Menu
Menu
Busca quarta, 28 de fevereiro de 2024
Saúde

Brasil pode rebaixar pandemia de covid-19 para endemia, diz presidente

O Ministério da Saúde confirmou que a medida está sendo estudada

03 março 2022 - 12h35Camila Farias - Da Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, está considerando rebaixar a situação da covid-19 no Brasil para endêmica, disse hoje (3) o presidente Jair Bolsonaro.

"Em virtude da melhora do cenário epidemiológico e de acordo com o § 2° do Art. 1° da Lei 13.979/2020, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, estuda rebaixar para ENDEMIA a atual situação da COVID-19 no Brasil", disse Bolsonaro por meio de uma postagem no Twitter. 

Em nota, o Ministério da Saúde confirmou que já está adotando as medidas necessárias para reclassificar o status da covid-19 no Brasil que, atualmente, é identificado com pandemia. “O Ministério da Saúde avalia a medida, em conjunto com outros ministérios e órgãos competentes, levando em conta o cenário epidemiológico e o comportamento do vírus no país”, declarou o órgão.

Diferenças

Desde março de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica o surto sanitário de covid-19 como uma pandemia.

O termo endemia é usado nos casos de doenças recorrentes, típicas, que são frequentes em uma determinada região, mas para as quais já há uma resposta efetiva à população por parte da rede de saúde.

Uma enfermidade pode começar como um surto ou epidemia e se torna uma pandemia quando atinge níveis mundiais, ou seja, quando determinado agente se dissemina em diversos países ou continentes, usualmente afetando um grande número de pessoas. 

Se confirmada a reclassificação no Brasil, a medida vai de encontro às orientações da OMS, órgão que define quando uma doença se torna uma ameaça global e que ainda classifica a covid-19 como pandemia. 

Efeitos

Se passar a ser tratada como endemia, a covid-19 deixará de ser uma emergência de saúde e, assim, restrições como uso de máscaras, proibição de aglomerações e exigência do passaporte vacinal, além de realização compulsória de exames médicos, por exemplo, podem deixar de ser obrigatórias.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
BCG é ineficaz em casos de tuberculose em adultos, aponta pesquisa
Saúde
Dengue em MS: mais duas mortes são confirmadas no Estado
Saúde
Dengue: para alcançar público-alvo, escolas da Capital terão vacinação; entenda
Saúde
Takeda firma parceria para aumentar produção da vacina contra a dengue
Saúde
Covid-19: MS confirma mais duas mortes e quase 900 novos casos da doença
Saúde
Brasil se aproxima de 1 milhão de casos prováveis de dengue
Saúde
Peru vai declarar emergência sanitária por aumento de casos de dengue
Saúde
Vacinação contra dengue é ampliada para adolescentes de até 14 anos em MS
Saúde
Foram prorrogadas as inscrições para programa de treinamento em Epidemiologia
Saúde
Vacinação contra dengue: Campo Grande atinge marca de 3 mil crianças vacinadas

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Travesti bate em jovem e tribunal a pune
Justiça
Ex-secretários de saúde de Glória de Dourados são condenados pelo TCE-MS
Geral
Mulher de 33 anos morre após se queimar fritando ovo em casa
Justiça
Camila Jara enfrenta batalha jurídica no TRE