Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
Polícia

Com medidor sonoro, “festeiros” terão punições mais severas

A Guarda Civil Metropolitana agirá de forma repressiva com a aquisição de decibelímetro

02 julho 2020 - 17h02Sarah Chaves

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) de Campo Grande realizou na tarde desta quinta-feira (2), a demonstração do uso do medidor de nível sonoro e calibrador para dosímetro e decibelímetro que serão usados para constatar a infração de poluição ambiental a partir da próxima semana.

O aparelho foi doado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur), e custa em torno de R$ 5 mil o decibelímetro e R$ 3 mil o calibrador do aparelho, que é o primeiro obtido pela GCM.

O aparelho pode medir de 30 a 140 decibéis em até 5m de distância da divisa do imóvel ou do carro,e não necessariamente da fonte do ruído, conforme o novo Plano Diretor e para a aplicação da NBR 10.151/2019.

De acordo com o secretário Municipal de Segurança e Defesa Social, Valério Azambuja, a GCM e a Semadur estão em uma empreitada em vigilância principalmente nos bares para coibir as ocorrências de som alto, principalmente nas sextas-feiras, sábados e domingos. “A GCM vai atender 24h através do número 153 todas as denúncias de perturbação de sossego. E Assim que a equipe ambiental da Guarda chegar no local e aferir os decibéis e constatar a infração, já podem lavrar o auto de constatação”, alega o secretário.

O responsável pelo imóvel, seja residência domiciliar, casa de eventos ou veículos, seja pessoa física ou jurídica, será autuado na mesma hora. “A pessoa será notificada sobre o grau que estava extrapolando. Em caso da infração ser cometida através de um veículo, o automóvel poderá ser apreendido e removido ao pátio do Detran-MS, além do autor ser encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil, onde vai responder por poluição sonora prevista na Lei Municipal 2.9019/1992”, afirmou Valério Azambuja.

Antes de obter o decibilímetro, a Guarda atendia as ocorrências, e no local conversava como um método mais preventivo, a pessoa ia embora e "meia hora depois voltava a cometer a poluição sonora", agora essa atitude será contida. “Todo esse procedimento administrativo e judicial vai ser tomado pela guarnição. Antes do equipamento só podíamos tomar as atitudes punitivas se a equipe da GCM fosse junto com os fiscais da Semadur, agora a guarda irá fazer tudo de forma repressiva”, explicou. 

Segundo Valério Azambuja, outros dois decibelímetros chegarão na secretaria em torno de 60 dias, e serão distribuídos para três equipes atenderem vários pontos da cidade.

A classificação do volume do som permitido depende do tipo de área na qual se insere o ponto de medição em avaliação, serão observadas as disposições do Plano de Hierarquização Viária do Município de Campo Grande e do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental de Campo Grande (PDDUA), na presente ordem de relevância:


Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Vítima da depressão, homem usa cinto para se enforcar no Taquarussu
Polícia
Vídeo: Policial invade casa e agride mulheres com cassetete
Polícia
Durante roubo, gestante é agredida e sofre tentativa de estupro
Polícia
Vídeo - Filho de vereador bebe com amigos após furtar ambulância
Polícia
Adolescentes abandonam filhote de jacaré em petshop do Amambaí
Polícia
Casal de traficantes capota veículo com recém-nascido dentro
Polícia
Travesti é presa após dar "mata leão" e roubar motorista de aplicativo
Polícia
Em MS, peladão destrói motel e vai parar na delegacia
Polícia
Adolescente de 14 anos é espancada e mantida em cárcere privado
Polícia
Idosa de 75 anos tenta entrar em presídio com misto de cocaína e carne

Mais Lidas

Justiça
"Fecha ou não fecha", Justiça dá três dias para Marquinhos se posicionar
Internacional
Área de explosão tinha galpões com produto químico, diz Governo Libanês
Justiça
TJ bate recorde em julho
Internacional
Sobe para 50 número de mortos por explosão em Beirute