Menu
Busca sexta, 10 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Esportes

Hulk ataca de super-herói e 'salva' Mano, mas Brasil não escapa de vaias

07 setembro 2012 - 18h50Marcos Ribolli / Globoesporte.com

Ele não teve uma crise de raiva, não rasgou a camisa e muito menos ficou verde, mas foi o super-herói na tarde desta sexta-feira. Hulk, o atacante de R$ 141 milhões, talvez seja um dos nomes mais criticados na seleção brasileira de Mano Menezes, mas no amistoso contra a África do Sul, no Morumbi, ele compensou a sua convocação marcando o gol da suada vitória do Brasil por 1 a 0. O time pentacampeão mundial deixou o estádio sob vaias.

O triunfo não apaga uma tarde que a Seleção gostaria de esquecer. A pressão da torcida paulista no estádio do Morumbi foi enorme. Mano Menezes foi o principal alvo, mas sobrou até para Neymar, principal jogador brasileiro da atualidade, acusado de "pipoqueiro" e vaiado ao ser substituído já aos 44 minutos do segundo tempo. Leandro Damião, então, jogou sob gritos de Luis Fabiano.

Talvez um dos únicos poupados pela torcida tenha sido Lucas, que teve uma atuação tão apagada quanto a dos seus demais companheiros. Mas quando ele foi substituído por Jonas, o clima esquentou para Mano. O técnico verde e amarelo foi chamado de burro e ouviu, assim como Dunga certa vez em Belo Horizonte, um "Adeus, Mano". O ambiente hostil melhorou um pouco após o gol, mas norteou a partida.

Passada a turbulência em solo paulistano, a seleção brasileira embarca esta noite para o Recife, onde na segunda-feira, às 22h (de Brasília), encara a China, no estádio Arruda.

Vaias para o Brasil, "Olé" para os Bafana e "Adeus, Mano"
A seleção brasileira estava preparada para jogar de amarelo, como de costume. Mas o uniforme da África do Sul, também verde e amarelo, forçou os donos da casa a entrarem em campo com a camisa azul - a de Marcelo estava rasgada, e teve que ser trocada (assim como a braçadeira de capitão de David Luiz, que foi substituída por uma fita adesiva). Por conta desse imprevisto, a partida atrasou mais de 15 minutos. Não foi isso, porém, que tirou a paciência do torcedor paulista no amistoso desta tarde. A pífia atuação da Seleção foi a culpada.

Desde o hino nacional, ouvido com frieza pelos paulistas, o clima era de desconfiança. Com a bola rolando, esse ambiente só se confirmou. A cobrança, aliás, começou cedo. Bem cedo. Logo aos sete minutos, depois de tentativa frustrada de Leandro Damião dar passe de letra na intermediária, boa parte da torcida começou a gritar o nome de Luis Fabiano, atacante do São Paulo. A cena se repetiu aos 11 minutos.

No mesmo minuto, por sinal, a África do Sul teve a melhor chance do jogo. Não fosse Diego Alves, os Bafana Bafana teriam aberto o placar. Gaxa recebeu na direita da grande área, avançou e bateu fraco. O goleiro do Valencia fez a defesa. Nervosos, os brasileiros apelaram para entradas mais duras. Tiveram de ser contidos com cartões amarelos, mostrados para Dedé e Marcelo.

A resposta da seleção brasileira ao bom momento da África do Sul foi num raro lance de inspiração. Na verdade, numa jogada de oportunismo. Aos 16, Neymar bateu falta cruzada para área, e Dedé cabeceou forte. Khune fez grande defesa. Com seu quarteto ofensivo apagado (Oscar, Lucas, Neymar e Damião), o Brasil dependia do individualismo. Mas nem assim teve jeito. O primeiro tempo foi mesmo de irritar o torcedor.

Tanto que aos 21 minutos, a paciência de quem estava na arquibancada acabou, e a Seleção escutou as suas primeiras vaias na partida. Em determinado momento, assim como aconteceu com Dunga em Belo Horizonte, na preparação para a Copa do Mundo de 2010, Mano Menezes ouviu "adeus", entoado por parte da torcida no Morumbi. Um minuto após as primeiras vaias, mais cobrança por conta de uma bola recuada para Diego Alves.

