Menu
Busca segunda, 24 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Política

Insatisfeita com a reforma Partidária, Simone diz que projeto é um retrocesso

A declaração da senadora foi publicada em uma postagem no twitter na manhã desta terça-feira

17 setembro 2019 - 13h59Mauro Silva, com informações da assessoria

A senadora, Simone Tebet (MDB-MS), classificou a reforma Partidária como sendo um retrocesso para o país. A declaração foi feita em um post publicado no twitter n a manhã desta terça-feira (17).

 “Nós somos 81 senadores, não é possível que não tenhamos 41 colegas enxergando que esse projeto, embora tenha um ou outro avanço, representa um retrocesso naquilo que nós estamos, a duras penas, tentando conquistar, que é a confiança da população brasileira”, protestou.  

“É um retrocesso em relação à transparência, à prestação de conta pública, à caixa preta que eram no passado os partidos políticos. Eu tenho que acreditar no bom senso dos meus colegas senadores”, acrescentou.

Para a senadora que também é presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, o  fundo eleitoral nada mais é do que o dinheiro de imposto da população brasileira. Simone completa sua crítica ressaltando que este mesmo dinheiro é o que está faltando hoje nos serviços públicos que estão falidos.

“Então a preocupação é essa, como representantes do povo vão votar um projeto que vai permitir aumento de recursos para fundo de campanha, quando não temos sequer o básico da saúde, da educação, da segurança pública, da moradia, etc.”, questionou.

A senadora explicou que os líderes vão decidir na tarde desta terça-feira como será a tramitação do projeto. Houve críticas à pressa para a votação. Segundo Simone, há consenso no Senado de que propostas polêmicas devem passar, no mínimo, por uma comissão antes de ir a Plenário.

Ela disse que pode haver três caminhos para o projeto: 1. ele ser enviado direto ao Plenário; 2.entrar na pauta da CCJ de amanhã, ser votado e seguir para o Plenário no mesmo dia; 3. ou seguir o rito normal de tramitação, com indicação de relator, debate, audiências públicas e apresentação do relatório.

A senadora ainda afirmou que é possível aprovar e encaminhar para a sanção apenas os pontos de consenso, suprimindo do texto as polêmicas, para que as alterações aprovadas já possam valer para as eleições de 2020. Mudanças na legislação eleitoral devem ocorrer até um ano antes do pleito.

 

 

Jacarezão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Mais um assalto em condomínio, agora no Shalom
Política
Gleisi Hoffman se reúne com petistas em Campo Grande neste sábado
Política
Salineiro chama Cid Gomes de louco e diz que atirador “agiu certo”
Política
Assembleia - Lídio Lopes continua no comando da CCJ
Política
General Braga Netto é empossado por Bolsonaro na Casa Civil
Política
Tereza Cristina debaterá regularização fundiária no Senado
Polícia
Morador de rua é encontrado morto com perfuração na axila na capital
Política
Vereadores decidem nesta terça sobre o hino nacional nas escolas
Política
Reinaldo assina carta onde governadores cobram de Bolsonaro “equilíbrio e sensatez”
Política
Bolsonaro anuncia mudanças na Casa Civil e no Ministério da Cidadania

Mais Lidas

Internacional
Vídeo - Pai ganha ursinho com áudio de batimentos cardíacos do filho falecido
Polícia
Homem morre em acidente entre caminhão e carreta na BR-267
Economia
Carnaval deve movimentar R$ 8 bi na economia por causa do turismo
Geral
Riedel diz que “iniciativas garantem eficiência da segurança “