Menu
Busca segunda, 23 de novembro de 2020
(67) 99647-9098
Sesi_protocolo de atendimento
Brasil

Transparência: informações dos 28 ministérios na internet até amanhã

15 maio 2012 - 10h13Divulgação

A Controladoria-Geral da União (CGU) prevê que todos os ministérios, ou seja, as 38 pastas, estarão com as páginas eletrônicas que dão acesso a editais, licitações, contratações, registros de repasses ou transferências de recursos financeiros, além de pagamento de despesas a todo o público, em funcionamento já na quarta-feira (16).

Até o fechamento desta reportagem, segundo a CGU, 14 ministérios ainda não haviam providenciado a página, entre eles o Ministério do Planejamento, a Casa Civil e a Secretaria-Geral da Presidência da República. Dia 16 é a data prevista, pela Lei nº 12.527/2011, para o início dos serviços de informação ao cidadão (SIC) nas repartições e para a transparência ativa dos dados públicos.

Além dos gastos financeiros e de contratos, a lei garante acompanhamento de dados gerais de programas, ações, projetos e obras. Os links nas páginas do governo federal que dão ao cidadão pleno acesso às informações são identificados por um selo em forma de balão amarelo de quadrinhos com a letra “I”, em verde.

Afora o Poder Executivo na esfera federal (ministérios, autarquias, fundações e empresas estatais), também caberá aos demais poderes (Judiciário e Legislativo), em todos os estados e municípios, cumprir a lei.

Segundo a diretora de Prevenção à Corrupção da Controladoria, Vânia Vieira, a lei terá impacto tão grande quanto o Código de Defesa do Consumidor (de 1990) e irá mudar a cultura de informações dentro do Estado brasileiro. “Muda o paradigma de que os agentes públicos se achavam donos da informação, quando o Estado era compreendido como guardião das informações”.

A expectativa de Vânia Vieira é que logo após a entrada em vigor da lei, os jornalistas sejam os principais usuários das páginas de informação, mas que, em um segundo momento, de consolidação, as páginas serão mais usadas por cidadãos comuns, como ocorreu em outros países.

Graças à norma, será possível, por exemplo, o cidadão saber a lista de medicamentos disponíveis nos postos de saúde da cidade; conhecer a lista de médicos inscritos no Programa Saúde da Família (PSF); verificar vagas em creches e escola; e o horário do transporte público, por exemplo.

As informações são de livre acesso e uso pelos interessados, sem a necessidade de explicar as motivações. “Não cabe à administração pública conhecer previamente o destino que os usuários darão às informações”, explica Vânia Vieira

Segundo ela, toda informação produzida pelo Estado deve estar disponível à sociedade, a menos que essa informação esteja expressamente protegida. Futuro decreto a ser editado pela presidenta Dilma Rousseff regulamentará a lei, para que fique mais claro quais informações são reservadas e por quanto tempo.

Conforme Vânia, a lei é bastante aplicável e é “exagero” avaliar que a falta da publicação do decreto é crítica para o funcionamento das novas regras. No site da CGU, é possível obter mais informações sobre o sistema de publicidade de informações do governo.

Via Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Filho mata a mãe e confessa ter assassinado o pai
Brasil
No CNJ, Fux faz minuto de silêncio por negro morto em supermercado
Brasil
Caixa abre 13 agências neste sábado para saque do auxílio emergencial
Brasil
Vídeo: Segundo Mourão, “Não existe racismo no Brasil”
Brasil
Vídeo: "Um medo? Cair de moto e se ralar", jovem empina com duas novinhas na garupa
Brasil
Lula tem recurso negado pelo STJ no caso do triplex
Brasil
"Morte" de Silvio Santos é um dos assuntos mais comentados no Twitter
Brasil
Motoboy mata namorada grávida de três meses a facadas
Brasil
Apenas uma cidade do Brasil não tem caso de Covid-19
Brasil
Indústria tem saldo positivo de 6.242 novas vagas de emprego

Mais Lidas

Polícia
Vídeo: depósito em chamas em Campo Grande
Polícia
Frigorífico é multado em R$ 10 mil devido a vazamento de amônia
Cidade
Familiares e amigos lamentam morte de Everton Quebra
Polícia
As versões da agressão: mulher e polícia divergem