Menu
Busca sábado, 24 de setembro de 2022
(67) 99647-9098
SENAI - matriculas setembro 22
Saúde

Primeiro transplante de medula óssea do Estado é realizado na Cassems

Mato grosso do Sul é o 11º estado do país autorizado para realizar o procedimento

11 agosto 2022 - 12h12Evelyn Thamaris

O Hospital Cassems de Campo Grande realizou nesta quarta-feira (10), o primeiro transplante de medula óssea de Mato Grosso do Sul. O procedimento de alta complexidade ocorreu pela manhã e foi conduzido pela equipe médica multidisciplinar da unidade hospitalar e representa um enorme avanço para a saúde de Mato Grosso do Sul. 

“Graças ao empenho da nossa equipe do Hospital Cassems de Campo Grande, realizamos hoje o primeiro transplante de medula óssea de Mato Grosso do Sul. Esta é uma vitória que tem a assinatura de todos os servidores públicos do nosso estado”, comemora o presidente da Cassems, Ricardo Ayache. 

O primeiro paciente a receber o transplante está em tratamento oncológico desde 2020 e já havia realizado a quimioterapia conforme explica a responsável técnica pelo transplante de medula óssea e médica hematologista no Hospital Cassems de Campo Grande, Soraia Romanini. “Esse paciente tem o diagnóstico de mieloma múltiplo, fez a quimioterapia e neste caso específico desde que recebeu o diagnóstico já tinha a indicação do transplante desde o diagnóstico”. 

O procedimento 

Romanini explica que o procedimento realizado na unidade hospitalar é chamado autólogo e é constituído por fases, por isso, não existe um ato cirúrgico. Na primeira fase o paciente é condicionado, ou seja, recebe medicações para aumentar o número de células hematopoiéticas que estão circulando no sangue dele. 

“Essas células posteriormente são coletadas em um procedimento que nós chamamos de aférese, e é como se as células troncos fossem filtradas por um aparelho que se assemelha ao aparelho de hemodiálise, mas é um aparelho específico para coletar essas células tronco”, diz a médica hematologista.

Depois da coleta as células são congeladas e o paciente passa por uma quimioterapia muito agressiva que vai tratar efetivamente o mieloma. “O mieloma múltiplo é uma doença muito difícil de ser controlada com a quimioterapia convencional por isso precisa desse procedimento E o transplante autólogo, é esse em que o paciente tem a medula coletada e ela vai servir como uma espécie de backup”, ressalta Romanini. 

O paciente passa pela quimioterapia para destruir a medula óssea existente, e teoricamente, toda a doença que motivou a indicação do procedimento. “O que vai ser efetivo nesse procedimento é a quimioterapia que o paciente faz, que é muito agressiva, e a medula óssea ela funciona como esse backup, eu retiro, congelo, guardo essa medula, faço uma quimioterapia bem agressiva e posteriormente, o paciente recebe a própria medula congelada para voltar a repovoar a medula óssea e a ter novamente uma medula óssea em funcionamento”. 

A médica hematologista explica ainda que da coleta de célula tronco e a realização da quimioterapia em altas doses se o paciente não receber essa medula óssea que foi congelada ele tende a ficar num estado que a gente chama de aplasia que pode evoluir até para óbito caso não recebesse suas células. 

O médico oncologista pediátrico da Cassems, Renato Yamada, também acompanhou o primeiro transplante de medula óssea realizado hoje e falou sobre a importância do procedimento para o estado. “Então, esse momento é muito importante para a gente, nesse momento a gente está infundindo a célula tronco do paciente novamente, depois do processo que a gente chama de condicionamento, e a gente chama isso de transplante autólogo. Mas é um momento muito especial para a gente pela conquista da população em geral que vai se beneficiar disso, e a gente fica muito feliz, não só como especialista”. 

Próximas etapas

Depois que o paciente recebe a medula óssea, como aconteceu hoje, demora em média 14 dias para que a medula óssea transplantada volte a funcionar plenamente. A médica responsável técnica pelo transplante de medula óssea, Soraia Romanini, explica como é feita a primeira avaliação. “Depois que ele tiver três dias consecutivos de segmentados, que é um tipo de célula do sangue acima de 500, a gente diz que a ‘medula pegou’ então depois de cerca de 14 dias que eu vou ter a eficácia do transplante comprovada”.

Durante esse período o paciente fica em um processo de extrema vulnerabilidade do sistema imunológico e sob cuidados da equipe multidisciplinar. "Ele fica com leucócitos praticamente zerados e muito dependente de transfusões de concentrados de hemácias e plaquetas, e fica com uma alta possibilidade de ter anemia severa e ter quadros infecciosos muito graves. Por isso ele fica num ambiente de isolamento e ele fica num setor com cuidados intensivos para ele. O que a gente espera é que com 14 dias a medula óssea volte a funcionar e que ele fique livre de riscos e a gente volte a afirmar o sucesso do procedimento”, esclarece a médica hematologista. 

 

JD1 No Celular

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Confira a escala médica deste sábado na Capital
Saúde
MS tem 87 casos confirmados de varíola dos macacos
Saúde
Semana encerra com escala completa de clínico geral nas unidades de saúde
Saúde
Mortes por Covid continuam diminuindo em todo o mundo, aponta OMS
Saúde
Brasil registra menor média móvel de mortes de Covid em 2022
Saúde
Bolsonaro sanciona lei que acaba com rol taxativo da ANS
Saúde
Em 21 dias, setembro registra o mesmo número de casos de Monkeypox que agosto
Saúde
Capital cai no ranking da dengue do Estado
Saúde
Brasil corre risco de retorno da poliomielite, alerta Opas
Saúde
Dia Mundial do Alzeheimer: Casos têm aumentado no mundo todo

Mais Lidas

Geral
Saiba quem vai disputar lista sêxtupla da OAB
Polícia
Autor de feminicídio no Jardim Corcovado provocou grave acidente na BR-163
Polícia
JD1TV: Ex-marido esfaqueia mulher até a morte no Jardim Corcovado
Polícia
Mulher quase teve pescoço decepado por ex-marido no Corcovado