Menu
Busca quinta, 21 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio

O crime ocorreu em 15 de agosto, na Barra da Tijuca

16 setembro 2018 - 14h24Agência Brasil

O Grupo Especial de Combate a Homicídios de Mulheres do Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou à Justiça o industriário Pedro Paulo Barros Pereira Júnior, o comerciante Paulo Maurício Barros Pereira e o guarda municipal de Resende, Hamir Feitosa Todorovic, pelo assassinato de Karina Garofalo Pereira, 41 anos, no último dia 15 de agosto, na Barra da Tijuca. A corretora de imóveis foi morta quando ia para casa a pé, com o filho de 13 anos, em frente ao condomínio onde morava.

Os três foram denunciados por homicídio qualificado e feminicídio (artigo 121 do Código Penal), com pena prevista de 12 a 30 anos de reclusão e aumento da pena até a metade pelo fato do crime ter sido cometido por razões de gênero. Paulo Maurício e Hamir também foram enquadrados por portar ou ocultar arma de fogo sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar. A pena prevista para esse crime é de dois a quatro anos de reclusão.

De acordo com a denúncia, o crime foi praticado por motivo torpe, já que Pedro Paulo, ex-marido de Karina, arquitetou uma vingança contra a vítima, já que travava com ela disputas judiciais envolvendo a divisão de bens e questões relacionadas à guarda do filho. O denunciado teria ficado contrariado quando a ex-esposa ficou noiva e passou a residir com o novo companheiro.

O Ministério Público escreveu no documento encaminhado à 1ª Vara Criminal da Capital, que o crime foi praticado com recurso que impossibilitou a defesa da vítima, uma vez que Karina foi atingida por Paulo Maurício pelas costas.

O assassino é primo do ex-marido da vítima e foi reconhecido pelo menino, em vídeos requisitados pela polícia de condomínios da região.

Prisão preventiva

Ainda na denúncia, o MPRJ pede a conversão da prisão temporária dos acusados em prisão preventiva, com base no artigo 312 do Código de Processo Penal, para a garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal, por haver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

Pedro Paulo encontra-se foragido da Justiça, enquanto os outros dois acusados estão presos no sistema penitenciário estadual, à disposição da Justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Em audiência, Energisa diz "que não houve aumento de tarifa e sim de consumo"
Geral
Deputados voltam a debater "cota zero"
Geral
Reinaldo será entrevistado na Globo News nesta quinta
Geral
Prefeitura entra na luta pela causa animal
Geral
Reforma pode sofrer alterações no Congresso, diz Major Vitor Hugo
Geral
Lei Anticrime será debatida em audiência na OAB/MS
Geral
Sistema do Detran-MS está fora do ar nesta quarta-feira
Geral
Em entrevista, Longen se diz "a disposição de qualquer controle"
Geral
Maior superlua do ano poderá ser vista esta noite
Geral
UPA Coronel Antonino recebe novas cadeiras e macas

Mais Lidas

Polícia
Depois de sair de festa, jovem morre ao capotar veículo no centro
Cidade
Evite ser multado, saiba onde estão os radares nas ruas da capital
Polícia
Dupla em motocicleta atira e acerta rosto de policial, na fronteira
Cidade
Prefeitura convoca aprovados em processo seletivo para merendeiro