Menu
Busca quarta, 23 de janeiro de 2019
(67) 99647-9098
PMCG Balanço super banner
Geral

Cidade da Polícia, onde trabalhava delegado assassinado, é cercada por favelas

14 janeiro 2018 - 14h18Agência Brasil

O delegado Fábio Monteiro, de 38 anos, foi assassinado a poucos metros da entrada da Cidade da Polícia, complexo que reúne várias delegacias especializadas da Polícia Civil fluminense. O policial saiu para almoçar na tarde desta sexta-feira (12), e seu corpo encontrado no porta-malas de um carro, na favela do Jacarezinho, poucas horas depois.

A Cidade da Polícia reúne 13 delegacias especializadas, além da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), e fica exatamente entre duas grandes favelas que estão há anos dominadas por quadrilhas armadas.

Nos fundos do complexo, está o conjunto de favelas de Manguinhos. À frente, está a comunidade do Jacarezinho, onde o delegado foi morto.

A chamada Cidpol foi inaugurada em setembro de 2013, com a proposta não só de reunir várias unidades especializadas em um único espaço, mais moderno e amplo. Mas fazia também parte de uma estratégia do governo fluminense de aproximar unidades policiais de comunidades dominadas por quadrilhas armadas.

Também fizeram parte dessa estratégia a implantação de um complexo da Polícia Militar, na comunidade da Maré, para abrigar a Coordenadoria de Operações Especiais.

Tanto o complexo da Polícia Civil quanto o da Polícia Militar foram implantados em uma época em que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) prometiam acabar com o controle territorial armado em várias favelas do Rio de Janeiro.

A instalação de duas UPPs, uma no Jacarezinho e outra em Manguinhos, prometiam garantir um cinturão de segurança para que os agentes, delegados e peritos conseguissem entrar e sair da Cidade da Polícia sem arriscar suas próprias vidas.

Mas quatro anos depois, a UPP mostrou-se incapaz de garantir o controle efetivo do Estado nas duas favelas e acabar com o controle territorial por quadrilhas armadas. Tanto em Manguinhos quanto no Jacarezinho, as UPPs ainda existem, mas a polícia hoje exerce pouquíssimo controle sobre tais territórios.

O secretário estadual de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, não confirmou se Fábio Monteiro foi assassinado por ser policial. No entanto, a morte de mais de 130 policiais militares no ano passado, muitos deles vítimas de assalto, mostra que ser policial é uma profissão de risco, mesmo quando o agente está de folga.

Durante o enterro do delegado hoje, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, o secretário disse que vai estudar medidas para garantir a proteção dos policiais que chegam e saem do trabalho na Cidade da Polícia e que precisam passar em frente às duas comunidades.

“Vamos fazer uma reunião na segunda-feira (15) para fazer um diagnóstico do entorno da Cidade da Polícia, nessas áreas conflagradas e no seu entorno, para a gente verificar, com o que a gente tem, como é possível tentar evitar que isso ocorra de novo, melhorando a ostensividade, chamando a prefeitura para fazer o ordenamento urbano”, disse.

Sesc Novo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aos 67 anos, Amado Batista namora jovem de 19 anos
Geral
PMA rebate acusações de denúncia anônima sobre pesca predatória
Geral
Estado repassa mais de R$ 300 mil para Santa Casa de Corumbá
Geral
Homem mata cachorro a pauladas e se desculpa nas redes sociais
Geral
Após denúncia, PMA encontra cavalo ferido e maltratado
Geral
Obras no Anhanduí interditam ponte na região do Taquarussu
Geral
Novo presidente do Consórcio Brasil Central será escolhido nesta quinta
Geral
IMPCG concede reajuste a aposentados e pensionistas
Geral
Moradores fazem mobilização contra o aumento excessivo na energia, em Ponta Porã
Geral
OAB/MS - Mansour e sua equipe tomam posse nesta quinta

Mais Lidas

Polícia
Sem ‘lucro’, homem mantinha garotas de programa em cárcere
Polícia
Brasileiro morre em acidente no Paraguai
Oportunidade
Funtrab abre seleção com salários de até R$ 5,9 mil
Polícia
Homem cai de pá-carregadeira e morre esmagado