Menu
Busca sexta, 24 de março de 2023
(67) 99647-9098
TJMS - Mar23
Brasil

Polícia investiga caso de estupro coletivo de menina de 12 anos

Os agressores gravaram o crime e postaram em uma rede social

06 maio 2017 - 16h24Da redação com G1

Após uma denúncia feita nesta sexta-feira (5), a Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV) investiga mais um caso de estupro coletivo no Rio de Janeiro, desta vez contra uma menina de 12 anos. O caso ocorre cerca de um ano após o estupro coletivo jovem de 16 anos em uma favela de Jacarepaguá.

A denúncia foi feita pela tia da menina, que ficou sabendo do crime por causa de um vídeo, gravado pelos agressores e postado no Facebook e que também já estaria circulando pelo WhatsApp. No vídeo, as imagens mostram quatro jovens aparecem nus e a vítima, que tenta esconder o rosto. Na sequência, a menina grita enquanto um dos agressores que está abusando. De acordo com a reportagem do G1, depois, é possível ouvir uma voz dizendo: "cala a boca, se alguém ouvir sua voz vai saber 'que é tu'".

A delegada Juliana Emerique de Amorim, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV) não quis dar maiores informações para preservar a vítima, e disse apenas que o caso ocorreu na semana passada em um município da Baixada Fluminense.

“O estupro coletivo do ano passado nos ensinou muito. Desde então, a criação de protocolos é fundamental neste tipo de investigação. Antes de tudo, é necessário o sigilo é a preservação da vítima. Em segundo lugar, é necessário celeridade. Em terceiro, é preciso pessoas capacitadas em entrevistas investigativas, em que a adolescente vai esmiuçar toda essa violência sofrida”, disse a delegada.

A delegada tem certeza de que ocorreu o estupro. “Não há dúvidas do crime de estupro de vulnerável. Esta menina foi violentada por um grupo de rapazes, não sabemos ainda a idade dos envolvidos. Vamos à comunidade ver o que se passou. A gente precisa saber quem levou ela para esse ninho de horrores”, destacou.

A delegada fez questão de frisar que o simples ato de ter o vídeo em seu celular ou de repassar as imagens pelas redes sociais também é crime.

Investigação

A policial realizou uma diligência neste sábado (6) no município onde o crime ocorreu em busca de mais evidências. “Hoje nós escutamos a tia, que saiu daqui muito abalada. Ela não pôde falar detalhes sobre o estupro em si, mas mostrou a página do Facebook que estava publicando isso. E disse que as pessoas que estavam passando para o WhatsApp seriam as envolvidas”, contou Juliana. Segundo ela, a menina está muito traumatizada, sob cuidados da mãe.

 

Estação Criança

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Mulher grava sexo com a filha de 14 anos para o namorado ver
Brasil
Consulta do lote residual de restituição do imposto de renda está disponível
Brasil
Lula adia embarque para a China após quadro de pneumonia
Brasil
Acumulou! Mega-Sena sorteará R$ 63 milhões no sábado
Brasil
Para fazer 'banheirão' com outros rapazes, homem tranca a filha de 7 anos em carro
Brasil
Em visita à aldeia, Rosa Weber promete análise de marco temporal
Brasil
Brasil gerou 64 quilos de resíduos plásticos por pessoa em 2022
Brasil
Programa de Aquisição de Alimentos é retomado com reajuste
Brasil
Essa foi por pouco! Motociclista escapa de ser esmagado por caminhão; assista
Brasil
Casal é preso suspeito de queimar órgão genital de adolescente com brasa

Mais Lidas

Polícia
Motorista de aplicativo é encontrado morto com bilhete ao lado do corpo
Geral
JD1TV: Corda de bungee jump arrebenta durante salto de 30 metros de altura
Polícia
Moto é apreendida com mais de R$ 50 mil em multas no Jardim Carioca
Interior
Professor suspeito de assediar alunas é denunciado pelo Ministério Público em MS