Menu
Busca terça, 23 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Celso de Mello fala sobre drogas em avião da FAB

Um sargento foi preso acusado de transportar drogas no avião presidencial

26 junho 2019 - 17h51Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O ministro Celso de Mello, o mais antigo do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quarta-feira (26), em sessão plenária, estar preocupado com a criação de “santuários” para criminosos comuns dentro de espaços físicos ocupados por autoridades com prerrogativa de foro.

Ele citou como exemplo o caso do suboficial da Aeronáutica, preso no aeroporto de Sevilha, na Espanha, suspeito de traficar drogas em avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

Celso de Mello indagou aos ministros se haveria necessidade de a investigação ser conduzida no STF, mesmo “quando não há qualquer conexão do fato – aparentemente delituoso – com o presidente da República e, sim, com algum auxiliar seu, por exemplo, um sargento taifeiro".

"A minha preocupação é que se construam santuários de proteção de criminosos comuns com relação a certos espaços institucionais, reservados a determinadas autoridades com prerrogativa de foro”, disse o decano do Supremo.

As declarações foram feitas durante julgamento em que os ministros do Supremo analisam a necessidade de aval da Corte para que a Justiça determine buscas e apreensões nas dependências do Congresso, ou em imóveis funcionais de parlamentares, mesmo se as investigações não envolvam senadores ou deputados.

Celso de Mello manifestou sua preocupação após o ministro Alexandre de Moraes votar no sentido de que qualquer medida cautelar ou de investigação, no Congresso ou em endereços que envolvam parlamentares, deve passar pelo crivo do Supremo.

"Obviamente a preocupação de santuário de autoridades é de todos”, respondeu Moraes ao decano. “Vamos dizer que daqui a duas semanas a polícia queira fazer perícia no avião presidencial, e pede, não só apreensão, mas o deslocamento do avião presidencial. Seria no juízo de primeiro grau? Creio que não", afirmou, reforçando sua posição de que cabe a Supremo autorizar tais medidas.

“Por que não?”, indagou Marco Aurélio Mello logo em seguida, indicando entendimento diverso do de Moraes. A discussão sobre a necessidade de aval da Corte para buscas e apreensões em dependências relacionadas a parlamentares foi suspensa para intervalo regimental, mas já foi retomada.

Primeiro a votar, ainda pela manhã, o ministro Edson Fachin entendeu que o aval do Supremo só é necessário se no caso concreto houver indícios da participação de parlamentares nos ilícitos investigados.

Roberto Carlos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Conad passa por mudanças após decreto presidencial
Brasil
Nelsinho garante neutralidade em sabatina com Eduardo Bolsonaro
Brasil
Confiança da indústria recua na prévia de julho, diz FGV
Brasil
Acumulada, Mega-Sena pode pagar nesta noite R$ 22 milhões
Brasil
Após dizer que passar fome no Brasil é "uma grande mentira", Bolsonaro volta atrás
Brasil
Bolsonaro fala sobre perseguição terrorista
Brasil
Revalida terá duas edições por ano
Brasil
Bolsonaro anuncia inclusão de autistas no Censo 2020
Brasil
Mega acumula e pode pagar R$ 22 mi no sábado
Brasil
Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira

Mais Lidas

Polícia
Acidente na BR-262 mata dois em Rio Pardo
Economia
Abono salarial começa a ser pago na quinta-feira; confira calendário
Polícia
Homem é executado por pistoleiros em conveniência
Geral
Homem chega ao sítio do pai e comete suicídio