Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Geral

Grupo somali assume ataque que matou ao menos 59 em shopping no Quênia

22 setembro 2013 - 09h07Via Uol
Subiu para ao menos 59 o número de mortos em um ataque a um shopping center em Nairóbi, no Quênia, informou neste domingo (22) o governo do país.

Passadas 24 horas desde o início da ação dos atiradores, acredita-se que eles ainda tenham reféns em seu poder no centro comercial Westgate, frequentado pela elite queniana e pela comunidade internacional em Nairóbi. Calcula-se em 175 o número de feridos.

Um alto comandante do grupo militante islâmico somali Al-Shabab assumiu à BBC a autoria do ataque.

O Al-Shabab já havia ameaçado no passado atacar o shopping Westgate. O grupo vem promovendo uma série de ataques no Quênia desde 2011, quando tropas quenianas entraram no sul da Somália para combater os militantes no país vizinho.

Ainda há tiros intermitentes sendo disparados no local na manhã deste domingo, e militares quenianos cercam o shopping.

Uma testemunha, que falou à BBC por telefone de dentro do centro comercial, disse que o local parecia "uma zona de guerra".

"Eu e minha mulher havíamos saído do banco do shopping e estávamos sentados em um café quando, de repente, ouvimos tiros sendo disparados do térreo e do primeiro piso", disse Surajit Borkakoty.

Este é o pior ataque no Quênia desde a explosão do prédio da Embaixada dos Estados Unidos em Nairóbi, em 1998, que matou mais de 200 pessoas.

Em um pronunciamento na TV, o presidente do país, Uhuru Kenyatta, disse que os responsáveis serão "caçados em qualquer lugar para onde eles corram. Vamos pegá-los e puni-los por esse crime hediondo".

Ele disse ter perdido membros de sua própria família no ataque ao shopping Westgate.

Uma autoridade policial local afirmou à agência de notícias Reuters que os atiradores que permaneciam no shopping montaram uma barricada dentro de um supermercado.

Cenas de pânico
Os atiradores entraram no shopping por volta das 12h (5h de Brasília), atirando granadas e disparando com fuzis automáticos.

Centenas de frequentadores do shopping conseguiram fugir do local, mas alguns ficaram presos do lado de dentro.

Arjen Westra, que tomava café no shopping no momento do ataque, disse à BBC ter visto cenas de pânico no local.

"Eu podia ouvir o barulho de tiros se movendo na direção da entrada principal do shopping center, então algumas pessoas saíram correndo do café, em pânico, e muitas se jogaram ao chão", disse.

O analista de segurança da BBC Frank Gardner diz que uma fonte dos serviços de segurança contou a ele que ao menos um dos atiradores era uma mulher, que parecia ter algum posto de liderança no grupo.

Passadas cerca de sete horas após o início do ataque, o Al-Shabab disse em sua conta no Twitter que seus combatentes ainda enfrentavam as forças de segurança quenianas dentro do shopping Westgate.

O grupo afirmou ainda pela internet que o governo queniano teria a intenção de negociar o fim do cerco ao shopping, mas as autoridades afirmaram à BBC que pretendem caçar todos os responsáveis pelo ataque.

Um dos atiradores teria sido ferido e preso e morreu posteriormente por conta de seus ferimentos, segundo afirmaram autoridades locais à BBC. Outros quatro atiradores foram presos.

Estrangeiros
Especialistas em segurança teriam advertido há tempos que o shopping center, que é ao menos em parte de propriedade israelense, estaria sob risco de um ataque terrorista.

Testemunhas ouvidas pela agência de notícias France Presse afirmaram que os atiradores falavam árabe ou somali.

Outras testemunhas ouvidas por outras agências disseram que eles permitiram que os muçulmanos deixassem o local e disseram que seus alvos eram os não muçulmanos.

Vários estrangeiros podem estar entre as vítimas do ataque. Segundo o superintendente do necrotério de Nairóbi, Sammy Nyongesa Jacob, havia africanos, asiáticos e caucasianos entre os corpos que chegaram ao local.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos disser ter relatos de que cidadãos americanos estariam entre os feridos no que chamou de "ato de violência sem sentido".

A Presidência da França afirmou que dois cidadãos franceses estavam entre as vítimas do ataque, e o ministro britânico das Relações Exteriores, William Hague, afirmou que "sem dúvidas" haveria cidadãos britânicos afetados pelo ataque.

O primeiro-ministro do Canadá, Sttephen Harper, confirmou que dois cidadãos de seu país, incluindo um diplomata, estão entre os mortos.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
"Esse é o novo normal", diz Marquinhos Trad sobre flexibilizações
Geral
Desempenho de MS na Paralimpíada faz governo ampliar bolsa a atletas do estado
Geral
Estudo aponta que queimadas no Pantanal mataram 17 milhões de animais em 2020
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Geral
Servidor da prefeitura que filmava colegas em banheiro é demitido
Vídeos
Vídeo: Inês Brasil é ‘expulsa’ de “A Fazenda” e viraliza nas redes sociais
Geral
Vencendo a Covid: Hospital da Cassems tem zero paciente internado com a doença
Geral
Em evento, Ambev lançou a cerveja Spaten na capital
Geral
Fontes afirmam que Pastor Junior Lopes tinha mais problemas
Geral
Idoso de 86 anos com Alzheimer desaparece no Carandá Bosque

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono