Menu
Busca segunda, 06 de fevereiro de 2023
(67) 99647-9098
Saúde

Fiocruz lidera estudo de eficácia da vacina em crianças e adolescentes

Fiocruz e o Instituto Butantan vão avaliar a resposta da vacina contra a Covid-19 em crianças e adolescentes ao longo do tempo

09 março 2022 - 14h52Brenda Leitte, com Metrópoles
Sebrae Materia

A pesquisa, que tem duração de um ano e seis meses, pretende contribuir para a definição de diretrizes em relação à vacinação para a faixa etária em questão. Além das duas instituições, a Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e secretarias municipais de saúde de Belo Horizonte e Serrana também colaboram com o estudo.

“Já conhecemos a efetividade e a segurança das vacinas aprovadas pela Anvisa. O estudo permitirá o detalhamento sobre a resposta imunológica protetora que é gerada pela vacina e como esta resposta permanece ao longo do tempo. Para isso, analisamos os níveis de anticorpos totais e anticorpos neutralizantes, aqueles capazes de efetivamente neutralizar o coronavírus, incluindo as variantes de preocupação em circulação”, explica a pesquisadora Rafaella Fortini, coordenadora do estudo.

“Além disso, vamos detalhar a resposta celular gerada pela vacina, para entendermos a resposta protetora de forma ampla e completa nas crianças e adolescentes”, completa a pesquisadora.

O Estudo Immunita acontece em Belo Horizonte e na região metropolitana e também no município de Serrana, em São Paulo. Na capital mineira, estão sendo avaliadas as respostas ao imunizante da Pfizer e a Coronavac. Já em Serrana, apenas o da Coronavac.

Voluntários

O recrutamento dos voluntários é feito no momento em que as famílias levam crianças e adolescentes, com idade entre 5 e 17 anos, para vacinar. Nos locais de imunização, equipes da Fiocruz e do Butantan fornecem todas as informações e esclarecem dúvidas sobre a pesquisa. O acompanhamento se inicia mediante autorização dos responsáveis e também dos vacinados.

Ao todo, serão cinco contatos presenciais: no dia da vacinação e, posteriormente, nos seguintes períodos: após um mês, após três meses, após seis meses e após um ano, todos esses tempos a partir da segunda dose. Os voluntários também serão acompanhados, por meio de contato telefônico, todos os meses.

“Todos são acompanhados por nossa equipe no decorrer de todo o estudo. Em caso de sintomas de Covid-19, uma equipe médica faz uma avaliação sobre a necessidade de realização da coleta de swab e, em seguida, fazemos o diagnóstico por PCR. Se positivo, é feito o sequenciamento do vírus para definirmos as variantes causadoras da infecção no pós-vacina. Além disso, monitoramos também possíveis efeitos adversos que possam ocorrer”, explica a pesquisadora.

Sebrae Materia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Casos de SRAG têm queda em todo o país
Saúde
Saúde recebe mais de 1 milhão de doses da Coronavac infantil
Saúde
Procurando médico? Saiba onde encontrar e quais UPAs e CRSs atendem hoje
Saúde
OMS elabora acordo para evitar disputas futuras por vacinas durante pandemias
Saúde
Anvisa proíbe circulação de pomadas de cabelo que causam efeitos adversos graves
Saúde
Saúde divulga cronograma do Programa Nacional de Vacinação 2023
Saúde
Saiba onde encontrar médicos nas UPAs e CRSs da Capital nesta quarta-feira
Saúde
Covid: mais 7 pessoas morreram na última semana em MS
Saúde
Campo Grande é a 3ª cidade do Centro-Oeste com a maior oferta de auriculoterapia
Saúde
MS recebe 45 mil doses de vacina contra a Covid para crianças nesta terça

Mais Lidas

Polícia
JD1TV: Corpo é queimado em meio ao lixo no Santa Emília
Polícia
Queimado no Santa Emília foi "embrulhado" em sofá para ser carbonizado
Polícia
Jovem é esfaqueado e tem vísceras expostas no Itamaracá
Polícia
Esfaqueamento no Jardim Itamaracá foi motivado por ventilador roubado