Menu
Busca domingo, 31 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Cultura

Aos 96 anos, morre o cineasta Franco Zeffirelli

Ele filmou Romeu e Julieta, Jesus de Nazaré e outros sucessos

15 junho 2019 - 11h35Priscilla Porangaba, com informações da assessoria

O cineasta italiano Franco Zeffirelli morreu neste sábado (15) aos 96 anos, em Roma, anunciou Dario Nardella, prefeito de Florença, cidade natal do artista, a quem classificou como "um dos grandes homens da cultura mundial".

Nascido em 12 de fevereiro de 1923, Zeffirelli se tornou conhecido por suas visões românticas no cinema, opulentas produções de ópera e adaptações de peças de Shakespeare no teatro.

Para a televisão, filmou Romeu e Julieta, Jesus de Nazaré (1977), em vários episódios rodados no Marrocos e na Tunísia, e que contou com a aprovação da Igreja e a rejeição do Partido Comunista da Itália; Dias de destruição (1966), Fidelio (1970) e a Missa Solene (1971), de Beethoven.

Zefirelli começou no mundo do cinema pelas mãos de Luchino Visconti, como assistente de direção em três de seus melhores filmes A Terra Treme (1948), Belíssima (1951) e Sedução da Carne (1954), onde disse ter nascido sua paixão pela Sétima Arte.

Homossexual declarado, ele revelou em autobiografia publicada quando tinha 83 anos seu grande amor por Visconti. Entrou no Parlamento pelo partido de Silvio Berlusconi, Forza Itália, e se dizia conservador por "desespero anticomunista".

Só conheceu seu pai depois da morte da mãe, Adelaide Garosi, que, apaixonada por Mozart, quis dar ao filho o nome da ária de Idomeneo (Zeffiretti), mas o funcionário do cartório civil se equivocou e escreveu Zeffirelli.

Após a morte da mãe, quando ainda era um menino, foi criando entre mulheres. A babá, que era inglesa e se chamava Mary, lhe ensinou inglês e despertou a paixão por Shakespeare.

Zeffirelli também foi muito ativo no mundo do teatro e da ópera como diretor cênico e também figurinista. Em 1959, subiu ao palco do Covent Garden de Londres, com as obras Os palhaços e Lucia di Lammermoor.

Não reivindicando favoritos, Zeffirelli certa vez se comparou a um sultão com um harém de três: cinema, teatro e ópera. "Eu não sou um diretor de cinema. Eu sou um diretor que usa diferentes instrumentos para expressar sonhos e histórias – para fazer as pessoas sonharem", disse em 2006.

Em outra entrevista de 2009, ele acrescentou: "Eu sempre gostei da beleza, a beleza simples e rigorosa que perfura corações e mentes sem qualquer esforço".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Lives de hoje: Michel Teló, Skank, David Guetta e mais shows para ver em casa
Cultura
“Tamojunto” fará ação solidária recebendo alimentos por chopp
Cultura
UFMS estuda revitalizar Autocine
Cultura
Retrô? Bosque dos Ipês terá cinema drive-in
Cultura
Live Solidária traz nomes da música gospel de MS
Cultura
V12 faz live hoje e divulga set das músicas
Cultura
Cantora da capital concorre a concurso para cantar em festival europeu
Cultura
Banda V12 fará Live com clássicos do Rock nacional e internacional
Cultura
Jatinho com Gusttavo Lima e Leonardo faz pouso de emergência no Pantanal
Cultura
"Poema na Quarentena MS" reúne escritores em redes sociais

Mais Lidas

Justiça
Justiça obriga empresa a pagar r$ 2 mil à aluno que não recebeu aulas do curso
Polícia
Adolescente é flagrado com drogas e armas
Economia
Estados Unidos anuncia a doação de mais US$ 6 milhões ao Brasil
Internacional
Macacos 'assaltam' laboratório e levam exames de sangue com coronavírus