Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Cirurgias de transplante de rim são restritas em MS

05 janeiro 2012 - 10h07Alexandre Duarte

Cerca de 350 pessoas estão à espera de doação de rim em Mato Grosso do Sul. A informação é da Central de Transplantes do estado, que informou ainda que durante o ano de 2011, foram coletados 22 órgãos de pessoas que tiveram morte encefálica, mas nenhum foi encaminhado a pacientes do estado. Todos foram levados para outras regiões do país.
Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, transplantes de rim estão sendo feitos apenas quando envolve doadores vivos. A compatibilidade é um fator de risco e que pode inviabilizar a cirurgia, tornando a espera longa. A Secretaria informou que a rede pública não faz transplantes com órgãos de pacientes com morte encefálica há um ano.
O diretor clínico da Santa Casa de Campo Grande, onde os transplantes são realizados, Luiz Alberto Kanamura, afirmou que os procedimentos que envolvem doadores com morte encefálica foram interrompidos pela falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Antes, as cirurgias em realizadas sem esses leitos, mas depois que perdemos dois pacientes, resolvemos não realizar mais esse tipo de cirurgia”, disse Kanamura. Segundo o diretor clínico, as operações não serão feitas enquanto não forem providenciados os leitos.

Kanamura afirmou que, na época em que os transplantes eram realizados, o número de cirurgias desse tipo por ano chegava a 60, incluindo aquelas com rins que chegavam de outros estados. “No passado, quando realizamos o procedimento, chegamos a efetuar 63 transplantes, todos utilizando rins de doadores mortos, nem precisávamos recorrer aos vivos”, relata o diretor clínico.
O diretor afirma que a solução do caso é burocrática, já que o hospital tem mão de obra e a infraestrutura necessária para realizar esse tipo de operação. “A solução está nas comissões de saúde municipal de estadual. Eles que podem determinar ou não se poderemos reservar esse leito de UTI para os transplantados. A primeira reunião deve ocorrer em fevereiro. Acredito que no máximo em 60 dias teremos uma posição sobre o caso”, explica.

Outra alternativa, que segundo o presidente poderia resolver a situação seria realizar o procedimento no Hospital Regional de Campo Grande, que também está credenciado a realizar os transplantes renais. A secretaria de Saúde informou que o hospital também não está fazendo o procedimento.

O secretário adjunto de saúde do estado, Eugênio de Barros, afirmou que o caso não é mais de responsabilidade da secretaria, pois já foi providenciada toda a documentação necessária para viabilizar esse tipo de cirurgia na Santa Casa.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Irmã Dulce passa a ser Santa Dulce dos Pobres após canonização
Geral
MS 42 anos: Mato Grosso do Sul é referência do Ecoturismo brasileiro
Geral
Eletrobras lança plano de demissão para 1.681 funcionários
Geral
Irmã Dulce será reconhecida como Santa Dulce dos Pobres
Geral
Aeroporto Internacional de Corumbá será leiloado em 2º lote do governo
Geral
Petrobras vende campos terrestres no ES por US$ 9,4 milhões
Geral
Abraço Solidário visa fortalecer reestruturação da Seleta neste sábado
Geral
Sesc Cultura terá lançamento de livro sobre patrimônio histórico e bate-papo com autoras
Geral
Comerciante terá que pagar R$ 2,2 mil por transporte ilegal de caranguejos
Geral
Asa Branca relata sofrer ameaças, após revelar maus-tratos de animais

Mais Lidas

Polícia
Adolescentes são apreendidos por necrofilia com cadáver de idosa
Geral
Irmã Dulce passa a ser Santa Dulce dos Pobres após canonização
Oportunidade
Prefeitura seleciona jovens para curso de voluntariado
Polícia
PMA apreende arma usada em caça ilegal