Menu
Busca terça, 16 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Eduardo Bolsonaro diz que PSL não deve disputar presidência da Câmara

Os eleitos do partido participaram de reunião com o presidente eleito Jair Bolsonaro na tarde desta quarta-feira (12)

12 dezembro 2018 - 18h00Da redação com Agência Brasil

Dono da segunda maior bancada para a Câmara, com 52 parlamentares eleitos, o PSL não deverá disputar o comando da Casa em 2019. A afirmação foi feita pelo atual líder da bancada, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (SP). Segundo a Agência Brasil, integrantes do partido eleitos para o Congresso Nacional se reuniram com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, na tarde desta quarta-feira (12), em Brasília, para discutir a governabilidade do futuro governo. 

"Eu acho muito difícil [o PSL lançar candidato a presidente da Câmara], acredito que vá ser uma pessoa de outro partido. Essas articulações estão acontecendo dentro do Congresso, estão ventilando, todos que estão ali estão se articulando publicamente ou nos bastidores", disse em conversa com jornalistas após o encontro. 

Reeleito como deputado federal mais votado da história do país, com mais de 1,8 milhão de votos pelo estado de São Paulo, Eduardo Bolsonaro disse que, durante a reunião, o presidente eleito pediu serenidade aos parlamentares do PSL, a grande maioria sem qualquer experiência de mandato legislativo. “[Jair Bolsonaro] pediu um pouquinho de serenidade [aos deputados] para não declarar votos para a presidência da Câmara ou qualquer outro cargo, para eles primeiro sentirem o clima. As negociações e articulações dentro da Câmara ainda estão ocorrendo, então mais pra frente a gente vai ter uma visão mais clara de como proceder nessas votações", disse.

O parlamentar também informou que a liderança da bancada na Câmara, até o fim da atual legislatura, que termina em fevereiro, será exercida pelo deputado federal Delegado Waldir (GO), que ocupava até hoje a vice-liderança. Eduardo alegou incompatibilidade de agenda e excesso de compromissos para manter a liderança que exercia até então. 

Após o vazamento de uma conversa no grupo de WhatsApp dos deputados do partido, na semana passada, que expôs uma discussão entre Eduardo Bolsonaro e a deputada federal eleita Joice Hasselmann (SP), Jair Bolsonaro aconselhou os parlamentares a não utilizarem nem criarem mais grupos em aplicativos de conversas pela internet. 

"O presidente Jair Bolsonaro é contra a criação de grupos de WhatsApp, porque em um grupo existem diversas pessoas, então quando esses prints [cópias de conversas] vazam, ninguém sabe quem vazou. O ideal são conversas pessoais ou conversas de WhatsApp um com o outro, e aí, em caso de vazamento, sabe-se quem vazou", disse Eduardo Bolsonaro. 

 

1/4 colchões

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Suspeito de tentar roubar fio de energia, é encontrado morto
Política
Marçal Filho inicia grupo de defesa à saúde mental em MS
Política
Simone Tebet disse que Previdência deve levar 60 dias no Senado
Política
Em seminário no Uruguai Nelsinho Trad discute Rota Bioceânica
Política
Odilon Junior diz que pai quer “apenas respirar outros ares”
Política
Reinaldo Azambuja tem êxito na integração com o Paraguai
Política
Para líderes, Weintraub é o pior ministro e Tereza Cristina a melhor
Política
MS tem “plano b”, se nova previdência excluir estados
Política
Ignorados pelo PSL, David e Ovando tem boa atuação parlamentar
Política
Acordo entre Brasil e Paraguai viabiliza início da Bioceânica

Mais Lidas

Polícia
Corpo de pintor que estava desaparecido é encontrado próximo ao Detran
Polícia
Após orçamento em fazenda, pintor desaparece; família pede ajuda
Polícia
Jovem sai para ir à igreja e some no bairro Paulo Coelho Machado
Polícia
Choque soluciona roubo no Paulo Coelho Machado