.

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Em dezembro, a primeira conversa para Fahd se entregar
Justiça
Juiz determina que perícia em Fahd seja realizada em até 5 dias
Justiça
Fahd Jamil passará por audiência de custódia hoje
Justiça
Gaeco investiga fraude na compra de materiais de limpeza na rede de educação
Justiça
Jamilson quer pai solto se Fadh ganhar liberdade por questões de saúde
Justiça
AO VIVO: Tudo sobre a prisão de Fahd Jamil
Justiça
Ministério Público irá fiscalizar suspensão de cirurgias eletivas na capital
Justiça
CPI da Pandemia investigará governo e repasses a estados
Justiça
TJMS anula proibição de condomínio para animal de grande porte
Justiça
Decretos sobre armas que entrariam em vigor nesta terça são anulados no STF

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio