Menu
Busca sábado, 15 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Depois de ajudar a derrotar Renan, Simone pode presidir CCJ

A senadora cresceu e está sendo cotada para ser presidente da Comissão de Constituição e Justiça

05 fevereiro 2019 - 12h30Rayani Santa Cruz, com UOL

Uma das personagens centrais para a derrota de Renan Calheiros (MDB-AL), após a conturbada eleição para a Presidência do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), pode tornar-se a presidente da comissão mais importante do Senado, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ou relatora das principais matérias nesse colegiado.

As informações são da UOL Notícias e constam que após a renúncia da candidatura avulsa da senadora (derrotada na bancada do MDB) e apoio ao senador Davi Alcolumbre (DEM), restou gratidão da parte dele. 

O UOL apurou com parlamentares que a senadora de 48 anos, ex-prefeita de Três Lagoas (MS) e com mestrado em Direito do Estado pela PUC de São Paulo, pode se beneficiar de um movimento estudado pelo novo presidente do Senado. Se a estratégia for concluída com sucesso, o grupo do MDB ligado a Renan perderia poderes na Casa. 

A interlocutores, porém, Simone diz que não gostaria de relatar a reforma da Previdência, mas apenas trabalhar para aperfeiçoá-la. O movimento que pode beneficiar Simone passa por Davi Alcolumbre. Ele estuda acabar com a tradição da "regra da proporcionalidade". O nome pomposo significa distribuir os cargos na Mesa e nas comissões de acordo com o tamanho das bancadas. O MDB é a maior bancada com 12 senadores - liderado por Eduardo Braga (AM), um dos aliados de Renan - e teria direito a escolher os melhores cargos: a vice-presidência da Casa e as presidências das comissões mais importantes. No final da tarde de segunda-feira, Alcolumbre disse que vai "discutir" se mantém esse princípio. "A tradição era eleger um presidente do MDB, que tinha a maior bancada, e se elegeu um presidente do DEM", destacou ele ao UOL.

Ele vai se reunir com líderes na quarta-feira para debater o formato de distribuição de cargos. Simone Tebet questionou a proporcionalidade nas comissões e os direitos do grupo do MDB que apoiou Renan. "Venhamos e convenhamos: a presidência da CCJ não pode ficar com o grupo derrotado do MDB. Os dois maiores partidos que apoiaram o presidente Davi foram vitoriosos e já ocuparam esses espaços. O MDB perdeu a proporcionalidade. Agora, vamos tentar recuperar a proporcionalidade com companheiros que estejam em sintonia com a gestão da nova Mesa Diretora", defendeu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Nelsinho Trad é eleito presidente do PSD-MS
Política
“Governo é uma usina de crises", diz Rodrigo Maia
Política
Cabo Almi acredita em soltura de Lula e cancelamento da sentença
Política
Bolsonaro demitirá presidente dos Correios
Política
PSD discute planos para 2020 neste sábado
Política
Bolsonaro critica decisão do Senado de parar decreto de armas
Política
STF criminalizará homofobia como forma de racismo
Política
Santos Cruz cai e será substituído por outro general
Política
STF retoma julgamento sobre criminalização da homofobia e transfobia
Política
"Sem compreensão sobre a Previdência, futuro será apenas uma utopia", diz Riedel

Mais Lidas

Polícia
Em uma hora, pistoleiros matam três pessoas na fronteira
Polícia
Tio e sobrinho são mortos a golpes de facão
Brasil
Vídeo – Motorista avança em manifestantes e atropela cinco
Geral
Vídeo - Ajude a encontrar a sanfona do “Tchê Gaúcho”