Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Afastada, desembargadora entra com ação no STF para retornar à presidência no TRE-MS

Tênia é suspeita usar influência e recursos públicos para ajudar o filho preso por tráfico de drogas

12 outubro 2018 - 16h23Da redação

Tênia Borges, desembargadora que foi afastada do Tribunal de Justiça e da presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE-MS), na última terça-feira (9) entrou com um mandado de segurança no Superior Tribunal Federal (STF) para tentar voltar ao cargo. A decisão havia sido tomada no plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

De acordo com o corregedor nacional, Humberto Martins, ela usou a influência da função e recursos públicos para ajudar o filho, Breno Borges, preso por tráfico de drogas. O afastamento de Tânia segue até a conclusão da investigação da corregedoria. Já o recurso que foi aberto no STF será julgado pelo ministro Luiz Fux.

O CNJ apura se a desembargadora usou indevidamente veículo oficial e escolta policial para libertar o filho Breno Fernando Borges Solón, que havia sido preso em 2017 por tráfico de drogas em Três Lagoas.

A desembargadora é suspeita de ter ido buscar seu filho com viatura e escolta, quando ainda não havia uma decisão no sistema de alvarás de soltura.

Em nota, a defesa da desembargadora diz que considera a decisão do CNJ "arbitrária, desnecessária e equivocada" e que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal.

O filho da desembargadora foi preso no dia 8 de abril de 2017 ao ser flagrado com 129 quilos de maconha e 270 munições, além de uma arma de fogo sem autorização.

Nota

Leia na íntegra a nota divulgada pela defesa da desembargadora:

"A Des. Tânia Garcia de Freitas Borges, ao contrário do que tem sido divulgado, não retirou seu filho da penitenciária, arbitrariamente. Na verdade, havia uma segunda liminar de habeas corpus, autorizando a transferência de seu filho Breno, do qual é curadora, da penitenciária para uma clinica especializada com o fim de fazer exame pericial sobre sua saúde mental.

A defesa, embora respeitando a decisão do CNJ, considera que ela é arbitrária, desnecessária e equivocada, por não corresponder a realidade dos fatos retratados nos auto. Irá, com a brevidade possível, ao Supremo Tribunal Federal.

Brasília 09 de outubro de 2018.

Cezar Roberto Bitencourt"

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Bernal perde no STF e segue inelegível
Geral
Gestão de Nova Alvorada tem 40% de péssima avaliação em pesquisa Ranking
Geral
Morre, aos 68 anos, o sanfoneiro Dino Rocha
Geral
Campo Grande está entre as dez capitais com pessoas mais felizes, aponta revista
Geral
Boechat morreu de politraumatismo, aponta laudo do IML
Geral
PM e PF apreendem contrabando de celulares avaliado em R$ 3 milhões
Geral
Confira dicas para não descuidar das finanças no Carnaval
Geral
Aplicativo Sine Fácil passará por reformulação
Geral
Agepan vai vistoriar quase dois mil veículos do sistema intermunicipal
Geral
Técnicos do programa "Criança Feliz" recebem certificados

Mais Lidas

Polícia
Desaparecimento de jovem ainda é um mistério para a polícia
Saúde
Câncer de ovário tem sintomas discretos e pode evoluir rapidamente
Geral
PM e PF apreendem contrabando de celulares avaliado em R$ 3 milhões
Geral
Boechat morreu de politraumatismo, aponta laudo do IML