Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Guedes estuda auxílio-reclusão e benefício pode ser alterado

De acordo com Bolsonaro o auxílio não deveria ser maior que o salário mínimo

12 fevereiro 2019 - 17h52Mauro Silva, com FolhaPE

O ministro da economia, Paulo Guedes, e sua equipe estudam o auxílio-reclusão, pago aos familiares de presidiários. Uma proposta deve ser levada ao presidente da República, Jair Bolsonaro, para que somente quem ganhe até um salário mínimo possa deixar o benefício para os dependentes. O valor é de R$ R$ 1,3 mil.

No início do ano, Bolsonaro disse que a reforma da Previdência alteraria o auxílio, pois segundo ele, o valor não poderia passar o salário mínimo que é de R$ 998. A quantia paga a dependentes de presidiários, atualmente, é de R$ 1.028,16. O auxílio-reclusão é pago essencialmente a crianças e jovens de até 19 anos.

A faixa etária apontada recebe 83% desses benefícios, conforme dados da Secretaria de Previdência repassado ao FolhaPE. Homens com mais de 19 anos não chegam a 1% dos que recebem o auxílio, mulheres na mesma faixa são de 16%. A população de baixa renda é beneficiada com o auxílio, porém a proposta da reforma da Previdência pode reduzir ainda mais esse grupo que usufrui do direito durante a prisão de um membro da família.

Gasto de R$ 630 milhões

O governo gastou com o auxílio, somente no ano passado, R$ 630 milhões, montante pouco significativo para o rombo de R$ 195,2 bilhões do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O familiar que precisa do benefício deve comprovar que é dependente do trabalhador que foi preso e que o mesmo já contribuía com o INSS. Assim o auxílio poderá garantir a manutenção dos familiares.

Conforme os técnicos da equipe econômica do governo, caberá a Bolsonaro a decisão sobre o auxílio que beneficia os familiares dos detentos. Revisar o benefício é uma promessa de campanha do presidente. A população carcerária no Brasil é de pelo menos 700 mil pessoas. No ano passado, em dezembro, foram concedidos apenas 45.4 mil benefícios, ou seja, a cobertura é menos que 7%.

A diminuição nos limites da renda para ter o auxílio e do valor pago aos dependentes poderia se incluída na Constituição. Ainda neste mês, o governo deve enviar Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para mudar as regras de aposentadorias e benefícios dos trabalhadores da iniciativa privada e do funcionalismo público.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Ex-estrela do programa Raul Gil comete suicídio
Brasil
Confira o resultado da Dupla de Páscoa
Brasil
Bolsonaro diz que contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão
Brasil
CCJ retoma análise do parecer da reforma da Previdência na terça
Brasil
Bolsonaro condena ataques no Sri Lanka
Brasil
Bolsonaro diz que invasão de terra tem que ser tipificada como terrorismo
Brasil
Recadastramento de clientes de celulares pré-pagos começa nesta quinta
Brasil
Moraes revoga decisão que censurou reportagens
Brasil
Avianca vai devolver oito aeronaves depois da Páscoa
Brasil
Bolsonaro exonera general corumbaense, da secretaria de Esportes

Mais Lidas

Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Saúde
Ibuprofeno e cetoprofeno podem agravar infecções
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira