Menu
Busca domingo, 21 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

Aos 96 anos, morre o cineasta Franco Zeffirelli

Ele filmou Romeu e Julieta, Jesus de Nazaré e outros sucessos

15 junho 2019 - 11h35Priscilla Porangaba, com informações da assessoria

O cineasta italiano Franco Zeffirelli morreu neste sábado (15) aos 96 anos, em Roma, anunciou Dario Nardella, prefeito de Florença, cidade natal do artista, a quem classificou como "um dos grandes homens da cultura mundial".

Nascido em 12 de fevereiro de 1923, Zeffirelli se tornou conhecido por suas visões românticas no cinema, opulentas produções de ópera e adaptações de peças de Shakespeare no teatro.

Para a televisão, filmou Romeu e Julieta, Jesus de Nazaré (1977), em vários episódios rodados no Marrocos e na Tunísia, e que contou com a aprovação da Igreja e a rejeição do Partido Comunista da Itália; Dias de destruição (1966), Fidelio (1970) e a Missa Solene (1971), de Beethoven.

Zefirelli começou no mundo do cinema pelas mãos de Luchino Visconti, como assistente de direção em três de seus melhores filmes A Terra Treme (1948), Belíssima (1951) e Sedução da Carne (1954), onde disse ter nascido sua paixão pela Sétima Arte.

Homossexual declarado, ele revelou em autobiografia publicada quando tinha 83 anos seu grande amor por Visconti. Entrou no Parlamento pelo partido de Silvio Berlusconi, Forza Itália, e se dizia conservador por "desespero anticomunista".

Só conheceu seu pai depois da morte da mãe, Adelaide Garosi, que, apaixonada por Mozart, quis dar ao filho o nome da ária de Idomeneo (Zeffiretti), mas o funcionário do cartório civil se equivocou e escreveu Zeffirelli.

Após a morte da mãe, quando ainda era um menino, foi criando entre mulheres. A babá, que era inglesa e se chamava Mary, lhe ensinou inglês e despertou a paixão por Shakespeare.

Zeffirelli também foi muito ativo no mundo do teatro e da ópera como diretor cênico e também figurinista. Em 1959, subiu ao palco do Covent Garden de Londres, com as obras Os palhaços e Lucia di Lammermoor.

Não reivindicando favoritos, Zeffirelli certa vez se comparou a um sultão com um harém de três: cinema, teatro e ópera. "Eu não sou um diretor de cinema. Eu sou um diretor que usa diferentes instrumentos para expressar sonhos e histórias – para fazer as pessoas sonharem", disse em 2006.

Em outra entrevista de 2009, ele acrescentou: "Eu sempre gostei da beleza, a beleza simples e rigorosa que perfura corações e mentes sem qualquer esforço".

1/4 colchões

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Jair Damascena inova com metateatro em espetáculo que estreia nesta quinta
Cultura
Teatro de Sombras estreia essa semana
Cultura
Espetáculo “Dores do Mundo” será apresentado nesta segunda, na Praça dos Imigrantes
Cultura
Prefeitura lança o “julho das pretas” neste sábado
Cultura
Brasileiros fazem descoberta que pode mudar história da humanidade
Cultura
Pai da bossa nova, João Gilberto morre aos 88 anos
Cultura
Sectur abre inscrições para desfile no aniversário de Campo Grande
Cultura
Almir, Isaac e Espíndola recebem “Doutor Honoris Causa” em julho
Cultura
Banda Seven Four faz o show "Divas" no Sesc
Cultura
Unidos da Vila Carvalho lança Enredo para Carnaval 2020

Mais Lidas

Polícia
Em grave acidente adolescente perde os pais e fica ferido
Polícia
Jovem é abordado por dupla e baleado na cabeça
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Polícia
Mulher tenta transportar droga em carro de aplicativo