Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Esportes

Em baixa com jogadores e dirigentes, Ney Franco vive pior momento no São Paulo

05 julho 2013 - 10h51Via Uol
Nunca Ney Franco esteve em um momento tão ruim como está agora no comando do São Paulo. O treinador já está praticamente sem nenhum apoio e pode perder o cargo antes mesmo do clássico de domingo, diante do Santos, pelo Campeonato Brasileiro.

A crise se estende tanto entre os jogadores quanto com os dirigentes. Dentro de campo, os comandados detestaram as declarações de seu superior após a derrota por 2 a 1 para o Corinthians. Foi considerada traição, como gostam de dizer os atletas, a declaração dele afirmando que não poderia entrar em campo para dar passe.

Na visão deles, Ney quis se livrar da culpa de um revés que pode complicar a busca são-paulina pelo título. Até por isso, ele afirmou que o problema do time, na quarta-feira, foi técnico e não tático. Publicamente, a resposta veio da boca de Aloísio, que, inclusive, admitiu que a fala virou assunto no elenco.

O afastamento de Fabrício também não caiu bem no elenco. Os são-paulinos ficaram sabendo que o volante ficou de fora a pedido especial do treinador, diferentemente de alguns dos sete atletas que foram afastados por vontade dos diretores.

Nos últimos meses, aliás, qualquer deslize de Ney não é perdoado. O treinador se ausentou de um treino de sábado, com autorização da diretoria, e mesmo assim virou alvo de críticas.

Fora do campo, Ney Franco perdeu o apoio ao tentar as diversas mudanças táticas e não conseguir sucesso com nenhuma delas. O treinador não achou um substituto para Lucas, vendido para o Paris Saint-German, e, mesmo assim, insistiu no 4-3-3, colocando Paulo Henrique Ganso, que custou R$ 24 milhões, no banco de reservas.

Na trágica derrota para o Arsenal de Sarandí, na Argentina, pela Libertadores, o treinador chegou a testar um esquema nunca treinado, o 3-5-2. No jogo, Lúcio deixou o campo esbravejando, jogando seus equipamentos contra o chão e, na chegada ao Brasil, não poupou críticas ao treinador. Depois, como castigo ficou no banco de reservas e foi obrigado a pedir desculpas.

Juvenal Juvêncio segura o treinador por tentar não ir contra as suas próprias convicções. Durante a crise após a eliminação da Libertadores, o presidente falou que não gostaria de demitir mais um treinador, por saber que receberia críticas de torcedores e também da imprensa.

O problema é que, em ano eleitoral, ir contra a convicção da maioria dos conselheiros significa um risco muito grande na tentativa de sucessão presidencial. O mais cotado para ir ao pleito, inclusive, é Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que já está convencido que Ney Franco não pode mais comandar o São Paulo.
Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
“É fundamental para inspirar outros jovens”, diz Yeltsin sobre MS Mais Esporte
Esportes
Programa MS + Esporte será lançado nesta terça-feira, na Capital
Esportes
Inscrições para 1º CG Open de Beach Tênis vão até 3 de novembro
Esportes
Fifa discute possibilidade de Copa do Mundo bienal
Esportes
Paratleta de MS conquista ouro em disputa nacional em Brasília
Esportes
Eliminatórias: Brasil goleia Uruguai com brilho de Neymar e Raphinha
Esportes
Governo de MS anuncia investimento de mais de R$ 120 milhões no esporte
Esportes
Corinthians recebe Fluminense na 26ª rodada do Brasileiro
Esportes
Torcedores invadem CT e gravam Gabigol tomando banho com companheiro de Seleção
Esportes
Atletas de MS faturam 18 medalhas na Copa Regional de Taekwondo

Mais Lidas

Vídeos
Tempestade atinge Bodoquena agora
Vídeos
Granizo em Dois Irmãos
Vídeos
Tempestade com granizo atinge Campo Grande agora
Vídeos
Vídeo: Fogo na fiação elétrica deixa funcionário da Energisa preso em uma 'chuva' de faísca