Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 99647-9098
tj ms topo
Educação

Vídeo - Estudantes da UFMS aderem a paralisação nacional em MS

Alunos da capital e Três Lagoas, professores e Sindicatos fazem manifestação contra cortes na educação e reforma da Previdência

15 maio 2019 - 09h30Rayani Santa Cruz

Alunos, professores e Sindicatos dos Trabalhadores em Educação filiados a Federação dos Trabalhadores em Educação de MS (Fetems), paralisam e manifestam nesta quarta-feira (15), contra cortes do governo federal e reforma da Previdência. A paralisação nacional das redes estaduais, municipais e universidades públicas iniciou às 8h em frente a unidades da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande e em Três Lagoas. Na capital, centenas de pessoas tomaram o câmpus no ato que deve durar toda a manhã.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o presidente da Fetems, Jaime Teixeira, disse que a decisão da paralisação é da categoria e dos sindicatos que representam os trabalhadores. “É um dia só de protesto, a pauta é contra a reforma da Previdência e contra o corte de quase R$ 6 bilhões de recursos na educação, promovido pelo atual presidente da República, Bolsonaro”.

Em carta manifesto, estudantes da UFMS-CG que ocuparam o bloco 6 desde a segunda-feira (13), pediram apoio aos campo-grandenses.

“Sabemos que para superar as limitações econômicas de um país, é necessário entender que educação não é um gasto, e sim o maior investimento, que irá garantir a formação de todos os profissionais que atendem a sociedade. Portanto, é necessário investir maciçamente na educação, haja vista que ela é a base para o desenvolvimento científico de toda a sociedade!”, diz a carta.

Já em Três Lagoas, região leste do estado, aproximadamente 300 estudantes da UFMS-TL, representando todos os cursos aderiram a paralisação após assembleia-geral.

“Estamos totalmente organizados, com comissões, o maior foco é impedir o corte de gastos. Estamos abraçando outras lutas como a reforma da Previdência. Aqui na cidade temos a universidade e uma unidade do Instituto Federal, e seremos muito afetados. Somos contra o retrocesso, temos o direito de estudar e direito de elaborar pesquisas. A universidades públicas precisam de investimento e não de cortes”, disse Karime Marques, estudante do curso de letras e terceira secretária do Centro Acadêmico.

Em Mato Grosso do Sul, atos relacionados a Greve Nacional da Educação, ocorrem nas cidades de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Aquidauana, Corumbá, Coxim, Ponta Porã, Paranaíba, Naviraí e Chapadão do Sul.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
Candidatos ao Fies e P-Fies já podem acessar os resultados
Educação
Programa Vale Universidade abre inscrições em março
Educação
ProUni: selecionados na 2ª chamada podem comprovar dados até sexta
Educação
Resultado da inscrição para Fies e P-Fies sai nesta quarta
Educação
Segunda chamada do ProUni é divulgada nesta terça-feira
Educação
MEC não pode emitir carteira estudantil a partir desta segunda
Educação
Hércules Maymone se torna o 8º Centro de Educação Profissional do Estado
Educação
Aulas da rede estadual voltam nesta semana
Educação
Último dia para fazer a carteirinha de estudante digital
Educação
Estudantes tem até esse domingo para fazer ID Estudantil de graça

Mais Lidas

Esportes
Martín Benítez chega ao Rio para jogar no Vasco
Saúde
SES registra seis notificações por suspeita de coronavírus na capital
Geral
Pesquisa aponta crescimento da confiança do empresário da capital
Polícia
Operação piracema tem mais de 800 kg de pescado apreendido