Menu
Busca terça, 25 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Política

Moro elogia Fábio Trad por qualidade de relatório do Pacote Anticrime

Relatório de análises foi entregue ao ministro pelo deputado juntamento com o Grupo de Trabalho

20 novembro 2019 - 11h36Sarah Chaves, com informações da assessoria

O Grupo de Trabalho, integrado por deputados de vários Estados, inclusive pelo deputado federal por Mato Grosso do Sul, Fábio Trad (PSD/MS), entregou na terça-feira (19), os resultados de análises e deliberações do relatório do Pacote Anticrime, idealizado pelos ministros Sérgio Moro da Justiça e Alexandre Moraes do Supremo Tribunal federal (STF).

O relatório foi recebido pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), que pretende pôr em votação a pedido de urgência já na semana que vem para que o plenário vote o mérito do relatório do Pacote Anticrime.

Segundo o deputado federal, Fábio Trad, o representante da suprema Corte ficou satisfeito ao receber o relatório em mãos.“O ministro congratulou-nos pelo alto grau de excelência, pela qualidade, compromisso e esforço de cada membro do grupo de trabalho na implementação do aperfeiçoamento aos projetos que ele e o ministro Sérgio Moro encaminharam à Câmara”, destacou Trad.

No final da tarde foi a vez do ministro Moro receber a análise do Pacote Anticrime na presença dos membros do Grupo de Trabalho, deputada Margarete Coelho (PP/PI), deputados Fábio Trad, Lafayette de Andrada (REP/MG), Paulo Abi-Ackel (PSDB/MG), Capitão Augusto (PL/SP), Marcelo Freixo (PSOL/RJ) e Orlando Silva (PCdoB/SP). 

Fábio Trad destacou que praticamente 80% do projeto inicial foi aprovado pelo grupo de trabalho, entre os aprovados, estão o aumento do tempo máximo da pena de prisão, de 30 para 40 anos, o endurecimento dos prazos para progressão da pena, com mais tempo no regime fechado, a proibição da “saidinha” para condenados por crimes hediondos com resultado em morte, a possibilidade de utilização dos bens apreendidos por órgãos da segurança pública, a criação do banco de perfil genético dos condenados, a infiltração de agentes policiais na internet e a figura do juiz de garantia.

Entre os itens retirados do pacote original está o excludente de ilicitude, tema de grande repercussão após a morte da menina Ágatha, no Rio de Janeiro. Para os deputados, se aprovada, a nova lei poderia acobertar crimes cometidos por policiais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Mais um assalto em condomínio, agora no Shalom
Política
Gleisi Hoffman se reúne com petistas em Campo Grande neste sábado
Política
Salineiro chama Cid Gomes de louco e diz que atirador “agiu certo”
Política
Assembleia - Lídio Lopes continua no comando da CCJ
Política
General Braga Netto é empossado por Bolsonaro na Casa Civil
Política
Tereza Cristina debaterá regularização fundiária no Senado
Polícia
Morador de rua é encontrado morto com perfuração na axila na capital
Política
Vereadores decidem nesta terça sobre o hino nacional nas escolas
Política
Reinaldo assina carta onde governadores cobram de Bolsonaro “equilíbrio e sensatez”
Política
Bolsonaro anuncia mudanças na Casa Civil e no Ministério da Cidadania

Mais Lidas

Clima
Pode chover neste último dia de Carnaval na capital, diz Inmet
Cidade
Confira quais serviços funcionam nesta terça-feira de Carnaval
Geral
Terça começa sem atrasos e cancelamentos no aeroporto da capital
Economia
Bancos passam a cobrar dólar do dia da compra com cartão