Nada insinuante, a Seleção voltou a levar perigo para África do Sul aos 42, quando Neymar finalizou após cruzamento da direita e consagrou o goleiro Khune, que defendeu com o peito. Já era tarde. Neste momento quem contava com o apoio vindo das arquibancadas eram os Bafana Bafana. O toque de bola sul-africano era acompanhado de "olé" dos paulistanos. Para o Brasil, sonoras vaias após o apito final.

- Não temos que nos preocupar com a torcida, sabemos que vamos jogar aqui e eles vão cobrar. Temos de ter personalidade para jogar aqui, mesmo a torcida não nos dando apoio. Não podemos nos desesperar - disse Daniel Alves no intervalo.

Dia de super-heroi: Hulk garante a vitória
Muito embora Lucas tenha começado a etapa final com boas jogadas individuais, o time sul-africano deu trabalho para a defesa brasileira.

Faltou bem pouco, aliás, para que os Bafana não abrissem o marcador logo nos primeiros cinco minutos. Parker fez ótima jogada pela direita, deixou David Luiz para trás com lindo corte e cruzou. A bola só não encontrou o atacante do outro lado da área porque Dedé chegou a tempo de tirar a bola para escanteio.

A pressão sul-africana serviu ao menos para dar um choque na seleção brasileira. Passado o sufoco, o time deixou a tática de lado e partiu para o individualismo. Primeiro com Oscar, depois com Lucas, mais adiante com Neymar e também com Damião. O quarteto, que Mano não quer que chamem de mágico, enfim, apareceu.

Com toque de lado, muita firula e pouca objetividade, a pequena evolução da Seleção apenas iludiu o torcedor, que voltou a gritar o nome de Luis Fabiano no momento em que Mano Menezes colocou Hulk na vaga de Leandro Damião. Visivelmente abatido, o técnico da Seleção aproveitou uma parada no jogo e passou instruções a Neymar.

Sem espaço, o craque do Santos parecia não estar em um dos seus melhores dias. Mas jogador decisivo muitas vezes surpreende, como Neymar mesmo fez ao bater falta aos 25 minutos e obrigar Khune a fazer outra ótima defesa. Quando a torcida parecia começar a fazer as pazes com a Seleção no jogo, Mano sacou Lucas.

O meia-atacante do São Paulo, protagonista antes da partida, teve atuação realmente discreta. Mas a torcida não perdoou sua troca por Jonas e chamou Mano de "burro". Em seguida, repetiu o primeiro tempo e gritou "Adeus, Mano". Mas se o anjo da guarda do técnico não estava presente, seu super-herói estava: Hulk.

Em seu terceiro jogo oficial em solo brasileiro (tinha feito dois pelo Vitória quando atuava no país), o atacante do Zenit, que o comprou ao Porto por R$ 141 milhões, apareceu para dar a vitória à seleção brasileira. Depois de dar passe para David Luiz na esquerda, ele apareceu para pegar o rebote do chute e estufar as redes aos 29.

Melhor para Mano, para os jogadores e para a torcida, que compareceu em grande número (51.538 pessoas). Já aos 44, o técnico tirou Neymar para a entrada de Arouca. O camisa 11 saiu sob os gritos de "pipoqueiro". Na próxima terça, será a vez de Recife receber a Seleção contra a China. Mais um teste para a popularidade do treinador e do craque em casa.

Via G1

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
Live: Rodeio sem público começa nesta quinta em Chapadão do Sul
Esportes
Fluminense supera Flamengo e conquista Taça Rio
Esportes
Governo de SP autoriza volta do jogos de futebol em 22 de julho
Esportes
Veja onde assistir Fluminense x Flamengo de graça
Esportes
Campo Grande sediará a Liga das Nações que foi adiada para 2021
Esportes
Fluminense perde para o Volta Redonda na reestreia de Fred
Esportes
Nenê testa positivo para covid-19 e está fora do Campeonato Carioca
Esportes
Amigos do Parque volta com nova formatação durante pandemia
Esportes
Operário convoca torcedores para se associarem e ajudar o Clube
Esportes
Etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude é cancelada

Mais Lidas

Geral
Vídeo: Meteoro, OVNI, o que rasgou o céu na região do Santa Maria?
Entrevista
AO VIVO – Por que a respiração pode atrapalhar no emagrecimento?
Geral
AO VIVO - V12 e DJ Marcelo Natureza tocam as mais pedidas pelo público
Saúde
Prefeitura garante R$ 9,5 milhões para a Santa Casa