Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Esportes

Justiça define nesta sexta-feira último rebaixado do Brasileirão

27 dezembro 2013 - 09h22Via ESPN
Nesta sexta-feira, dia 27 de dezembro, o Campeonato Brasileiro de 2013 terá a sua 40ª rodada no Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro. Advogados novamente entrarão em campo e o Pleno do tribunal, em seu último dia de atividade no ano, voltará a ficar sob holofotes.

Portuguesa e Flamengo terão seus recursos julgados após saírem derrotados diante da Quarta Comissão Disciplinar e com quatro pontos a menos na tabela do Brasileiro de 2013 pelas escalações irregulares de Héverton e André Santos. O Vasco terá julgado o seu recurso pela impugnação da partida contra o Atlético-PR, em Joinville. O time paranaense participará do julgamento como terceiro interessado.

O Cruzeiro, anteriormente punido com uma simples multa pela escalação irregular do goleiro Elisson diante do Vasco, no Maracanã, será mais um a voltar ao tribunal. A Promotoria entrou com um recurso e o campeão brasileiro também poderá perder pontos na classificação. No caso do Cruzeiro, a punição não faria diferença, já que a taça continuaria em Belo Horizonte. Diferentemente, portanto, da Portuguesa: a perda de quatro pontos fez a Lusa cair de 48 para 44 e ser rebaixada, já que foi superada pelo Fluminense, com 46 pontos. Em caso de reviravolta no tribunal, os tricolores voltariam à Segunda Divisão apenas se a punição ao Flamengo não for revogada.

De maneira distinta dos julgamentos de primeira instância, compostos por cinco auditores, o Pleno do STJD permite que nove diferentes pessoas julguem o recurso. Por isso, há chance de que o resultado seja invertido, mesmo que a derrota tenha sido por larga vantagem no primeiro julgamento. Veja abaixo como funciona um julgamento do STJD e a ordem dos casos apreciados desta sexta-feira.

Como funciona o julgamento
Com uma capacidade para cerca de 40 pessoas sentadas para assistir aos julgamentos, a sala do STJD está localizada no 15º andar de um prédio do Centro do Rio de Janeiro. O tribunal é composto pelo Pleno e por cinco Comissões Disciplinares, responsáveis por analisar uma denúncia feita pela Procuradoria.

Primeiro, o caso é julgado em primeira instância. Como a defesa ou a procuradoria podem entrar com recurso depois da decisão, o Pleno tem a missão de fazer o julgamento em segunda instância e dar a palavra final do STJD, o que vai acontecer nesta sexta-feira. Dessa vez, não é possível o uso de testemunhas.

No dia de um julgamento, o presidente dá início à sessão e o procurador que foi designado como relator daquele caso lê o processo. Depois disso, o advogado da defesa dá o seu parecer, podendo apresentar provas, usar imagens de vídeos ou até mesmo levar o jogador ao tribunal se achar necessário. A procuradoria também tem a palavra para reforçar a acusação, antes de cada auditor, além do presidente e do vice, darem os seus votos e decidirem o resultado final.

Cronograma do julgamento
Serão, ao todo, quatro julgamentos no auditório do STJD, a partir das 11h (de Brasília) desta sexta-feira, 27 de dezembro. O primeiro julgamento será do recurso do Vasco quanto à impugnação da partida contra o Atlético-PR, na última rodada do Brasileiro. O recurso já fora recusado duas vezes pelo presidente do STJD, Flávio Zveiter, mas será apreciado no Pleno. O Atlético-PR, como parte interessada, também participa no processo, que terá como auditor relator Ronaldo Botelho Placente.

O segundo julgamento será o da Portuguesa. Incursa no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), (Incluir na equipe, ou fazer constar na súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar da partida, prova ou equivalente), a Lusa tenta retomar seus quatro pontos na tabela do Brasileiro pela escalação irregular de Hevérton contra o Grêmio, na última rodada e que, por enquanto, lhe custa a permanência na Primeira Divisão. Flamengo e Fluminense, como terceiros interessados, também participarão do julgamento, que terá como auditor-relator Décio Neuhaus.

O terceiro julgamento em pauta será o do Flamengo, também incurso no artigo 214 do CBJD e que perdeu quatro pontos na primeira vez que foi ao tribunal. Os rubro-negros tentam provar que André Santos não foi escalado de forma irregular diante do Cruzeiro, na última rodada do Brasileiro. O Fluminense, como terceira parte interessada, vai falar ao Pleno. O auditor-relator será Miguel Angelo Cançado.

O quarto e último julgamento será do recurso da procuradoria do STJD contra a punição dada ao Cruzeiro por ter relacionado o goleiro Elisson, irregular, na derrota para o Vasco por 2 a 1, no Maracanã, pelo segundo turno do Brasileiro. O time mineiro foi punido apenas com multa no primeiro julgamento, mas pode perder até três pontos caso o Pleno veja necessidade de uma pena mais dura. O auditor-relator será Gabriel Marciliano Júnior.

O que pode acontecer após o julgamento no Pleno? Justiça comum? Punição da Fifa?

O torcedor comum pode entrar na Justiça Comum com pedido de indenização, por se sentir prejudicado com base do Estatuto do Torcedor ou no Código do Consumidor. O torcedor tem esse direito, mas isso não afetaria o campeonato.

Se a Portuguesa entrar na Justiça Comum pode ser punida pela Fifa, que não aceita essa interferência em decisões do tribunal desportivo. A Fifa pode punir o clube impedindo de participar de competições organizadas pela CBF ou tirando pontos. Para isso, a entidade que comanda o futebol mundial consultaria a CBF e abriria um procedimento de investigação.

No entanto, o próprio estatuto da Fifa tem exceção no caso de as leis nacionais do país permitirem a entrada na Justiça Comum. O artigo 217 da Constituição Federal diz que o poder judiciário permite ações relacionadas ao desporto após estarem esgotadas as instâncias da Justiça desportiva.

A Portuguesa pode entrar com recurso e apelar para a Corte Arbitral do Esporte (CAS), assim como acontece em casos de atletas flagrados no exame antidoping. O clube tem até 21 dias após julgamento para entrar com pedido na corte internacional, o que é permitido pois o tribunal é esportivo. A decisão do CAS é soberana.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esportes
Covid-19: com seis infectados, Flamengo encara Barcelona-EQU nesta terça
Esportes
Com uma novidade de Tite em convocação para início das Eliminatórias
Esportes
Em emendas parlamentares, esporte de MS recebe R$ 1,64 milhão
Esportes
Vídeo: Corinthians é recebido com protesto pela torcida no aeroporto
Esportes
Vídeo - Neymar é expulso por dar tapa em jogador que o chamou de "macaco"
Esportes
Projeto Amigos do Parque volta neste final de semana
Esportes
Moreninha lll ganhará pista de skate e quadra de areia
Esportes
Messi se reapresenta ao Barcelona após tentativa frustrada de saída
Esportes
São Paulo e Fluminense se enfrentam pelo Brasileirão neste domingo
Esportes
Brasileirão deste sábado tem Flamengo, Corinthians e Santos

Mais Lidas

Internacional
Sem motivos ou explicações, Torre Eiffel, em Paris, foi esvaziada
Brasil
Mudam as leis de trânsito, confira as alterações
Saúde
UPA's e CRS's contam com 15 pediatras e 50 clínicos nesta manhã
Política
AO VIVO - Acompanhe a reunião da Comissão do Pantanal no Senado