Menu
Busca segunda, 20 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Cultivo de orquídea gera renda extra a mulheres de Anastácio

01 agosto 2011 - 15h29Divulgação

Um grupo de mulheres de Anastácio, cidade distante 134 quilômetros de Campo Grande, uniu-se para buscar alternativas de renda para a família. A maioria das mulheres são esposas de trabalhadores rurais, elas formaram uma associação há sete anos e só trabalhavam com artesanato, agora o cultivo de orquídea faz parte das atividades das mulheres.

A região é considerada a porta de entrada para o Pantanal, o município possui quase 25 mil habitantes e é banhado pelo rio Aquidauana. A base da economia da região é a agropecuária e o turismo.

A Associação das Mulheres Independentes Ativas (Amina) é formada por mais de 70 mulheres. Foi fundada em 2004 em uma casa alugada, hoje elas estão construindo a sede própria. "Nós pretendemos crescer mais e trazer mais sócias para dentro da associação e abranger mais gente, principalmente as integrantes do grupo que não estão aqui dentro porque ainda não terminamos a construção", conta Nilma da Silva, presidente da Amina.

Uma busca por fonte de renda alternativa incentivou as mulheres a criarem a associação. No início elas produziam pão caseiro, porém a falta de equipamentos impediu a continuidade do trabalho. A segunda opção foi o artesanato e a partir daí elas não pararam mais.

O local virou ponto de turismo, espaço para cursos de pintura e corte e costura. Três gerações como a da família Camargo, aprenderam um ofício na associação e aumentaram a renda da casa. "O curso durou uns três meses, aí eu passei a ser professora, ensinei bastante jovens, senhoras e até minha vó que está fazendo curso aqui", conta Ediene Camargo, 15 anos.

"Eu via os chinelinhos que ela fazia, achava muito bonitos aí eu resolvi aprender com ela para eu poder fazer também e vender", diz a avó de Ediene, Almerinda Camargo.

A possibilidade de ganhar um dinheiro extra não foi o único motivo que despertou o interesse da família. "A gente aprende muita coisa, agente ensina muita coisa então é muito bom estar aqui na associação", afirma a mãe de Ediene, Maria José Camargo, costureira.

O grupo produz hortaliças que são para o próprio consumo, o excedente é vendido na comunidade. E há quatro anos foi montado um orquidário e as mulheres começaram a produzir orquídeas, a comunidade doou as primeiras mudas e algumas matrizes foram compradas com o dinheiro obtido com a venda do artesanato.

Para aprender a lidar com as plantas as mulheres fizeram um curso de três dias. "Ela é a princípio, uma flor delicada, mas com cuidado não é tão difícil assim de manter uma orquídea na sua casa", conta Viasul Bernardes, artesã.

O orquidário já tem mais de 200 mudas de 12 variedades, as orquídeas fascinam as pessoas há milhares de anos. São plantas delicadas que proporcionam beleza e elegância em qualquer ambiente. "É um planta muito querida, eu sou muito chegada nelas", conta Maria Barbosa, aposentada.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Reservatório no Distrito Federal chega a 100% de capacidade
Geral
Universidade leva serviços gratuitos à comunidade no próximo dia 25
Geral
CapacitaSUAS avança em MS e estado reforça pioneirismo na Assistência Social
Geral
Mega-Sena pode pagar 7 milhões neste sábado
Geral
Novas medidas deixarão banda larga mais acessível, segundo Anatel
Geral
Vídeo - Após mulher trocar senha do wi-fi, vizinhos apedrajam casa
Geral
Feijoada do FAC terá renda revertida em agasalhos
Geral
Caminhão da Serasa chega a Campo Grande na próxima semana
Geral
UFMS pode paralisar em setembro, diz Marcelo Turine
Geral
Casas Bahia é autuada por publicidade enganosa

Mais Lidas

Polícia
Travesti é encontrada morta na madrugada deste domingo
Cidade
Inscrições para sorteio de apartamentos na capital encerram terça-feira
Brasil
Menores vítimas de violência sexual costumam mostrar sinais
Geral
Universidade leva serviços gratuitos à comunidade no próximo dia 25