Menu
Busca segunda, 26 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_graduação
Política

Depois de ajudar a derrotar Renan, Simone pode presidir CCJ

A senadora cresceu e está sendo cotada para ser presidente da Comissão de Constituição e Justiça

05 fevereiro 2019 - 12h30Rayani Santa Cruz, com UOL

Uma das personagens centrais para a derrota de Renan Calheiros (MDB-AL), após a conturbada eleição para a Presidência do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), pode tornar-se a presidente da comissão mais importante do Senado, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ou relatora das principais matérias nesse colegiado.

As informações são da UOL Notícias e constam que após a renúncia da candidatura avulsa da senadora (derrotada na bancada do MDB) e apoio ao senador Davi Alcolumbre (DEM), restou gratidão da parte dele. 

O UOL apurou com parlamentares que a senadora de 48 anos, ex-prefeita de Três Lagoas (MS) e com mestrado em Direito do Estado pela PUC de São Paulo, pode se beneficiar de um movimento estudado pelo novo presidente do Senado. Se a estratégia for concluída com sucesso, o grupo do MDB ligado a Renan perderia poderes na Casa. 

A interlocutores, porém, Simone diz que não gostaria de relatar a reforma da Previdência, mas apenas trabalhar para aperfeiçoá-la. O movimento que pode beneficiar Simone passa por Davi Alcolumbre. Ele estuda acabar com a tradição da "regra da proporcionalidade". O nome pomposo significa distribuir os cargos na Mesa e nas comissões de acordo com o tamanho das bancadas. O MDB é a maior bancada com 12 senadores - liderado por Eduardo Braga (AM), um dos aliados de Renan - e teria direito a escolher os melhores cargos: a vice-presidência da Casa e as presidências das comissões mais importantes. No final da tarde de segunda-feira, Alcolumbre disse que vai "discutir" se mantém esse princípio. "A tradição era eleger um presidente do MDB, que tinha a maior bancada, e se elegeu um presidente do DEM", destacou ele ao UOL.

Ele vai se reunir com líderes na quarta-feira para debater o formato de distribuição de cargos. Simone Tebet questionou a proporcionalidade nas comissões e os direitos do grupo do MDB que apoiou Renan. "Venhamos e convenhamos: a presidência da CCJ não pode ficar com o grupo derrotado do MDB. Os dois maiores partidos que apoiaram o presidente Davi foram vitoriosos e já ocuparam esses espaços. O MDB perdeu a proporcionalidade. Agora, vamos tentar recuperar a proporcionalidade com companheiros que estejam em sintonia com a gestão da nova Mesa Diretora", defendeu.

Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Reinaldo e Marquinhos repassam recursos para habitação da Capital nesta segunda
Política
Eleições 2022: Bolsonaro diz que filiação ao PP é uma possibilidade
Política
Bolsonaro defende tratamento precoce e critica 'Protocolo Mandetta'
Política
Escola na área rural de Caracol passará por reforma pelo 'Governo Presente'
Política
Com receita de R$ 18,47 bilhões, governador sanciona LDO para 2022
Política
No Butantan, Paulo Corrêa pede mais vacinas
Política
Bolsonaro anuncia Senador Ciro Nogueira para comando da Casa Civil
Política
Governador libera investimento de mais de R$ 8 milhões para a Cultura
Política
Bolsonaro afirma que haverá ‘mudança ministerial’
Política
Bolsonaro diz que provará fraude nas eleições, 'vão vir hackers para mostrar'

Mais Lidas

Polícia
Bebedeira acaba em confusão na casa de pai de santo após debate sobre 'macumba'
Polícia
Militar aposentado de MS é encontrado morto e suspeita é de latrocínio
Polícia
Família do bagulho: Mãe e filha são pegas traficando drogas
Polícia
Suposto funcionário de hospital aplica golpe de ouro falso em jovem