Menu
Busca terça, 13 de abril de 2021
(67) 99647-9098
TJMS abril21
Geral

Onça fujona é solta no habitat natural e terá monitoramento inédito em MS

31 agosto 2011 - 15h21Edemir Rodrigues

A onça pintada que escapou das jaulas e foi capturada duas vezes no Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras) em Campo Grande foi solta em seu habitat natural no início da manhã desta terça-feira (30). O felino recebeu um rádio colar equipado com GPS e rastreamento via satélite e, de acordo com técnicos da equipe que coordenou a soltura, será o primeiro animal da espécie monitorado com essa tecnologia.

O diretor do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) Roberto Gonçalves não divulgou o local onde o animal foi libertado. Segundo ele, estudos genéticos feitos previamente no felino mostraram o local adequado para a soltura.

De acordo com o analista ambiental do Centro Nacional de Conservação de Mamíferos Carnívoros, Peter Crawshaw, que junto com o Imasul deverá monitorar o bicho, explica que a onça é natural de regiões de cerrado e conhecer o habitat dela é fundamental para o sucesso da operação. "O importante é que ela consiga se inteirar na população local de onças", explica.

Segundo ele, o colar capta a movimentação da onça e encaminha as informações por e-mail para os responsáveis. Não existem onças monitoradas em conjunto por GPS e satélite. "Isso não tira a necessidade de fazer um monitoramento no local onde ela está", explica Crawshaw.

A pintada deve estar se aproximando dos dois anos de vida, segundo o analista, e deve estar pronta para procriar em breve. Isso será um dos sinais que a soltura obteve sucesso.

"Esse é um experimento para saber se essa técnica de introdução pode ser empregada e como", afirma Crawshaw.

De acordo com o analista, o ideal era que a onça tivesse aprendido a sobreviver sozinha durante o crescimento, o que não ocorreu devido ao cativeiro. Contudo, as fugas mostraram que ela era capaz de sobreviver ao ambiente. "Ela sobreviveu e ganhou peso", explica.

Segundo Crawshaw, em três ou quatro meses será possível obter dados e informações para saber houve a readaptação e reprodução do felino.

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Sem vacinas, motoristas ameaçam parar transporte público na Capital
Geral
Detran transfere atendimentos para Central de Exames na Capital
Geral
Covid: Campeã mundial de basquete, Ruth morre aos 52 anos
Geral
Corpo de bombeiros doa cestas básicas à famílias atendidas pela SAS
Geral
Covid: Câmara decreta luto e cancela sessão após vereadores perderem familiares
Geral
PGE inicia 1 fase de seleção de acadêmicos para estágio remunerado
Geral
Procon MS tem mudanças, e reclamações podem ser feitas até por cartas
Geral
Filho mata pai a facadas por não querer cortar o cabelo
Geral
Dor e silêncio, a despedida de Jackeline que morreu na Mato Grosso
Geral
Mulher tem celular clonado após ‘instalar’ TikTok

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio