Menu
Busca quinta, 19 de maio de 2022
(67) 99647-9098
Tjms Maio22
Brasil

Liderando ranking, média anual de raios no país deve subir de 77,8 para 100 milhões

Brasil se mantém na liderança com mais incidências de raios

23 janeiro 2022 - 17h19Taynara Menezes, com Agência Brasil

Líder no ranking de países com incidências de raios, o Brasil soma uma média de 77,8 milhões de registros por ano. Mas, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), ao final deste século a expectativa é de que a média brasileira seja de 100 milhões de raios por ano.

O número, no entanto, é pequeno, se comparado ao total registrado nos dois últimos anos. Em 2021, caíram 154 milhões de raios em território brasileiro. Em 2020 foram 126 milhões. 

Conforme o coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosféricas do Inpe, Osmar Pinto Júnior as mudanças climáticas influenciam esse fenômeno, uma vez que “tempestades e raios aumentam devido à umidade do ar e altas temperaturas”.

Ele acrescenta que a incidência fica ainda maior durante a primavera e o verão, temporada que é mais propícia para esse tipo de fenômeno.

A liderança brasileira no ranking de incidência de raios por ano não é pequena. O segundo lugar, ocupado pela República Democrática do Congo, onde incidem, anualmente, 43,2 milhões de raios. Em terceiro lugar estão os Estados Unidos, com 35 milhões de raios por ano, seguidos de Austrália (31,2 milhões de raios), China (28 milhões) e Índia (26,9 milhões).

Sobre a incidência de raios observada no final do século 21 no Brasil, o coordenador do Inpe explica que, segundo a literatura, ela foi feita a partir da relação dos raios com algumas condições meteorológicas previstas pelos Modelos Climáticos Globais (MCG).

“Estes modelos, diferentemente dos modelos meteorológicos rotineiramente utilizados na previsão do tempo, permitem estimar as condições meteorológicas para períodos mais distantes, da ordem de décadas. Para minimizar as incertezas nos resultados gerados pelo MCG, rodamos o modelo 12 vezes considerando pequenas diferenças na evolução das condições ambientais e calculamos a média dos resultados”, disse ele à Agência Brasil.

O estudo, acrescenta o coordenador, utiliza um cenário de emissões de gases do efeito estufa que “corresponde a não haver nenhuma mudança significativa nas emissões” nas próximas décadas, o que hoje parece, segundo ele, ser o mais provável.

“Neste cenário é esperado um aumento da temperatura média global de quatro graus Celsius até o final do século, em relação ao período de 1961 a 1990”, acrescenta. Ainda segundo o especialista, “o padrão geral da distribuição geográfica dos raios no país não deve se alterar até o final do século, com a região norte mantendo a maior incidência e a região nordeste a menor incidência”.

A expectativa é de que as maiores altas na ocorrência de raios ocorram na Região Norte (50%). Já a Região Nordeste deve sofrer pequeno crescimento (10%). “As demais regiões devem ter aumentos na ocorrência de raios entre 20% a 40%. Aumentos maiores podem ocorrer em pequenas regiões localizadas”, acrescentou.

“Dessa forma, a atual incidência de 70 milhões de raios por ano no país deve aumentar para 100 milhões de raios por ano”, completou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Mega-Sena acumula em R$ 53 milhões para o próximo sorteio
Brasil
Autoescola pode deixar de ser obrigatória para tirar a CNH
Brasil
Acidente entre ônibus e carreta deixa 11 mortos na BR-163
Brasil
Mega-Sena: apostas do DF e do Entorno fazem a quina e levam R$ 62 mil
Brasil
Estados vão recorrer da decisão sobre cobrança do ICMS sobre o diesel
Brasil
Saque de até R$ 1 mil do FGTS está liberado para nascidos em maio
Brasil
Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 35 milhões
Brasil
Governo vai ao STF contra política de ICMS dos estados
Brasil
Após pedido de ministro, Guedes diz que iniciará estudo de privatização da Petrobras
Brasil
iFood e Zé Delivery são notificados pelo Procon por pedidos com valor mínimo

Mais Lidas

Polícia
Detento é encontrado morto em cela no presídio da Gameleira
Política
Luiz Renato é o novo secretário de Fazenda de MS
Geral
Mulher pede ajuda em bar e é socorrida com hipotermia na Capital
Interior
Furioso, marido morde e arranca parte de orelha de esposa