Menu
Busca segunda, 26 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

Pai da bossa nova, João Gilberto morre aos 88 anos

Cantor morreu em casa, no Rio de Janeiro, informou o filho João Marcelo

06 julho 2019 - 16h30Rauster Campitelli, com informações do G1

Um dos criadores da bossa nova, João Gilberto morreu neste sábado (6), aos 88 anos. O músico, que sofria com problemas de saúde há algum tempo, morreu em casa, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada ao G1 pelo seu filho, João Marcelo Gilberto, que mora nos Estados Unidos.

Ele também deixa outros dois filhos, Bebel e Luisa. "Meu pai morreu. Sua luta foi nobre, ele tentou manter sua dignidade ao perder sua soberania", escreveu João Marcelo no Facebook. "Gostaria de agradecer a Maria do Ceu por estar a seu lado no final. Ela foi sua verdadeira amiga e companheira".

Recluso, João foi interditado judicialmente pela filha, Bebel Gilberto, no fim de 2017. A interdição motivou uma disputa familiar entre Bebel e João Marcelo. Em nota, a advogada de Bebel disse que a intervenção foi motivada por problemas de saúde e complicações financeiras do cantor.

João Gilberto Prado Pereira de Oliveira, cantor e violonista baiano, concluiu em 1961 a trilogia de álbuns fundamentais que apresentaram a bossa nova ao mundo: "Chega de saudade" (1959), "O amor, o sorriso e a flor" (1960) e "João Gilberto" de 1961.

Bossa Nova

O álbum que marcou o início da bossa nova, "Chega de saudade", traz composição de Tom Jobim (1927-1994) e Vinicius de Moraes (1913-1980) que havia sido apresentada em um LP em abril de 1958 por Elizeth Cardoso (1920-1990). Com a voz de João, a versão mais conhecida da música foi lançada em agosto do mesmo ano.

O artista não parou com suas criações e seguiu com shows e discos que se tornaram obras de arte, como é o caso de "Amoroso”, álbum gravado nos Estados Unidos entre 1976 e 1977 sob o selo Warner Music.

O disco foi relançado no Brasil em formato longo durante os festejos dos 60 anos da Bossa Nova. O álbum celebra o encontro harmonioso do artista brasileiro com o maestro alemão Claus Ogerman (1930-2016).

A produção de João foi objeto de uma disputa judicial em 2018. A defesa do cantor pedia uma revisão no valor de uma indenização da gravadora EMI Records, hoje controlada pela Universal Music. Em 2015, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) proibiu a empresa de vender os discos do artista sem seu consentimento. A Universal não comenta o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
3º Festival Gastronômico da Bom Pastor tem início nesta sexta
Cultura
Formação da sociedade sul-mato-grossense é tema de Ciclo de Palestras na capital
Cultura
Esplanada Cultural tem início nesta sexta-feira
Cultura
Capital terá mais de 20 eventos em comemoração aos 120 anos; confira
Cultura
Advogada de MS lança livro sobre defesa de adolescentes
Cultura
“Arte no Meu Bairro” leva Grupo Tradição ao Coophavila neste sábado
Cultura
Feira Central terá música ao vivo toda quarta
Cultura
CineFórum abre incrições na 2° edição do evento
Cultura
Reinaldo abre Festival de Inverno de Bonito nesta quinta
Cultura
Marcos e Belluti abrem o Festival do Sobá, em Campo Grande

Mais Lidas

Geral
Mulher tem dedo amputado enquanto fazia compras
Fim de Semana
Esquadrilha da Fumaça se apresenta em Campo Grande neste domingo
Polícia
Vídeo - Peão morre após ser pisoteado por touro em rodeio
Esportes
Vídeo- Após capotar no Rally Sertões, Caio Castro tranquiliza fãs