Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Política

Com Nelsinho, PSD torna-se segunda bancada no Senado

"Foi uma decisão difícil, mas é melhor para o estado", afirmou o senador

30 janeiro 2019 - 19h32Marcos Tenório

O senador Nelsinho Trad deixou o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e se filiou ao Partido Social Democrático (PSD) na tarde desta quarta-feira (30). E com essa mudança de legenda, o partido se torna a maior bancada dentro do Senado Federal.

Em nota, a assessoria esclareceu que, a decisão do senador sul-mato-grossense pela troca foi por uma maior ampliação de espaços políticos. Nelsinho ainda ressaltou que foi uma decisão difícil, mas é melhor para o estado.

"Foi uma decisão difícil, mas muito consiente de que minha atuação parlamentar será muito beneficiada com isso. Não estou fazendo uma escolha apenas pessoal, mas uma escolha pelo que é melhor para Mato Grosso do Sul: mais oportunidades, e mais recursos para investimentos em bons projetos", disse Trad.

Nelsinho passa a integrar a legenda ao lado dos irmãos Marcos Trad, prefeito de Campo Grande, e do deputado federal Fábio Trad.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Vereadores aprovam dois projetos na sessão de quinta-feira
Brasil
Bolsonaro se reúne com seis presidentes sul-americanos
Política
Cobrança de Moro na madrugada causa reação de Maia
Cidade
“Vou entregar a cidade melhor do que peguei”, diz Marquinhos Trad
Política
Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Política
Jamilson Name manifesta interesse em disputar a prefeitura da capital
Política
Moradia: CCJ aprova projeto de Simone que beneficia população de baixa renda
Política
Recursos de R$ 169 milhões serão investidos em obras na capital
Política
João Rocha e Paulo Corrêa visitam Casa da Mulher Brasileira
Política
Fábio Trad é reconduzido à coordenação do PSD na CCJC

Mais Lidas

Oportunidade
JBS tem 30 vagas em Campo Grande
Polícia
Adolescentes desaparecidas são encontradas em SP
Geral
Trabalhadores protestam contra reforma da Previdência
Opinião
Contemporaneidade ou pré-julgamento?