Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Política

Reforma da Previdência: Bolsonaro, Mourão e Senado devem se alinhar

Proposta vazada ontem prevê 65 anos para homens e mulheres e 40 anos e contribuição

05 fevereiro 2019 - 08h36Da redação, com Exame

A proposta de reforma da Previdência a ser apresentada ao Congresso começa, enfim, a vir à tona. Nesta terça-feira (5), os líderes dos partidos no Senado devem se reunir para definir as prioridades da Casa para o ano legislativo. Com o governista Davi Alcolumbre (DEM-AP) na presidência da Casa, não há dúvidas de que a Previdência deve ser a bala de prata dos senadores, assim como do governo. Os líderes da Câmara se reúnem amanhã conforme a revista Exame.

Foi divulgado também que nesta terça-feira estava prevista uma visita do vice-presidente Hamilton Mourão a Jair Bolsonaro no hospital onde o presidente se recupera de cirurgia. Mas, ontem, o vice afirmou que cancelou a visita a pedido da família e por orientação médica. Mourão deve, embora não confirme, encontrar ministros do governo para coordenar os detalhes finais do texto da Previdência.

A grande dúvida na mesa é se o governo levará adiante uma proposta que vazou ontem para a imprensa. Um texto preliminar da reforma prevê equiparação da idade mínima de 65 anos para homens e mulheres. Procurado, Mourão afirmou que esta é uma das ideias em estudo, e que todas elas ainda passarão pelo aval de Bolsonaro. “O presidente não é favorável a igualar homem e mulher. Eu concordo com ele”, disse o vice à Veja.

Rogério Marinho, secretário especial da Previdência e Trabalho no Ministério da Economia, afirmou que o texto vazado é uma das propostas em análise. O texto da reforma de Michel Temer, aprovado em comissão especial na Câmara, previa idade mínima de 65 anos para homens e de 62 para mulheres. Bolsonaro trabalhava com a proposta inicial de 62 anos para homens e de 57 para mulheres, o que, segundo especialista, precisaria de implementação imediata, sem período de transição, para gerar algum efeito nas contas públicas.

Pela proposta divulgada nesta segunda-feira, seriam necessários 40 anos de contribuição para que o aposentado recebe o valor integral do benefício junto ao INSS. A partir de 20 anos de contribuição na iniciativa privada, e de 25 anos no serviço público, já seria possível receber aposentadorias parciais.

Se mantido o plano de exigir 65 anos para aposentadoria integral de homens e mulheres, a economia em dez anos chegaria a 1,3 trilhão de reais. Fora das planilhas da equipe econômica, a proposta a ir em frente deve ser algum percentual deste valor.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Vereador apresenta projeto voltado às crianças vegetarianas
Política
Bolsonaro destaca lançamento do Programa Novos Caminhos em outubro
Política
Bolsonaro quer retomar obras iniciadas em outros governos
Política
Assessor de Collor foi laranja em imóveis de R$ 6 mi
Informação consta em representação da PGR pela deflagração da Operação Arremate, que pôs a PF nas ruas em endereços ligados ao senador
Política
PF investiga se houve participação de Collor em lavagem de dinheiro
Política
União libera R$ 2,6 mi para Angélica viabilizados por Nelsinho Trad
Política
Reforma da Previdência vai para segundo turno no senado
Política
Carla deixa MDB e vai para o PSD
Política
Otávio Trad apresenta demandas da saúde pública em Brasília
Política
PLS exige laudo psicológico para soltura de agressores domésticos

Mais Lidas

Polícia
Jaime Valler estava na lista da milícia para morrer
Geral
Pai encontra filho morto, enforcado com fio de nylon
Polícia
Adolescentes são apreendidos por necrofilia com cadáver de idosa
Polícia
Bêbado, motorista atropela e mata garoto de 15 anos na capital