Menu
Busca sábado, 20 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Educação

Vídeo - Estudantes da UFMS aderem a paralisação nacional em MS

Alunos da capital e Três Lagoas, professores e Sindicatos fazem manifestação contra cortes na educação e reforma da Previdência

15 maio 2019 - 09h30Rayani Santa Cruz

Alunos, professores e Sindicatos dos Trabalhadores em Educação filiados a Federação dos Trabalhadores em Educação de MS (Fetems), paralisam e manifestam nesta quarta-feira (15), contra cortes do governo federal e reforma da Previdência. A paralisação nacional das redes estaduais, municipais e universidades públicas iniciou às 8h em frente a unidades da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande e em Três Lagoas. Na capital, centenas de pessoas tomaram o câmpus no ato que deve durar toda a manhã.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o presidente da Fetems, Jaime Teixeira, disse que a decisão da paralisação é da categoria e dos sindicatos que representam os trabalhadores. “É um dia só de protesto, a pauta é contra a reforma da Previdência e contra o corte de quase R$ 6 bilhões de recursos na educação, promovido pelo atual presidente da República, Bolsonaro”.

Em carta manifesto, estudantes da UFMS-CG que ocuparam o bloco 6 desde a segunda-feira (13), pediram apoio aos campo-grandenses.

“Sabemos que para superar as limitações econômicas de um país, é necessário entender que educação não é um gasto, e sim o maior investimento, que irá garantir a formação de todos os profissionais que atendem a sociedade. Portanto, é necessário investir maciçamente na educação, haja vista que ela é a base para o desenvolvimento científico de toda a sociedade!”, diz a carta.

Já em Três Lagoas, região leste do estado, aproximadamente 300 estudantes da UFMS-TL, representando todos os cursos aderiram a paralisação após assembleia-geral.

“Estamos totalmente organizados, com comissões, o maior foco é impedir o corte de gastos. Estamos abraçando outras lutas como a reforma da Previdência. Aqui na cidade temos a universidade e uma unidade do Instituto Federal, e seremos muito afetados. Somos contra o retrocesso, temos o direito de estudar e direito de elaborar pesquisas. A universidades públicas precisam de investimento e não de cortes”, disse Karime Marques, estudante do curso de letras e terceira secretária do Centro Acadêmico.

Em Mato Grosso do Sul, atos relacionados a Greve Nacional da Educação, ocorrem nas cidades de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Aquidauana, Corumbá, Coxim, Ponta Porã, Paranaíba, Naviraí e Chapadão do Sul.

Roberto Carlos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
SBPC reúne 15 mil pessoas na capital
Educação
ProUni: Canditados na espera tem até dia 22 para comprovar informações
Educação
Professores desligados são “indicações políticas”, diz Marquinhos
Educação
Assistentes Educacionais Inclusivos substituirão professores, diz Prefeitura
Educação
Prefeitura tem mil vagas disponíveis para aulão pré-Enem
Educação
Desligamento de professores da educação especial preocupa pais
Educação
Menos de 50% dos estudantes aprende sobre segurança na internet, diz estudo
Educação
ProUni: Prazo para participar da lista de espera termina nesta terça
Educação
Reme altera início das aulas e apenas creches retornam nesta terça
Educação
UFMS recebe a 71ª Reunião Anual da SBPC

Mais Lidas

Polícia
Jovem é abordado por dupla e baleado na cabeça
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Polícia
Mulher tenta transportar droga em carro de aplicativo
Polícia
Brasileiro que matou ex-mulher pega prisão perpétua no Reino Unido