Menu
Busca sexta, 19 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Órgão de direitos humanos é contra ida do país à ONU

Presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos não concorda com documento em que o Brasil pede votos de outros países

12 julho 2019 - 11h55Sarah Chaves, com informações do G1

O Ministério das Relações Exteriores apresentou o documento de sua candidatura do Brasil a um assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça, pela primeira vez na quinta (11), justamente ao Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH)  que poderá se posicionar contra a candidatura do país.

O CNDH é um órgão com representantes do Legislativo, do Conselho Nacional de Justiça, de três ministérios, da Polícia Federal e também de entidades da sociedade civil, como a OAB.

Quem afirma a contrariedade da candidatura do Brasil é o presidente do CDNH, Leonardo Pinho, segundo ele o Conselho Nacional tem caráter consultivo e de fiscalização, mas não tem poder para definir políticas públicas.“Nós vamos submeter o documento da candidatura brasileira às nossas comissões permanentes, como a de LGBT, e vamos construir uma resposta crítica no mês de agosto”, disse Pinho.

O encontro geral da CNDH está programado para acontecer no mês que vem e, então, a entidade poderá até se posicionar contra a própria candidatura do Brasil, segundo ele.

Documento de candidatura evita a palavra gênero constata-se que o governo “defende o fortalecimento dos vínculos familiares, sob o enfoque dos direitos humanos” e que “o Brasil está desenvolvendo políticas públicas transversais, que têm na família ponto focal da atuação do Estado”.

Segundo presidente do CNDH o problema é o que não está dito na candidatura, pois o texto deixa de citar pontos importantes do que ele entende que deveria ser a política de direitos humanos do país.

Não há, segundo ele, um compromisso explícito contra a pena de morte ou contra a tortura, “não há um reconhecimento da ideia de família em um sentido mais amplo, que inclui famílias LGBT que é reconhecido pela Justiça e pelo SUS.”

"Além da retirada de qualquer questão relativa a gênero. O texto tem uma defesa geral de direitos de mulheres, mas gênero é um conceito estabelecido que é ignorado pelo documento", diz ele.

 

1/4 colchões

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Revalida terá duas edições por ano
Brasil
Bolsonaro anuncia inclusão de autistas no Censo 2020
Brasil
Mega acumula e pode pagar R$ 22 mi no sábado
Brasil
Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira
Brasil
Lista de espera do ProUni já está disponível para consultas
Brasil
Procurador apoia delegado na Funai e dispara “existem muitas mentiras”
Brasil
Bolsonaro participa da cúpula do Mercosul, na Argentina
Brasil
Jovem que morreu em cachoeira se desequilibrou ao tirar 'selfie'
Brasil
Turismo do Brasil tem nova marca no exterior
Brasil
Não quer ser "perturbado" por telemarketing? Saiba como

Mais Lidas

Justiça
Rigo entra com recurso baseado em decisão de Toffoli
Geral
Jovem perde perna em acidente e pede ajuda em "Vaquinha Solidária"
Geral
Quatro capivaras amanhecem mortas próximo ao shopping
Polícia
Incêndio criminoso deixa pelo menos 16 mortos