Menu
Busca sexta, 06 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Ação contra CNI foi “absurda e ilegal”, diz procurador do MPF

Investigação chegou também com busca e apreensão na FIEMS, em fevereiro

04 junho 2019 - 15h43Joilson Francelino, com informações do Poder 360

A prisão, a soltura quase imediata e o afastamento do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, da direção da entidade causou um "racha" e discordância no Ministério Público. No julgamento do recurso da defesa, um procurador da República discordou do colega do Ministério Público, afirmando que a medida era “absurda” e “ilegal”, segundo o site Poder 360.

O noticiário online afirma que teve acesso à transcrição na íntegra do que o procurador da República Joaquim Dias, disse, no dia 16 de maio, e que o mesmo posicionou-se a favor do retorno de Andrade à direção da CNI, sendo totalmente contra a prisão e o afastamento dele.

Para Dias, não havia evidência de que Andrade pudesse causar obstáculos a investigação. “A medida é de fato ilegal, o impetrante foi preso provisoriamente e, no entanto, após a prisão foi indicada uma série de medidas cautelares que não cabiam ao caso”, disse. “É um absurdo que deve ser combatido, a Justiça tem que estar atenta para esses casos. Processo investigativo de 2014 enseja na prisão de alguém, e basta a prisão, mesmo que ela seja revogada ligeira, mas já constitui um fato que para a pessoa é de toda sorte uma medida que vai denegri-la, enxovalhar. Isso tem que acabar. Embora eu seja do Ministério Público, mas sou contra isso, sou contra isso veementemente”, disse o procurador.

Dias discordou totalmente de colega do MP que defendia a prisão e o afastamento do presidente. O inquérito está na Justiça Federal. O Ministério Público poderá oferecer denúncia ou pedir o arquivamento do caso.

Relembre

A "Operação "Fantoche" foi deflagrada no dia 19 de fevereiro, sob o comando da Superintendência da PF, em Pernambuco. Agentes cumpriram 40 mandados de busca e apreensão e dez mandados de prisão temporária em Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul.

A operação investigou suposto esquema para liberar, recursos para contratos entre o Ministério do Turismo e o Sistema S. Em MS, a equipe da PF esteve na Casa da Indústria buscando informações sobre projetos executados entre 2010 e 2013. Com isso, porém, as buscas realizadas no estado e que fazem parte da mesma investigação, também podem ter sido parte de um erro judiciário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Simone quer aprovar pacote anticrime ainda este ano
Educação
Consulta aos locais de reaplicação do Enem já está disponível
Brasil
Bolsonaro diz que não pretende privatizar BB e Caixa
Brasil
Mulher é atacada por homem que fingiu estar com carro quebrado
Brasil
Fábio será o relator da PEC que discutirá prisão em 2º Instância
Brasil
Força Nacional atuará na garantia de segurança de indígenas
Brasil
Comissão aprova reforma da Previdência dos militares
Brasil
Duas crianças em situação de rua morrem carbonizadas
Brasil
Espera por cirurgia passa de um ano e aposentado sofre com tumor
Brasil
Incêndio em hospital do Rio deixa mais uma vítima

Mais Lidas

Geral
Pague Menos faz promoção enganosa e é pega pelo Procon-MS
Polícia
Mulher é espancada ao cobrar dívida de funcionária de salão de beleza
Geral
Pais procuram pela jovem Maisa que desapareceu no Los Angeles
Polícia
Vídeo: “Bunitinho” morre baleado em operação na favela